Miscelânea

Para tudo o que não encaixa no resto.

A Comunidade, Pontos de Enconto e lojas. Tudo num mapa!

«Clica na imagem para ir para o mapa»

 

Classificação

Pessoas - Categoria: Entertainment, Cor: Verde

Lojas - Categoria: Business SubCategoria: Loja, Cor: Azul claro

Pontos de encontro - Categoria: General, Subcategoria: Ponto de Encontro, Cor: Azul

 

Podem ver o tópico de discussão sobre o CommunityWalk em: Players where are you?

 

Nota do Admin: para ir relembrando aos membros da comunidade!

Age of Conan online

Acção rápida e directa. Histórias vibrantes num passado mítico. Lugares exóticos. E claro, mulheres de formas voluptuosas à espera (conscientemente ou não) de serem salvas. Estas são algumas das características das aventuras do personagem criado por Robert Howard. Das várias adaptações para diferentes meios, saiu há um ano um mmrpg de que vou fazer a descrição e depois a critica.

Depois de instalar e registar o jogo, temos de escolher o servidor: existem servidores para diferentes línguas e para pvp ou normal: esta escolha é crucial, pois nem todos gostam de andar a ser massacrados pelos outros jogadores (e outros tem um particular prazer de andar a perseguir outros PJ).

Chega em seguida a escolha da nacionalidade. Apenas 3 estão disponíveis: stygio, Aquilónio ou cimério. A escolha é importante, pois determinados arquétipos estão vedadas a outras raças (só os stygios podem ser magos e não podem ser soldados). Vem depois a escolha do sexo e a aparência da personagem. E aqui o jogo rivaliza com os sims: além de ter vários corpos disponíveis, podemos introduzir alterações (alargar ou diminuir lábios, olhos, busto, estatura, cor da pele, etc), muito acima do que é normal nos mmrpg. Como as personagens podem estar em topless, deve ser o jogo com mais gente a jogar personagens femininas.

Temos de seguida a escolha do arquétipo (com limitações como já disse): soldado, rogue, mago, clérigo. Depois temos a escolha da classe dentro do arquétipo: dentro do mago, temos o necromante, o invocador de demónios e o arauto de Xotli (como podem ver, a magia é tratada como nos livros: é uma coisa maléfica, feita por ambiciosos, não por idosos simpáticos de longas barbas e bordão). Um aparte: não concordo que só os stygios possam ser magos, que eu saiba os seguidores de Xotli não eram stygios, e havia invocadores de demónios na Aquilónia, mesmo que ilegais). Nos clérigos, a classe sacerdote de Mitra é restrita aos aquilónios, a de sacerdote de Set aos Stygios, e os Xamãs aos Cimérios. Nada contra. Para os rogues e soldados, diversas combinações são possíveis.

Falando dos magos (que são os que conheço melhor), os 3 tipos de magia são diferentes. Os necromantes invocam mortos que usam para se proteger e provocam dano à distância. Os invocadores de demónios, tem demónios para protege-los e sacrificando a sua saúde, conseguem provocar dano acrescido, os arautos de Xotli, tem a sua divindade que encarna neles e dá-lhes parte dos seus poderes: tornam-se mais fortes e ágeis, e são combatentes corpo-a-corpo que fazem enorme quantidade de dano a quem está junto a eles (só que são muito frágeis).

Temos depois diferentes características (estas não lhes podemos mexer, são escolhidos de acordo com o nosso arquétipo, o que é uma pena): constituição, força, agilidade, stamina, saúde, etc e que vão evoluindo à medida que subimos de nível.

Temos também skills (climbing, concentration, etc), que tem pontos que vamos distribuir livremente (e vamos adquirindo mais à medida que subimos de nível).

O sistema de combate é baseado nos combos do street figther: escolhemos o combo (o golpe) e depois temos de clicar em determinadas teclas para o executar, dando golpes visualmente interessantes (por vezes consegue-se decapitar um adversário ou empalá-lo- sim, é um jogo com muita violência).

