Knight Six: Criação da Série

Temos mais uma série de PTA no activo, e chama-se Knight Six. Eu, o Joaquim (The_Watcher) e a Raquel (Eowyn) tínhamos combinado jogar uma sessão (a primeira de muitas, esperamos) de PTA no fim-de-semana passado, mas primeiro precisávamos de uma série...

A criação de Knight Six foi rápida e simples. A meio da semana calhou encontrarmo-nos os três online no MSN Messenger, e foi aí que discutimos os gostos de cada um, chegando rapidamente a um consenso: íamos clonar a La Femme Nikita, criando uma série à volta de condenados recrutados na prisão por uma agência secreta para usarem os seus talentos a fazer os serviços sujos do governo.

Personagens sombrios com passados sombrios a desempenharem tarefas sombrias a mando de pessoas sombrias... o que é que alguém pode pedir mais? Salvo erro, esta é a primeira vez em 15 anos de RPG que jogo/mestro algo sem quaisquer elementos de Fantástico ou Ficção Científica. Até senti um vazio no estômago quando a Raquel e o Joaquim afastaram a hipótese de uma série de FC&F; estava a penetrar em território virgem! Já me tinha passeado pelas fronteiras, olhado lá para dentro, perguntado-me como seria, mas de facto deixar completamente de lado o sobrenatural, a fantasia e a Ficção Científica acho que nunca tinha feito à excepção de um LARP publicado que mestrei há uns dois anos.

Knight Six, o nome da série, vem de uma associação de ideias. Comecei por Rainbow Six, o nome da fictícia equipa anti-terrorista criada por Tom Clancy. Rainbow é um nome excelente para um grupo de militares que só existe para passar a vida a matar pessoas, não é? Infelizmente, já não o podia roubar ao Clancy. À procura de ideias, andei a brincar com palavras. Personagens sombrios com trabalhos sombrios... talvez um nome com algo a ver com noite, sombras ou escuridão? Night Six é uma treta, mas conduziu-me de instantâneo a Knight Six. Cavaleiros honrados é tudo o que estes personagens não iam ser, por isso o nome pareceu-me um bom começo, mas, muito mais importante que isso, Knight Six soa a uma jogada de xadrez.

Isto trouxe-me uma tonelada de novas ideias. Tinha tropeçado na ideia de injectar na série uma temática de xadrez. Pareceu-me incrivelmente apropriado, e o Joaquim e a Raquel acharam o mesmo. Afinal, a série trata de personagens que são verdadeiros peões num tabuleiro, sujeitos a manipulações de toda a espécie.

Em conjunto, nós os três vasculhamos o vocabulário e a terminologia do xadrez à procura de títulos para a série; não encontrámos o título certo, mas ficámos com montes de ideias para baptizar os vários episódios. Knight Six acabou por ficar como título provisório, e está em perigo de se tornar permanente.

De resto, o tema do xadrez reflecte-se um pouco por toda a série, desde o próprio visual do genérico, aos nomes de código das operações e dos operativos e, como já referi, aos nomes dos episódios. Além de que, como nos apontou a Raquel, xadrez tem na linguagem portuguesa mais um paralelo com o assunto da série: xadrez é calão para prisão, que é exactamente de onde foram desenterrados os protagonistas. Querem casamento mais made in Heaven que este?

Quanto aos protagonistas, não houve tempo para os discutirmos antes do dia da primeira sessão de jogo. A única coisa de que se falou foi do nome que a Raquel encontrou para a sua personagem ainda inexistente (ela começa sempre pelo nome do personagem, e não avança sem ter um; engraçado!): Theresa Frostrup, também conhecida por Teri. O Joaquim e a Raquel ficaram de pensar em ideias e conceitos, e trazê-los para a primeira sessão de jogo, onde criaríamos os protagonistas antes de começar a jogar.

Leiam o resto da história em http://www.abreojogo.com/knightsix ou no meu blogue cá no site.

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

Xeque Mate?

Eu não sei se vocês conhecem, mas a DC Comics tem uma agência do governo chamada Xeque-Mate, os operativos são cavalos, os coordenadores Bispos, ajudantes Peões e coisas assim, muita coisa se parece com o que vocês estão criando.

Re: Xeque Mate?

Itiro escreveu:

Eu não sei se vocês conhecem, mas a DC Comics tem uma agência do governo chamada Xeque-Mate, os operativos são cavalos, os coordenadores Bispos, ajudantes Peões e coisas assim, muita coisa se parece com o que vocês estão criando.

Ena! Não, por acaso não conhecia. Sempre fui um leitor Marvel; da DC só lia o ocasional Batman e Superhomem. Isso é uma coisa que faz parte do "setting" DC que nem a S.H.I.E.L.D. da Marvel, ou tem alguma série ou mini-série de quadradinhos que lhe é dedicada especificamente?

Re: Xeque Mate?

Eles eram uma organização governamental norte americana. O rei era o Sargento Steel e durante um tempo uma das torres era o detetive Bullock de Gotham, a Amanda Waller era a Rainha e ela também coordenava o Esquadrão Suicida, um grupo de super vilões de quinta categoria que cumpriam missões para reduzir o tempo de pena.

Acho que o nome em inglês é Checkmate e é uma revista que deve ter sido publicada no começo dos anos 90. Recentemente eles reapareceram numas revistas do Batman. As histórias eram muito legais.