Acordei hoje de manhã e decidi oprimir mulheres!!!

No tópico sobre a mudança de política relativamente aos meetups, o ricmadeira escreveu o seguinte:

ricmadeira escreveu:
havia entre nós 3 lindas meninas, o que é uma proporção altamente respeitável para o hobby mas que ainda assim devia ser bem maior.

Quase como se a Força guiasse as minhas acções, descobri este artigo no agregador de notícias, que acho poder trazer uma discussão interessante... ou talvez não.

I’d consider the indie gaming community, and most certainly the people I’ve met and whom I call my friends, to be a well-meaning, fairly liberal bunch. And I mean liberal in the sense of ‘open to progress,’ not just in the political sense. Even within the indie niche of an already small hobby, we can look around and say, yeah, we’re mostly dudes, and most of us are prepared to say that’s not a good thing. I think we’re all likely to be unhappy with any evidence that suggests that we’re a male majority because there are at least some women who feel unwelcome in the gaming community. I personally don’t want my hobby to exclude anyone, and I would hope that you’d agree.

So what’s a bunch of well-meaning guys to do about it? Why is the problem perpetuated? This is my take on what the problem is and what I plan on doing to rectify that problem. As a part of the group, I consider it my responsibility to try and effect a change.

Part 1: So what’s the problem?

I was considering using big fat scary words like oppression, but I decided against it. Let’s get to the point: the numbers ought to speak for themselves. If they don’t, take the cases of the very few women who speak out about feeling uncomfortable or literally unwelcome as the tip of an otherwise silent iceberg. Anyone who’s been involved with any kind of marketing or survey knows what it means when one person speaks up: there’s 10 more who didn’t.

This is, as we’re all aware, a predominantly male hobby. If you were at Forge Midwest, you know that there were maybe six or seven women there out of about 50. That’s what? A six-to-one ratio? So the game groups are predominantly male, the writers of the games are predominantly male, and the various communities, online or otherwise, are predominantly male. And when you’ve already got cultural baggage, you inevitably run into some assumptions. In general terms, the biggest assumption that happens, even if it’s an unconscious one, is that the predominant group is the norm, the default.

The result of that assumption is a set of behaviors that exclude everyone who isn’t considered part of that norm. In the case of gaming, it’s a predominantly white male group, so you end up with the assumption that the ‘normal’ gamer is also male. If that assumption manifests in game texts, rules and communities, then they can all make women feel unwelcome, even though gaming might be an activity they’d really like to participate in. It could be artwork, language in the game texts, the focus of discussions online, specific game rules, verbalized assumptions, even choice of words. Most often the things that provoke those feelings weren’t even intended. Nobody wakes up and says, “today, I’m going to oppress some women.” But when there are unquestioned assumptions at the level of the group as a whole, the results are inevitable. If you just don’t know what does and doesn’t exclude, you can’t easily avoid doing it.

Now, ideally, what ought to happen is for women to be able to say, “hey, that makes me feel unwelcome,” and get a response that boils down to, “oh, sorry, we’ll stop that, because we want you to feel welcome.” It really ought to be that simple. Except it hardly ever happens. Instead, what happens is stuff like this:

  1. Denial and Minimalizing. Men will respond with comments like, “oh, come on, it’s not unwelcoming, you’re wrong,” or “is it really that bad? I don’t think so.” See, as the predominant group, men get to assume the right to interpret the experience of women and deny the validity of what they say. Then they get to impose their own views upon them, like “really, my game text that you think makes you feel uncomfortable is about this other thing.” If you can deny the problem, then you don’t have to take any responsibility.
  2. Blame the Victim. When women speak up about something in various forums, men will say something like, “I think you’re just not looking at it the right way.” It’s essentially “your problem, not mine” with a polite veneer, focusing attention on the perceived limitations of women. Men are the norm, right? Everything was fine until the women complained. Any problem, then, must be from outside.
  3. Call it something else. Sometimes when a person in a minority position speaks up, someone will respond with a variation of, “that’s just another example of how women don’t understand men.” It’s a red herring that effectively dismisses the more important issue of men having the control over the community in the first place. It’s also easily shifted over to denial or blaming the victim.
  4. “It’s just how things are.” This argument naturalizes any exclusionary behavior. “It’s my hormones that make me want objectified women in my artwork. I can’t be held responsible for that.”
  5. “But I didn’t mean it.” This response just confuses a person’s intentions with the consequences. It’s the consequences that matter. Even if you don’t mean it, you can still do harm. You can’t use, “I didn’t know murder was wrong” in a court of law. It’s a disturbing sense of unacknowledged entitlement that makes anyone think that way
  6. "I’m one of the good ones." This focuses a problem on an individual rather than the system itself. Like, “oh, yeah, your problem is just with Dude. He’s an asshole, but no, I’m not like that.” Except everyone is part of the community, and if there’s a problem with the community, you can either fight or acquiesce. It’s everyone’s problem. 
  7. Sick and Tired. This person claims to hear about it “all the time,” when in fact there’s hardly any discussion at all, largely because of what happens in 1-6. It makes men really uncomfortable, so it only takes a little bit to make them shut down and claim victim status, or to start labeling people who speak out as ‘whining’ or ‘ranting,’ whereas women have to deal with it every single day. Women are probably sick and tired, too, but they can’t get away from it.