Temos um reduzido número de feitiços disponíveis e depois os feats: são traços que vão mnelhorando os nossos feitiços e combos. Temos 3 “árvores” de feats: um que melhora a nossa capacidade de combate corpo-a-corpo, outra que melhora as nossas características como ser possuído e uma terceira que é comum a todos os magos para feitiços genéricos. Cada trait dos feats tem uma escala de 1 a 5, numa linha e só podemos subir ao nível superior quando temos um determinado número de pontos no nível anterior de traits (podendo estar tudo num único trait ou vários). Podemos decidir também gastar os pontos nas 3 árvores, ou concentrar tudo numa.

Acabado isto, começamos o jogo. Temos uma pequena história de introdução e encontramo-nos numa ilha onde se desenrolarão os primeiros 20 níveis. Temos de completar uma história (que é diferente para todos os arquétipos), mas temos diferentes histórias paralelas e quests opcionais. E o grande ponto positivo: é um verdadeiro rpg. É certo que não é Baldur’s gate, mas está acima por exemplo de Icewind Dale. Quando falamos com um NPC, temos vários diálogos à escolha que tem consequência. Responder: “Sim, lutarei contra esse tirano” é diferente de “Que é que eu ganho com isso?- Pagam-me X? Ok, eu alinho” ou de “Isso não é problema meu, arranje outra pessoa”. E são diálogos falados. A história não é nenhum modelo de originalidade (derrubar um tirano sanguinário juntando-nos à resistência), mas vai-nos introduzindo ao universo do jogo, e já joguei bem pior.

O sistema de morte é pouco doloroso: quando morremos, fazemos respawn no ponto mais próximo sem outra consequência que uma penalização mínima por um certo tempo (que pode anulada, voltando ao local onde fomos mortos).

Os objectos que devem ser encontrados nas quests estão assinalados, e quando são drops, normalmente é o primeiro inimigo que matamos que o larga.

O jogo é relativamente rápido de subir. Eu não tenho muito tempo disponível, e jogando uma hora diária consegui no tempo da trial (2 semanas) chegar ao nível 20 (a título de exemplo, no Lord of The Rings Online demorei quase 2 meses a chegar ao nível 20).

Do ponto de vista visual o jogo é agradável.

O guarda-roupa em compensação é extremamente indigente (longe da abundância do LORO).

Os menus são minimalistas, com muito menos informação que outros mmorpg (mas pronto, tem a informação essencial).

A economia é muito menos desenvolvida que noutros jogos.

Só existem duas maneiras de ganhar xp’s: completar quests, e matar inimigos. Ora já existem outros jogos que oferecem outras formas de ganhar pontos de experiência. Claro que para muitos, a vantagem disto, é que uma pessoa realmente concentra-se no jogo, e não perde infinidades de tempo a tentar adquirir títulos, reputações, recolher recursos e afins como noutros jogos.

O pvp é simples: entramos numa instância e vale tudo. O problema é que torna-se muito complicado fazer quests nessas instâncias, pois há grupos de jogadores ficam junto às zonas de respawn e portas de entrada para matar os recém-chegados imediatamente. A solução é colarmo-nos a um grupo de 2 ou 3 (de preferência com um clérigo).

O que se ganha com o pvp? Skills, reputação e mais uns bónus, mas acho que é mesmo o prazer de andar a matar outros jogadores.

 

Defeitos: ocupa 20 gigas o que é um absurdo. Exige uma máquina extremamente potente, e embora os gráficos sejam bons, não são assim tão bons.

O meu veredicto? Gosto do jogo, mas não é o meu jogo principal. O que é curioso, pois  prefiro o universo de Howard ao de Tolkien. O jogo tem coisas geniais, mas depois falha em coisas básicas; parece ter sido feito por um bando de amadores inspirados que vão aprendendo (e não estou a falar dos numerosos bugs e conteúdos ausentes pelo qual ficou famoso).

Age of Conan Online- Expansão The Rise of the God Slayer

Há perto de um ano saiu a expansão para o jogo online do nosso bárbaro favorito, mas só agora tive a oportunidade de a jogar, por isso faço a review nesta altura.

A expansão introduz um novo território, o império de Khitai, inspirado na China. Howard já tinha apresentado algumas personagens e feito umas poucas referências (o nome vem do termo medieval Cathai que foi dado por Marco Polo, que por sua vez é a sua interpretação da palavra… Kithai, uma tribo das estepes que ocupou o norte da China, mas estou a divagar) mas pouco mais, mas com um modelo tão óbvio, os autores do jogo não tiveram que inventar muito.

