The 101 - 03 - Kicking All Sorts of Ass and Taking Names

Retrato de Rui

O Combate é um tipo especial de acção onde duas ou mais pessoas estão activamente a tentar partir a cara uma à outra. No mundo violento onde opera o 101, esta é também uma das mais fáceis maneiras de resolver problemas.

Este tipo de acção pode vir de Mooks ou de Adversaries.

Mooks são aqueles inimigos que entram às centenas pelo ecrâ adentro, são os personagens sem nome que muitas vezes têm apenas uma função na vida, que é ajudar o Operative a parecer Cool. Eles morrem ou são postos fora de acção tão depressa como conseguem ler esta frase. Podem ser robots, ninja, homens-lagarto, empregados de limpeza, ou tudo o que passar pela cabeça doentia de Chios. E são sempre muitos.

Mecânicamente, Chios descreve a quantidade e o tipo de Mooks que há em cena, designando uma dificuldade, e o Operative escolhe uma Motivation apropriada para os combater, tornando assim o combate um simples à sua Motivation baseado em acções demoradas e dificeis. O Operative deve lançar os dados até obter os sucessos pretendidos por Chios, e a cada lançamento de dados vai correspoder uma troca de tiros, um soco, um corte de espadas, ou tudo aquilo que o Operative e Chios concordarem que é. Por cada lançamento de dados que o Operative não consiga alcançar sucessos, o seu Cool Factor desce por 1, a menos que a acção descrita seja Cool o suficiente para o manter, e tanto o Operative como Chios podem descrever o resultado deste falhanço.

Exemplo:

Peony não conseguiu afastar os vários Mooks, todos empregados da Williams Corporation, que se vêm assim frente a frente com ela. Eles olham uns para os outros, notam que são muito superiores em número, e, com um aceno de cabeça, atacam! Peony corre para o meio deles com as suas Twin Uzi, metralhando-os cirurgicamente ao rodar o corpo e usando o elevado número como escudo e como plataforma para saltar no ar e continuar a metralhar.

Chios designa uma Dificuldade de 2 para este combate, uma vez que são muitos Mooks e estão bem armados. Os sacanas da Wiliams Corporation tratam bem os seus empregados! Peony, com a sua descrição muito Cool, eleva o seu Cool Factor para 5, e usa 2 dados para metralhar os Mooks. Inês lança os dados e tira 6 e 6, um azar tremendo que não lhe valeu nenhum sucesso! Na história, isto pode significar que um deles conseguiu acertar-lhe! Chios diz que, quando ela tentava usar a perna de um como apoio para saltar ele desviou-se um pouco e acertou-lhe à queimar roupa! O seu Cool Factor desce para 4. Ela deve lançar novamente os dados, e pode escolher descrever a acção de maneira Cool de modo a fazer subir o seu Cool Factor. Para apressar o combate, ela resolve apenas lançar os dados e confiar na sorte, que desta vez lhe sorriu, tirando 3 e 4, que são os 2 sucessos necessários. Todos os Mooks estão mortos no chão, buracos fumegantes saíndo dos seus corpos dispostos em círculo à volta de Peony...

Adversaries são o equivalente do Operative, mas do outro lado da linha moral. Eles podem ser tão bem treinados como um Operative, ou mais ainda, ter mais ou melhor equipamento e/ou recursos, e ser uma verdadeira dor nas partes baixas.

Mecânicamente, combater um Adversary é o mesmo que ter uma acção oposta, com uma pequena mas muito importante diferença: o combate só termina quando um dos oponentes estiver morto no chão frio. Isto é conseguido trocando golpes entre o Operative e o Adversary, lançando os dados à vez e comparando os resultados: o que tiver mais sucessos subtrai deles os sucessos do openente, inflingindo o restante em dano ao seu Cool Factor! Ninguém gosta de um perdedor! Quando o Cool Factor for 1, ou se por acaso descer abaixo de 1, isso significa que o perdedor está em maus lençóis. Ele pode estar morto, a sangrar até à morte, inconsciente, preso, ou o que Chios e o Operative concordarem nessa ocasião. O importante a reter é que o perdedor fica fora de acção durante uns tempos e está em grandes sarilhos.

Todos os resultados devem ser descritos tanto pelo Operative como por Chios.

