Sessão 2 - "Depois Entranha-se"

Retrato de jrmariano

Algumas semanas depois reunimo-nos de novo para continuarmos as aventuras dos nossos protagonistas nas paragens da Cidade Louca. Não antes, claro sem o GM ter se esquecido das fichas de personagem dos jogadores na casa de um certo anfitrião e de obrigar todos a deslocarem-se da Runadrake's para a casa do dito para se poder enfim jogar.

Confesso que estava um pouco ansioso por que ia usar pela primeira vez a técnica de Flag Framing, onde face ao foco de cada personagem em jogo, construí um conjunto de NPCs (o que é imensamente fácil em DRYH pois basta decidir qual o nível de dificuldade e ameaça representada por cada uma desses seres e converté-los proporcionalmente em dados, normalmente de 1 dado, um NPC menos desafiador, a 12 dados, um dos mais perigosos NPCs do universo). Segundo esta técnica basta fazer uma pequena ficha de GM onde se coloca estes elementos quer em oposição, aproveitamento ou assistência ao foco da personagem. O próprio DRYH com a inclusão das perguntas que referi anteriormente e especialmente com a "Qual é o teu caminho?" torna esta iniciativa especialmente fácil.

O DRYH deixa à escolha de todos os jogadores quem deve enquandrar conflitos ou cenas para os personagens. Depois de expôr as minhas reticências acerca do facto que as cenas de abertura das personagens terem sido enquandradas por mim quando estas acabaram ter sido originadas por uma das perguntas "O que é que te acabou de acontecer?". Decidimos assim andar à roda quanto a responsabilidade da criação e enquadramento de cenas, tal como acontece em Primetime Adventures.

Prometi a mesmo não tornar demasiado literário o Relatório de Jogo pois não só duplico o tempo que preciso para escrevê-lo como também não sei se existe interesse para experienciar tão vividamente o que se jogou quando não se é jogador na própria história. Quanto a vocês não sei mas os RJs demasiados detalhados e extensos aborrecem-me. Mais ainda se lá estiverem escarrapachados páginas de historial dos personagens. Sou só eu?

Bem, o RPL abriu as hostilidades e tirou o Smith da sua dor lacinante em suspenso desde a última sessão quando este levou com o bastão em forma de "mini-Big-Ben" (nome cómico decerto!) na cabeça depois de um encontro com o Comadante Tock do Distrito 13 (um dos Pesadelos da Cidade Louca). Depois de se retirar para as traseiras do diner para se restabelecer Smith estabelece um conflito onde tenta ao mesmo tempo usar um qualquer tipo de Primeiros-Socorros enquanto tenta extorquir alguma informação do empregado do restaurante que se o encontrou assim enquanto punha um saco preto no caixote do lixo. Smith usa o seu talento de Madness, Pré-preparação Omnicognisciente, de modo tirarligaduras e fita adesiva de dentro do seu casaco. A questão era se John conseguia mais alguma informação através do empregado enquanto se punha em condições
ou se o homem acharia toda a situação suspeita complicando a vida deste. Smith teve sucesso e decidimos que ele conseguia
 ficar em forma apesar das informações providenciadas por um dos habitantes da Cidade Louca nunca serem muito conclusivas. Com um olho em querer avançar o ritmo da história e em satisfazer um dos desejos do RPL, descrevi como um jornal no chão anunciava que John Smith tinha sido preso para ser interrogado pela Polícia do Distrito 13. Algo que ainda nem sequer tinha acontecido!

RELATO INACABADO - PROSSEGUIREI DENTRO DE MOMENTOS ASSIM QUE BATER A DÉCIMA TERCEIRA HORA...