Quem quiser, pode começar a criar uma personagem de Khitai, adicionando uma 4ª raça (aos stigios, cimérios e aquilónios). Temos mais uma vez imensas opções na criação física da personagem, podendo criar os diferentes grupos étnicos do extremo oriente a nosso bel-prazer (japoneses, chineses do sul, tailandeses, etc) com penteados característicos. Os nativos de Khitai têm certas limitações na escolha dos arquétipos: podem optar por Guardian, Dark Templar, Bear Shaman, Assassin, Ranger, Demonologist, Herald of Xotli and Necromancer (acho que as opções estão bem feitas e torna a raça mais equilibrada nas escolhas, dado que tem acesso a todos os arquétipos embora não às classes, o que é melhor do que sucedia com as outras raças a que não tínhamos acesso a todos os arquétipos).

De seguida temos que fazer os 20 níveis de Tortage. Nesta altura é completamente saturante voltar a fazer as quests todas do local. Terminado Tortage, se a nossa personagem for de Khitai, temos um objecto que nos permite teletransportar para a entrada da grande muralha que separa o império dos bárbaros, se não, temos de ir à Stigia, ir numa caravana, fazer uma quest pelo caminho que vai varianda (ir buscar água a um Oasis, matar um gigantesco verme estilo Dune, etc) e lá chegamos.

A entrada da muralha é uma zona de quests de nível 20-40, e para não variar algumas são bastante interessantes (ficamos a conhecer o sistema de facções e podemos apoiar algumas em detrimento de outras), mas dificilmente permitem chegar ao nível 40; teremos de alternar com outra zona. Ora para entramos dentro da muralha (e ter acesso ao império) é preciso ser de nível 80 (o topo), o que significa que se tem de abandonar a zona depois do nível 40 e ir para outro lado. Eu joguei com uma personagem da raça Khitai criada de raiz para fazer as quests iniciais, e depois retomei a minha personagem Stygia (que era já nível 76). Subi o mais depressa possível para o nível 80, ainda adoptei uma profissão, a de alquimista para fazer poções, mas estas são tão baratas vendidas nos mercados que não vale a pena perder tempo com isso, e depois rumei para Khitai. Fiz uma quest e depois entrei na grande muralha.

Na primeira província a que temos acessos (northern grassland) são-nos dadas informações adicionais sobre o estado político calamitoso do outrora próspero império: facção que se digladiam, um imperador que se intitula Deus, embora tenha ascendido de forma muito suspeita, corrupção, generais em guerra aberta, incursões de nómadas.

Temos de seguida 12 facções de que podemos escolher 6 (por cada facção que escolhemos, opõem-se outra razões por ideológicas e etológicas, uma espécie de Yin e Yang). Eu escolhi o círculo escarlate (feiticeiros cruéis que se opõem à last legion guerreiros abnegados), os Yellow Priests of Yun (os doutores Mengel do sítio que se opõem-se aos Children of Yag-Kosha uma espécie de AMI), os Tamarin Tiger (criadores de tigres e canibais nas horas vagas que se opõem aos Scholars of Cheng-Ho uns cultistas simpáticos que convocam criaturas ligas à lua), os Brittle Blade (assassinos que se opõem aos shadows of jade) e os Wolves of the Steppe que se opõem aos Hirkanianos (são ambos estilo mongóis, mas escolhi os primeiros porque montam lobos).

Vamos encontrando diversas personagens que nos vão fornecendo quests e temos as quests específicas das facções. Ora esta expansão vem corrigir um defeito gritante no jogo original. Digamos que neste escolhíamos um necromante, ou um sacerdote de Set, ou um invocador de demónios (tudo classes más, como eles não se cansam de repetir, caso não tenhamos percebido) e depois andamos a fazer quests… para acabar com a guerra, devolver a paz e prosperidade, ajudar gente pobre de forma desinteressada, e sobretudo ajudar o rei Conan contra o maléfico Thoth-Amon. É certo que havia uma ou outra quest maléfica, mas eram poucas e esparsas.