Á boa maneira cinematográfica, a qualquer altura os oponentes podem fazer um ataque que não seja físico e que desperte o Background do seu adversário, escolhendo tanto Chios como os Operatives a melhor Motivation a usar, se houve alguma aplicável. Isto também conta como uma acção oposta, e quem tiver mais sucessos ganha, fazendo activar o Background do perdedor, em vez de lhe baixar o Cool Factor. Muitas vezes este ataque vem na forma de algum comentário ou insulto, o que só acrescenta à Coolness da cena. E, claro, se os restantes jogadores e Chios acharem que isso é merecedor, o Cool Factor do oponente que fizer este ataque também sobe.

Exemplo:

Depois de derrotar os seguranças da Williams Corporation, Peony vê-se frente a frente com Jeremiah Cane, o Presidente do Conselho de Administração da empresa, impecavelmente vestido no seu Armani branco, com uma bengala na sua mão direita, e que é imortal devido às experiências de uma das suas empresas subsidiárias de Nova Dheli em desalojados. Ambos sabem porque estão ali e nenhum deles deseja voltar atrás.

Peony corre para ele abrindo fogo, mas ele mexe-se com uma velocidade sobre humana e, ao mesmo tempo que se desvia para a direita e se aproxima, desembaínha uma espada da sua bengala. Saltando, ele lança um feroz ataque à Operative.

Peony tem um Cool Factor de 4, e Jeremiah Cane tem um Cool Factor de 5. Esta será uma luta que nenhum deles irá esquecer.

Inês decidiu usar as suas Twin Uzi, mas não contava com a velocidade de Cane. Ela rola os dados, obtendo 2 sucessos, e Chios rola os dados por Cane, obtendo também 2 sucessos na sua Motivation Imortal Fighter, o que significa que nenhum deles conseguiu um golpe.

Peony resolve aproveitar a distância encurtada por Cane para lhe lançar um violento pontapé; ele está desequilibrado devido ao golpe falhado e tenta sem sucesos defender-se.

Inês muda de táctica, ela sabe que pode aproveitar o facto de Peony ser melhor lutadora que Cane, e usa agora 3 dados da sua Essential Motivation Unhumanly Strong. Lançando os dados, ela obtém 3 sucessos, e Cane apenas 2, o que reduz o seu Cool Factor para 4, pondo-os em pé de igualdade.

Pressionando a sua vantagem, Peony salta sobre o caído Cane, que tenta sem sucesso aparar o golpe com a sua espada.

Inês lança novamente os dados, tirando 2 sucessos; Cane tem agora o seu Cool Factor mais baixo, e consegue apenas 1, o que reduz ainda mais o seu Cool Factor para 3.

Cane está em maus lençóis, pois enfrenta alguém que o pode derrotar e tirar do poder. A sua defesa não foi bem sucedida, e ele tem agora por cima de si uma Operative que espuma de raiva. Ele tenta rolar de debaixo dela e dar-lhe uma forte estocada com a sua espada. Peony salta quando vê Cane mexer-se, dá um mortal para trás ao mesmo tempo que lhe pontapeia o queixo.

Inês rola novamente os dados, tirando 1 sucesso, enquanto Chios, jogando Cane, não consegue nenhum. O Cool Factor de Cane é reduzido para 2.

Cane é projectado para trás com a força do golpe. Limpando o sangue da boca, ele tenta um truque sujo: "És tu a Peony, certo? Tu não és humana, pois não? Tu és mais extra-terrestre que outra coisa... eu sabia que nenhum humano me poderia derrotar!" Peony fica petrificada com isto, enquanto Cane se levanta e parece literalmente crescer à sua frente.

Chios decide que Peony não tem nenhuma Motivation que lhe permita resistir a isto, enquanto Cane rola os dados para a sua Motivation Dark Secrets, obtendo 1 sucesso, o suficiente para activar o Background de Peony e, como decidido por Chios pela Coolness do discurso, aumentar o seu Cool Factor para 3.

Peony tenta lançar um furioso conjunto de ataques a Cane, e este não faz mais do que desviar-se, aparando os golpes.

Inês lança os dados, e consegue apenas 1 sucesso, mas mesmo assim ainda é mais do que os 0 sucessos de Cane, o que lhe baixa o Cool Factor de volta a 2.

