Sessão "em casa onde não há pão..."

Retrato de Rick Danger

Esta primeira sessão foi uma revelação do poder de My Life with Master. Era a minha primeira experiência com o jogo e começamos com meia-hora de atraso e um jogador a menos. Have no fear. "My Life" is here.

Desde que Boris misteriosamente desapareceu, os pobres Osiek e Vladimir são forçados a atender a todas as exigências do conde Olaff sozinhos. Pior de tudo, o conde está cada vez mais tenso com a suposta e iminente chegada dos seus convidados de Wallachia. Tudo tem de estar insanamente perfeito.

Ao início da noite, o mestre foi buscar o seu criado surdo pelas orelhas e trouxe-o até ao seu estúdio para lhe poder mostrar o que pretendia. Neste gigantesco atelier, o conde dispõe de uma mesa com uma maquete em madeira da vila de Mynas ou, pelo menos, na sua opinião, como ela deveria ser. O mestre parecia particularmente furioso neste fim de dia. Atirou um pedaço de pão seco para cima da mesa.

"Seco. Queimado. Inútil. Como é que posso receber os meus nobres convidados com pão nestas condições?" - pergunta o conde completamente indiferente ao facto de Osiek não escutar uma única palavra.

"Vê se me entendes, meu querido e tão especial Osiek. Quero que uses os teus talentos e faças o que tu tanto gostas. Se eu não posso sequer ter pão para os meus ilustres visitantes, ninguém nesta vila vai ter!" - o surdo já conhecia bem aquele olhar tresloucado.

Ciente da deficiência do seu servo, o conde fez questão de ilustrar o que pretendia. Pegou no modelo da maquete que representava um moinho. Pegou numa vela. Pôs ambos bem à frente de Osiek e pegou fogo à peça de madeira. O moinho ardia nas suas mãos.

"Percebeste, Osiek? E quero-os a arder lá dentro, toda a família desse aldeão insolente, sim? É o castigo que ele merece."

O surdo acenou a sua compreensão.

"Vai então."

......................................

Nas masmorras da grande mansão do Conde Olaff, Vladimir move-se balançando entre os corredores estreitos. Os convidados do mestre haviam arrancado os próprios olhos com as colheres da sopa. Talvez tivessem ficado desagrados com a peça que viram ontem à noite. De súbito, a sombra do mestre dobra uma esquina e pára sobre Vladimir.

"Ah, corja de ignorantes, incultos e insolentes. Estas gentes resistem como idiotas ao benefício que lhes cabe de apreciar a minha arte."

Vladimir encolhe os ombros "Sim, mestre." 

 

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

Opinião de partida

Também achei a sessão muito interessante (parabéns ao João, que se revelou um bom intérprete de personagens). Parece-me que é um jogo com boas possibilidades dramáticas e de interpretação embora, algo limitado em termos de enredos e ambientes possíveis.

podes tirar o "algo"

neonaeon escreveu:

algo limitado em termos de enredos e ambientes possíveis.

Algo limitado? :) É mesmo limitado e de propósito. Certamente que não é o RPG que vais comprar para nunca mais precisares de outro para o resto da tua vida. Dentro do espírito da Forge, é um jogo que faz aquilo que tem a fazer e quer fazê-lo bem. O resto é paisagem.

Se gostares deste, talvez um dia possamos experimentar Dogs in the Vineyard ;) 

neonaeon escreveu:

neonaeon escreveu:

Também achei a sessão muito interessante (parabéns ao João, que se revelou um bom intérprete de personagens). Parece-me que é um jogo com boas possibilidades dramáticas e de interpretação embora, algo limitado em termos de enredos e ambientes possíveis.

Olha para mim a corar!!!

:)

Evil never dies, it just waits to be reborn...