For more info, check out  Privilege, Power and Difference, by Allan G, Johnson: [Click to view link]

The real irony of all this stuff above is that it’s hard work. You’re constantly resisting and denying, and you end up distancing yourself from people who challenge the status quo. All you have to do is say, hey, “I hear what you’re saying, and I’m sorry I made you feel excluded, and I will try not to do it again.”

So wait, you’re wondering, maybe, why don’t these crazy men-folk just do that? I think the answer is actually pretty straightforward. People who themselves feel marginalized can’t bear the thought that they could be in a position of power wherein they could hurt someone in the same way that they feel hurt. Who out there hasn’t felt terribly marginalized? What happens, then, is there’s this conflation of “you’re doing something that makes me feel excluded or hurt” with “you’re a bad, bad man like those people with the bitch shirts.” You can’t handle that thought, so you try desperately to prove that it’s not the case. Guilt, or fear that you might be guilty, never did anybody any good."

Fonte: http://rpgtalk.net/msw/weblog/148.html

Numa nota mais pessoal, por acaso foram poucos os grupos de RP que joguei que não tinham uma rapariga, normalmente era a namorada do GM, a minha ou de outro jogador qualquer.

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

Mulheres e vicio

Já tive várias vezes essa conversa com a minha namorada, e chegávamos à conclusao de que o problema era a falta de divulgação. Ela não é alguém que goste particularmente de jogar RPGs, já lhe fiz algumas sessões mais nunca iamos muito longe porque o grupo se desfazia entretanto. Mas ela mesmo assim tem pena de nunca ter conseguido fazer uma campanha até ao fim. E como agora o tempo livre dela é praticamente 0, não estou a ver quando lhe posso fazer a vontade. De qualquer maneira, discutimos o assunto e viamos sempre o obvio: se fosse algo mais comum, se as pessoas conhecessem RPGs, de certeza que haveria mais mulheres ao barulho. Mesmo sendo um hobby maioritariamente masculino, há muitas mulheres e raparigas que têm interesse e jogam com afinco. Houve uma vez que vi na Devir-Arena uma mesa com 5 raparigas e 2 rapazes a jogar D&D. Então qual é o problema de isto acontecer mais vezes? Se calhar é o centro do interesse. Os RPGs habitualmente são acerca de herois, ou poderes, ou horrores, e isto são coisas que não interessam à comum das mortais. É claro que há excepçoes, não se exaltem!

Homens são de Marte, Mulheres são de Vénus. Pode ser estupido e antigo, mas tem razão de ser, pois mesmo sendo cada vez mais parecidos (em direitos e atitudes), estes sexos têm diferenças abissais, e notam-se bem nestes casos. Tentem vocês abordar uma rapariga para se juntarem a vocês numa historia acerca de matar orcs e saberão para onde é que ela vos manda! E se ela sugerir em vez disso jogar algo tipo fantasia romantica muito lamechas, são voces a fugir! Se calhar se houvesse algo que conseguisse atrair tanto mulheres quanto homens, seria mais facil equilibrar as contas dos sexos. Até lá é ir tentando aliciar miudas com perguntas do estilo "queres vir morder pescoços connosco?" ou "vem ajudar a derrotar o exercito negro do Lich-King!" ou ainda "queres vir experimentar horrores ocultos na noite sombria?"


Light allows us to see, Darkness forces us to create...

 

Sempe pensei que fosse uma

Sempe pensei que fosse uma questão de maturidade, afinal de contas o RP, jogos de pc/consolas, comics, etc, são cenas que apelam um bocado à nossa "imaginação de putos". E por isso é que elas, vamos assumir que amadurecem mais rapidamente que nós, se calhar torcem mais o nariz à ideia da coisa, bem cm pessoal mais velho que acham que já passaram a fase de "brincar aos montros".

Viva a criança!!! digo eu... e sem conotações pedófilas!

Certamente podemos dar

Certamente podemos dar espaço a várias opinioes sobre todos os hobbies que mencionas...rpg´s,jogos etc etc.

Para além de ser como sabes uma industria que gera toda junta milhoes de euros, o seu consumo por várias geraçoes nunca poderá ser associado a um amadorecimento de uma pessoa-seja homem ou mulher.é simplesmente o preencher de uma necessidade que por vezes é inesplicavel.Por isso esse estigma de isto ou aquilo serem para "putos"é coisa que não existe.Há,claro produtos mais focados nisto ou naquilo,mais ou menos infantis.

Quanto aos comics---a arte sequencial é a sombra do desenvolvimento da civilização.Só por motivos de uma falta de cultura extrema é que alguem poderá dizer que-comics???eu não leio,isso é coisa de putos

Das grutas para os comics---já dizia Will Eisner.

 

.....isso de brincar aos monstros....bom,é excelente,tenha-se a idade que se tiver. 

Re: Certamente podemos dar

Mongorhead escreveu:
Por isso esse estigma de isto ou aquilo serem para "putos"é coisa que não existe.