Com a expansão e as suas facções isso é corrigido. Existem facções boas e más (embora não se definam assim mas rapidamente nos apercebemos disso). Exemplos de quests: o circulo escarlate manda-nos roubar ossos de monges para fazer um golem, ou criar uma poção que transforma em lobo, damos a beber a um soldado da última legião que é transformado em lobo e depois este é caçado pelos antigos companheiros que julgam que ele matou o seu colega. Os priests of Yun mandam-nos dar poções a doentes terminais que lhes provocam sofrimento psicológico para estudar o momento da sua morte. Ou Wolves of the Steppe que soltam prisioneiros para os caçar como desportos. Acho que já perceberam a ideia… E fora das facções também podemos fazer bullying (ou ajudar) NPC’s noutras quests.

Bem, a ideia disto, é subir de grau (4 ao todo) dentro das facções adquirindo mais prestigio e material especial. Os tigres de Tamarin permitem criar e um dia montar tigres (isto demora tempo e quests, não é uma recompensa imediata pela progressão), o círculo escarlate tem um equipamento defensivo excelente para magos; enfim, cada facção tem as suas recompensas, favorecendo certas classes.

Ao cumprir as missões, recebemos Tokens que podem ser utilizados para comprar xp’s, material de melhor qualidade, poções, ou melhorar a nossa reputação numa facção.

Além do sistema de facção, existe outra recompensa oferecida. Para se entrar em Khitai como já disse, é preciso atingir o nível 80, e este é o topo sem ser possível subir mais. Mas foi criada uma nova árvore de skills, que dão novos poderes e capacidades, tornando a personagem mais poderosa.

O jogo continua a ser possível de progredir a solo, embora existam dungeons para grupos que como é habitual dão recompensas de material especial. Tenho pena de não poder jogar aí (não tenho tempo para escar 3 horas num raid, nem chego a criar laços com outros jogadores (e o LFG aqui é um bocado fraco).

Esteticamente: a zona contígua da muralha é uma estepe; a 1ª província a que temos acesso é composta por planícies e pântanos. São paisagens bonitas mas nada demais. As províncias seguintes têm paisagens muito melhores com florestas luxuriantes que estão ao nível do senhor dos anéis. Eu só explorei 2 provincias em 3 semanas de jogo (é certo que só consigo jogar 1 hora por dia), mas a área é enorme

As roupas das personagens continuam extremamente pobres do ponto de vista estético. Apenas alguns equipamentos de certas facções escapam da monotonia (como as dos brittle blade) mas nota-se que a empresa não liga nenhuma a esta componente do jogo (e imaginem o que seria possível fazer com os Quimonos e outras roupas orientais…).

A latência continua a ser irritante (sobretudo no meio dos combates).

Veredicto: Só vale a pena comprar se pretenderem jogar mesmo até ao nível 80 dado que a maior parte do conteúdo do jogo está vedado até ao topo (a menos que tenham uma necessidade desesperada por jogar uma delicada oriental). Mas para quem chegar aí, é uma bela adição.

O jogo continua adulto (no sentido de violento). Parece-me menos erótico (continuam a aparecer bordeis, mas não vi personagens despidas).

Existe uma guilda portuguesa, que é bastante prestável. Aliás, todo o pessoal dos servidores de PVE/PRG é-o normalmente. Pelo contrário o dos PVP’s continuam a ser mal afamados.

PS: Uma pergunta para jogadores de outros jogos: já viram algum em que os portugueses ponham nomes como “gandasmamas” ou “cheiodetesão” às suas personagens? Já joguei outros jogos e este é caso único…

 

Comentario MEC

Miguel Esteves Cardoso (no jornal Público de hoje) escreveu:

Os jogos de tabuleiro são como piqueniques para as cabeças: aproximam as pessoas física e emocionalmente; dão tempo para encher com palavras e brincadeiras e, sobretudo, fazem com que olhemos uns para os outros sem condescendências; como jogadores, com saúde competitiva. Viva! Qual é a ratoeira que se escreve com quatro letras? Jogo.

Considerações sobre o "Caçador"

Era uma vez.....

Um caçador de vampiros chamado VCH.

Reza a historia que num determinado local um certo caçador de Vampiros "se foi", de forma timida e pouco iluminada....vandalizado e espurgado se ficou de braços estendidos e sem dó nem piedade foi empalado pela propria população da sua aldeia, que festejou ao rubro tal nobre acontecimento...

