FNAC - 5 razões para entrares no fantástico universo dos Jogos de Tabuleiro...

Retrato de Priskus

O que acham disto?!

https://www.fnac.pt/5-razoes-para-entrares-no-fantastico-universo-dos-Jogos-de-Tabuleiro/cp348/w-4#BL=Jogos%20de%20Fam%C3%ADlia%20e%20Tabuleiro|Conselhos%20dos%20Nossos%20Experts|BL2

5 razões para entrares no fantástico universo dos Jogos de Tabuleiro...

DESTAQUE

A todos os que ainda não podem dar-se ao privilégio de dizer, “uma vez consegui ganhar ao meu pai no Trivial”, ou “ontem bati a minha irmã mais velha no Pictionary”, ou ainda, “uma vez consegui endividar o meu tio (expert) no Monopólio”: se ainda não entraram no espetacular universo dos jogos de tabuleiro, ficam 5 razões para o fazerem e depressa…

 

1. Porque o sabor da vitória é indescritível…

I won

 

 

Quem é que não gosta de vencer? Mais… quem é que não gosta de exacerbar a sua vitória perante o pesar dos familiares derrotados? É com base nesses pequenos momentos de despique saudável que se criam laços para a vida!

 

 

2. Porque os jogos de tabuleiro obrigam-te a usar a cabeça!

usaacabeca

Está mais que comprovado que os jogos de tabuleiro são um estímulo para o teu raciocínio lógico, sentido crítico e capacidade de resolução de problemas. Se tens dúvidas, experimenta um jogo de estratégia à séria, como o de Game of Thrones – you win, or you die.

 

 

3. Jogos de tabuleiro são a desculpa perfeita para reunir a família

familia

De certeza que os teus pais estão sempre a dizer que passas demasiado tempo ao telemóvel, nas redes sociais ou a jogar consola… Os jogos de tabuleiro são uma solução brutal. Não só poderás passar tempo em família, como terás a oportunidade de colocar a cultural geral dos paizinhos em cheque (com o Trivial, por exemplo).

 

 

4. Porque os jogos de tabuleiro são lindíssimos artefatos de coleção!

precious

Desde cartas, miniaturas, peças riquíssimas e lindíssimas que contribuirão e muito para a decoração da sala ou do quarto – nerds, geeks e colecionadores incontornáveis entenderão este argumento…  

 

 

5. Porque a mágoa da derrota espelhada na face dos pais/irmãos/primos vale por tudo! 

derrota

Publicado em 26/04/2017

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

Argumentos fortes, esses! É

Argumentos fortes, esses!

É mais uma maneira de divulgar os jogos de tabuleiro, e fazer ver que não são só para crianças ou nerds.

O 5º é sefl-explanatory mas precisava de mais um bocadinho de texto...

Quase...

Quase que era muito bom...

Mas a primeira frase carregada de maus jogos estraga um pouco a coisa.

No entanto, é melhor que nada e mostra, ao menos, que a FNAC não anda completamente a dormir e já percebeu que este é um mercado com grande potencial.

_

_
"[...] a period when games were complex in your brain, instead of on the board."
tommynomad

Mallgur escreveu: Quase que

Mallgur escreveu:

Quase que era muito bom...

Mas a primeira frase carregada de maus jogos estraga um pouco a coisa.
_

Percebo a irritação. Com tanta coisa de grande qualidade publicada nos últimos 20 anos, é desconcertante que as referências continuem a ser jogos mais do que obsoletos. É como se ainda hoje tivessemos de entoar loas ao ZX Spectrum para levar as pessoas a experimentar uma PS4.

Mas também percebo que, para se se quer trazer novas pessoas para os jogos de tabuleiro moderno, é preciso pegar naquilo que lhes é familiar. O problema não é elas jogarem Monopólio. Isso até é bom, porque significa que 3/4 do caminho - reconhecer que é divertido jogar jogos de tabuleiro - está feito. Logo, há boas probabilidades de que tenham interesse em experimentar jogos melhores. A questão passa só a ser esses jogos estarem disponíveis para elas experimentarem.

Há uns anos atrás, o Tom Vasel da Dicetower fez uns vídeos engraçados nessa onda. O princípio era, em vez de esnobar quem gostava do Monopólio, tentar compreender o que é que as pessoas gostavam no jogo. Assim, pegava nas várias mecânicas do jogo (roll-and-move, negociação, set collection, take that, etc.) e introduzia jogos melhores que utilizassem uma ou mais dessas mecânicas.

Aliás, ele está a fazer uma série engraçada, intitulada "10 jogos melhores que...", em que faz uma coisa parecida para outros jogos além do Monopólio, com o Uno, o Stratego, o Risco, o Cluedo, o Pictionary, o Trivial Pursuit (o meu ódio de estimação - 1000000000 vezes pior do que o Monopólio!). etc.. Pode dar umas boas ideais para uma abordagem deste tipo.