Discordo, percebo que racionalmente, e vendo do ponto de vista de quem está envolvido no jogo, n faz sentido, mas a verdade é que ele existe, para muitas pessoas "muito adultas" tar uma tarde a fazer-se passar por vampiro ou cavaleiro ou o q for, em vez de ver a bola ou qq outra coisa é uma coisa p putos.

Mongorhead escreveu:
Só por motivos de uma falta de cultura extrema é que alguem poderá dizer que-comics???eu não leio,isso é coisa de putos

90% de Portugal? ...

è certo que isso existe mas

è certo que isso existe mas tb te pergunto qual será o escape "deles"?desses adultos crescidos?-ir a vigo comer caramelos?vestirem-se de cabedal e ir ao cabo espichel ao domingo nas suas motas japonesas?.......não querendo estar  a dar uma de psicologo de bolso-somento afirmo que o universo de hobbies em que nos inserimos é perfeitamente legitimo e demonstra que pelo menos estamos um grau acima(pessoalmente acho que estamos mais) dos 90% que mencionas.tudo o que gostamos obriga-nos a desenvolver o conhecimento de uma lingua estrangeira,acabando por vezes a dominá-la bastante bem.que outros países na europa conhecemos que tenham uma franja da população que faça o mesmo?

 

LoL---sim mas 90%nem sequer lêm nada. 

Re: è certo que isso existe mas

Mongorhead escreveu:
è certo que isso existe mas tb te pergunto qual será o escape "deles"?

Para além do que sugeri... n faço a mínima ideia, n sou um deles hehe. Agora repara é numa coisa, eu concordo 100% com o que tu dizes, completamente, apenas tou a tentar explicar o ponto de vista da maioria das outras pessoas que se calhar até já ouviram falar de RP e n querem experimentar, ou então nc ouviram e se ouvissem teriam essa reacção, o que eu já vi acontecer.

Morangos com Açucar!

A julgar pelas estatísticas, parece que é o escape de muita gente! ;)

Isso e ir para os estádios de futebol gritar pela bola!

bom,por vezes é semelhante

bom,por vezes é semelhante a sessões de live roleplay.......roda um d6 para as feridas ou fazer um teste de leadership para ver se o resto do grupo fica firme ou bate em retirada.Inclusive por actos majestrais de coragem até podes vir a receber um objecto mágico ou conhecer a sala do tesouro.(uma cacetada nos lombos  ou umas horas no calaboço)

Re: è certo que isso existe mas

Mongorhead escreveu:
universo de hobbies em que nos inserimos é perfeitamente legitimo e demonstra que pelo menos estamos um grau acima(pessoalmente acho que estamos mais) dos 90% que mencionas.tudo o que gostamos obriga-nos a desenvolver o conhecimento de uma lingua estrangeira,acabando por vezes a dominá-la bastante bem.

Pronto, se calhar n concordo 100% com esta parte. Há pessoas e pessoas, por isso n me parece correcto tar a dizer que os praticantes de um hobbie específico sejam mais cultos que outros, até pq a cultura é uma coisa tão vaga e tão dispersa que duvido que haja uma pessoa/hobbie que se possa dizer mais culto que os outros, pode-se é dizer que um hobbie se debruça mais sobre uma parte específica da cultura, e dai n quer dizer que tds os praticantes desse hobbie sejam mais cultos nisso q outra pessoa qq.

não querendo estender a

não querendo estender a conversa a um nivel fundamentalista o que finalmente quero dizer é que....tudo aquilo que nós aqui referimos como hobbies ou escapes são válidos(pelo menos na minha opinião).gostemos ou não, a verdade é que existem uma parafernália deles para todos os gostos e feitios de pessoas.tal e qual como os sapatos.

Ok, subscrito."the drunks of

Ok, subscrito.

"the drunks of the Red-Piss Legion refuse to be vanquished"

Re: Mulheres e vicio

The_Watcher escreveu:
 Tentem vocês abordar uma rapariga para se juntarem a vocês numa historia acerca de matar orcs e saberão para onde é que ela vos manda! E se ela sugerir em vez disso jogar algo tipo fantasia romantica muito lamechas, são voces a fugir! Se calhar se houvesse algo que conseguisse atrair tanto mulheres quanto homens, seria mais facil equilibrar as contas dos sexos.

O Cthulhu tem funcionado bem, principalmente se forem histórias que metam investigação ao estilo policial.

-JP

O que chama mais

Para mim o que tem apanhado mais raparigas é Vampire. Muitas escolhem este como a sua 1ª experiencia, devem-no ter como algo mais adulto, sei lá.


Light allows us to see, Darkness forces us to create...

o que é feito do estilo

o que é feito do estilo agarrar e arrastar para a parte de trás de uma carrinha?

Mas será mm uma questão de

Mas será mm uma questão de jogo ou de comportamento? o que me pareceu do manifesto é que  problema n tinha a ver c os jogos em si mas com o comportamento das pessoas, será tb esse um problema?

E se for um problema dos jogos, tem a ver c o jogo em si setting/regras ou como é apresentado às pessoas e como chega às pessoas? tentando atingir especificamente o mercado masculino.