Querido Vasco, como é possivel seres humilhado por um "newbie".....que sem escrupulos e com o tom certo da palavra te entregou a tao deploravel destino?

Pois é meu amigo, os "gajos" do TrincaBord sao assim.... afaveis mas sem contemplações....

Tenho saudades da expressao do teu rosto de admiração e espanto....

 

Por isso lanço um repto...que tal uma estirada e fazermos um confronto de jogadores de Lisboa e Abrantes com jogos previamente estipulados????

 

Pensem nisso.....

 

Vosso amigo Vampiresco....

Leonardus

Desafio á Capital...

Foi este o texto colocado na Grupo de Lisboa (ver aqui)...passo a transcrever.

 

-----------------------

Era uma vez.....

Um caçador de vampiros chamado VHC.

Reza a historia que num determinado local um certo caçador de Vampiros "se foi", de forma timida e pouco iluminada....vandalizado e espurgado se ficou de braços estendidos e sem dó nem piedade foi empalado pela propria população da sua aldeia, que festejou ao rubro tal nobre acontecimento...

Querido Vasco, como é possivel seres humilhado por um "newbie".....que sem escrupulos e com o tom certo da palavra te entregou a tao deploravel destino?

Pois é meu amigo, os "gajos" do TrincaBord sao assim.... afaveis mas sem contemplações....

Tenho saudades da expressao do teu rosto de admiração e espanto....

 

Por isso lanço um repto...que tal uma estirada e fazermos um confronto de jogadores de Lisboa e Abrantes com jogos previamente estipulados????

 

Pensem nisso.....

 

Vosso amigo Vampiresco....

Leonardus

Here I Stand - Ficheiros

Ficheiros para ler para quem quer aprender Here I Stand.

AnexoTamanho
HiS_in_20_minutes.pdf328.85 KB
Poderes.doc73.5 KB

Inscrições da Ria

Post para a inscrição na Ria Con. Os inscritos até ao momento:

 

JohnnyBeGood

Leonardus + 3 (?)

Goldenclaw

Vch

Soledade

Brainstorm

Costa + 3 (?)

Dugy

Helio + 1

Albinscott

Asur

Polaroid

XPTO (?)

Zenao (?)

DrZodiacus +2

Pensamentos soltos ...sobre o "porquê'"

Ás vezes interrogo-me.

Porquê....o Hugo perde sempre no Ave Cesar?

Porque o Morthar nao vem á TrincaBord?

Porque o Dracus_Invictus nunca Falta? ou mesmo so fala do Galactica?

Entre outros pontos interrogação....estes sao os primeiros...

Vou guardar as minhas respostas...mas espero que voces me deixem aqui as vossas considerações mais profundas e filosoficas...lol

Porquê - Pt 2

Porque sera que determinado "elemento" (não refiro nomes prepositamante), esta-se sempre a queixar p/a NÃO dobrarem as cartas?

 

(Eu sei que qd temos um jogo NOSSO (entenda-se "meu" do dono) o queiramos estimar e poupar, mas para que seja protegido existe uma coisa chamada "protectores de cartas", estas coisas vendem-se em Abrantes, numa loja ao pe da Camara.

 

Cumprimentos, Abraços e Larguras

D_I

Pra semana....

Meus amigos....só se jogar coisas leves...tambem tem limites, se a malta se comprometer vamos lá malhar um jogão pesado...que tal.....???

 

Shadows over Camelot

 

Espero desafios....lol

TrincaBoard Encontro Semanal -> 2/2009

Decorreu ontem (17/04/2009) o 2º encontro semanal Trincaboard.

Desde já os meus parabens ao Hugo Pereira, que nos surpreendeu c/ 3 "newbies".

Mas o acontecimento da noite, foi o surgimento entre nos, qual "Fenix", que renasce das cinzas do: Moura.

Foram jogados:

Saboteur

 

Ave Caesar

 

Bang!

 

Bom, os resultados e o que menos interessa...

 

Ja agora, estiveram tambem presentes: Eu, Gwaylar e Pedro Amaro.

Trocas Magic

Modo de Utilização:

- Por baixo desta página verão as listas de cada um dos utilizadores, procurem nessas listas se tem lá o que vocês querem/têm para troca.