"Posso não ser humana, mas não sou nenhum bastardo assassino de crianças inocentes!", diz Peony, ao mesmo tempo que agarra nos cabelos de Cane e lhe parte a cabeça contra a parede. Cane tenta aparar o golpe com os braços, mas sem sucesso.

Inês lança novamente os dados, obtendo 3 sucessos, que contra o único sucesso de Cane é suficiente para lhe reduzir o Cool Factor a 0. Cane não está morto, mas os seus dias à frente da Williams Corportation estão acabados.

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

O malvado equipamento

Tenho que ser gamista (julgo ser a definição ofensiva apropriada dentro da teoria de RP)  em relação a este capítulo, dizes em cima que os mooks da williams corporation estão bem armados  e por isso de dificuldade 2 p derrotar, a minha pergunta é: existe equipamente q possa aumentar a dificuldade dum mook ou adversarie, se sim tb existe p aumentar as probabilidades do jogador vencer?

Equipamento, esse maroto

Isto foi uma coisa que aprendi com o The Window e que será muito possivelmente posto em algum lado no The 101:

Se estás a definir a tua personagem pelo seu equipamento, então estás a defini-la mal.

Nunca neste rpg irás encontrar regras para equipamento; o que poderá haver é um acordo entre Chios e os Operatives ao dizer: cuidado, estes mooks estão melhor equipados que os anteriores e por isso são dificuldade 2!, mas não encontrarás uma lista de equipamento.

Da mesma maneira, enquanto possas dizer que o teu personagem é Cool e bad-ass porque tem uma arma com balas inteligentes e que acertam sempre que lhe foi dada por alienigenas de outra dimensão, isso não quer dizer que ele tenha mais ou menos hipoteses de acertar em alguém do que outro Operative que diga que tem duas pistolas cujas balas nunca acabam e por isso eventualmente acaba por acertar em toda a gente.

Aliás, até tem alguma vantagem, mas apenas o jogador que melhor descreva o seu Cool Factor e Motivations.

PS: Não me lembro exactamente da questão que colocaste ontem, se te lembrares, por favor coloca-a na secção correspondente, para quando chegar à fase de corrigir textos eu a possa ter em conta. Pode ser?

A escrever: down*town, tech-noir rpg
Proto Agonístes um rpg de auto-descoberta, de um personagem e vários jogador

Portanto, tás a dizer que

Portanto, tás a dizer que neste jogo o que aumenta a probabilidade dum jogador sair vivo dum encontro, é o seu poder imaginativo e descritivo. Independentemente dos "poderes" que escolheu na sua descrição?

Isso é fixe!!

É exactamente isso que

É exactamente isso que estou a dizer. :)

Isso vem da minha má experiência com o Feng Shui: por muito bem que eu descrevesse as minhas acções, os dados acabavam sempre por levar a melhor.

Se calhar o 101 tb vem um pouco daí, mas acho que os jogadores deviam ter mais poder que eles!

A escrever: down*town, tech-noir rpg
Proto Agonístes um rpg de auto-descoberta, de um personagem e vários jogador

Já agora fica outra

Já agora fica outra pergunta sobre o mm assunto, não consideras a existências de nível de motivation, por exemplo se a Peony lutasse contra um adversarie tb c a motivation twin uzis, mm que ele usasse twin uzis dd criança, não teria mais hipóteses que a Peony de vencer o confronto (considerando td o resto igual)?

Niveis de Motivation

Tinha pensado nisso uns tempos, existir o Cool Factor e as Motivations irem de 1 a 3, mas quando fui escrever as coisas vi que naturalmente me tinha saído o texto que agora graça as nossas páginas; e isso agradou-me, digo-te sem malicia.

Por isso agora a única coisa que diferenciaria Peony de um tipo que tivesse 2 Uzi desde a sua meninice é a maneira como ambos ficam bem no papel, ou no grande ecrâ, como lhe queiras chamar.

O que for mais fixe de ver ganha, sem imposições morais.

A escrever: down*town, tech-noir rpg
Proto Agonístes um rpg de auto-descoberta, de um personagem e vários jogador

Re: Equipamento, esse maroto

Rui escreveu:
PS: Não me lembro exactamente da questão que colocaste ontem, se te lembrares, por favor coloca-a na secção correspondente, para quando chegar à fase de corrigir textos eu a possa ter em conta. Pode ser?

está.