- Cliquem no nome do criador de cada página e contactem-no, clicando no separador "contacto" para poderem mandar-lhe um mail com propostas de troca.

 - O utilizador poderá ter outro meio de contacto disponível na sua página de trocas, se for o caso utilizem esse contacto.

 

Criação de página de trocas: 

- Usem este link para criarem uma página com as cartas que precisam e, se quiserem, com as cartas que têm para troca. Indiquem lá o meio de contacto. (ex: "Mandem mail para endereço@lala.pt" ou "Contactem-me pelo form de contacto disponível em http://www.abreojogo.com/meu_nome_de_utilizador  ", este meio precisa de ser activado pelo utilizador no seu perfil)

- Indiquem a localização para trocas em mão, e local preferido para trocas (ex: Lisboa, Loja de Cartas X, Café do Tóni, etc...)

- Os títulos das páginas filhas deverão ser do género "Lista de X" onde X é o vosso username. Isto serve só para facilitar a leitura.

- Na secção ponham "Jogos de Tabuleiro", nos livros ponham "miscelânea" e nos jogos de tabuleiro escrevam "magic the gathering".

- Nos Grupos, não coloquem a indicação de nenhum grupo (excepto público que está por defeito); isto serve para não encher as páginas principais dos grupos com as vossas listas.

- Editem as vossas páginas quando houverem actualizações às vossas listas.

Avisos: 

- Este tópico destina-se a ser um facilitador de comunicação entra as pessoas, as trocas deverão ser efectuadas EM PESSOA. Trocas por correio têm riscos inerentes que não vão ser responsabilidade o criador deste tópico, troquem cartas desta maneira apenas se conhecerem e tiverem confiança na pessoa com quem estão a trocar!

- Poderão ter que activar no vosso perfil a opção de poderem receber mails através dum formulário. NÃO tenham conversas sobre trocas nesta página, não é o objectivo dela. (contudo podem comentar propondo alterações às regras ou melhoramentos)

Aproveito e deixo aqui um bom motor de busca para as cartas (se não souberem os nomes em inglês por exemplo): http://magiccards.info

Lista da Sara

Raras
3 Greater Gargadon (TSP)  
3 Magus of the Scroll (TSP)
1 Jaya Ballard, Task Mage (TSP)
2 Serra Avenger (TSP)
2 Dust Elemental (PLC)
4 Hypnotic Specter (10ªE)
2 Damnation (PLC)
4 Lavaborn Muse (10E)
2 Tarmogoyf (FUT)

Timeshifted
3 Soltari Priest
1 Pendelhaven
1 Stormbind 
2 Disintegrate
4 The Rack
1 Tormod's Crypt
4 Desert
3 Funeral Charm
4 Stupor

Incomuns
1 Knight of the Holy Nimbus (TSP)
4 Griffin Guide (TSP)
1 Calciderm (PLC)
2 Enslave (PLC)
3 Mogg Fanatic (10E)

Comuns
4 Temporal Isolation (TSP)
3 Spark Elemental (10E)
1 Incinerate (10E)

(por enquanto é isto=X)

Locais para Troca: Lisboa (de preferência: Runadrake)
Se houver alguém de Mafra, melhor=X

Lista do André

boas pessoal estou a precisar das seguintes cartas :

3 delay.

3 cancel.

4 rune snag.

4 spell burst .

1 howlling mine.

3 think twice.

3 mystic speculation.

3 lotus bloom

local de troca : runadrake

contacto:

Lista do Tiago

Preciso de:

Raras:

2 x Tombstalker (FUT)
3 x River of Tears (FUT)
3 x Teferi, Mage of Zhalfir (TSP)
3 x Korlash, Heir to Blackblade
3 x Underground River (9E)
2 x Damnation (PLC)
2 x Pact Of Negation (FUT)
1 x Trickbind (TSP)
3 x Urborg, Tomb of Yawgmoth (PLC)
1 x Extirpate (PLC)
1 x Sengir Nosferatu (TSP)

Incomuns:

2 x Tolaria West (FUT)
4 x Delay (FUT)
1 x Calciform Pools (TSP)
2 x Spell Burst (TSP)

Comuns:

1 x Tendrils of Corruption (TSP)
4 x Rune Snag (CSP)

Localização para troca em mão: Lisboa e arredores.
Local de Preferência: Runadrake