Kickstarter Cépticismo: Porque não estou desejoso de jogar aquele jogo que compraste...

Retrato de tmgd

Kickstarter
Partilho um artigo que li sobre os jogos do kickstarter e que aborda assuntos que, a meu ver, são bastante interessantes. Por exemplo, o que eles chamam de "endowment effect" e que fala sobre os jogos que nós temos ou que vamos ter em breve e que por isso os consideramos mais valiosos.
 

Artigo original no opinionatedgamers.
 

Kickstarter Skepticism: Why we’re not eager to play that game you backed…

Posted on May 23, 2017 by Chris Wray

By: Chris Wray and Jeff Lingwall

Game night begins, and everybody stands around waiting for somebody to nominate a game.  These days, most large groups have at least one Kickstarter enthusiast, and he or she always seems to speak first.  You probably know the speech, which sounds something like this:

“I backed this game last year, and my copy just arrived.  I really want to play it.  It came with painted miniatures, plus it hit all of its stretch goals.  My copy is a Kickstarter-exclusive!”  

The enthusiasm is understandable.  The backer has paid a small fortune for the game and waited a year for its arrival.  Meanwhile, the designer/publisher has been sending weekly or monthly updates, causing the backer to develop somewhat of an emotional attachment to the game.  

But not all of us are Kickstarter enthusiasts.  In fact, among experienced gamers and game critics, most of us seem to be Kickstarter skeptics.  We’re suspicious of the word “backer” — just call yourself a “buyer” — and we think the phrase “stretch goals” should be used primarily in yoga studios.  

We’re not being curmudgeons: we’ve been around the block a time or two, and we know just how bad Kickstarter games can be.  (Really bad.)  Our time to play games is limited, so please pardon us if we’re not eager to play the game that you paid a fortune for — and waited a year for — without ever playing.  

The fact that the game was on Kickstarter doesn’t mean it is a better game: if anything, it probably means it isn’t.  Traditional publishers are highly selective, and they often spend years developing games, two gatekeeping functions that aren’t present with Kickstarters.

The BoardGameGeek (“BGG”) data supports us. In recent years, Kickstarter games have, on average, underperformed their traditionally-published counterparts in the BGG ratings.  And as time passes, the underperformance gets worse.  As we’ve previously explored, the ratings of most games decline over time.  But that effect is particularly pronounced among Kickstarter games, which have ratings that decline even faster than those of traditionally-published games.  

This is our empirical analysis of Kickstarter games—our attempt at partially explaining why they underperform their traditionally-published peers over time.  

The History of Our Research

Nearly two years ago, we took an empirical look at the cult-of-the-new, asking if board games are getting better.  We concluded, “Great games are like literature, and while every few years a book might need a new cover, what’s inside is timeless.  The next time you go game shopping, check the thrift store as well as the convention floor, because in the end, a top game from 1994 or 2004 is still much higher rated than a below-average game from 2014.”

The article proved controversial, spawning one of the longest comment threads in the history of the Opinionated Gamers.  We loved the debate, and it inspired us to dive even deeper into the BGG data.

Before long, we noticed a trend: Kickstarter games generally underperform their traditionally-published counterparts in the BGG ratings.  We thought about writing an article on the subject, but we ultimately abandoned the project.  Before we stopped writing, however, Chris sent the data to the Opinionated Gamers group, noting that the ratings difference in Kickstarter versus traditional games varied depending on the year.

The group raised several fascinating points, but three proved memorable:

  • People are more likely to buy a game without having played it off Kickstarter than via retail.
  • Kickstarter tends to be more of an emotional experience than just buying at retail.  As Larry Levy noted, “The whole point of the Kickstarter process is to ‘grab’ the potential purchaser, via a video or some other presentation, and get them to pledge money for an unknown creation.”  Plus, if the campaign is successful, backers are continuously updated about the status and production of the game, tying them even more closely to its creation.
  • Kickstarting games tends to be a phenomenon for less experienced gamers.  For one reason or another, many people who have been in this hobby for an extended period of time shy away from Kickstarter.  

Despite the theme of this article, we’re not saying all Kickstarter games are bad…

Both of us have Kickstarter games we love. For example, we both love City of Iron and the new edition of Santorini.  We’ve both “backed” many Kickstarter projects.  And we both enthusiastically await releases from some publishers that use Kickstarter, everybody from Red Raven to Stonemaier.  And it is not just us: some of the highest rated games on BGG are Kickstarter games.

But we’re skeptical of Kickstarter games generally.  We wanted to capture the average experience with the average Kickstarter game, not the success stories (or even the failures).  

We’re painting with a broad brush, and in keeping with that broad brush, we’ve made no attempt to break out games that were truly created because of Kickstarter and those where Kickstarter was merely used as a preorder vehicle.  Some publishers — for example, Queen, Bezier, Indie Cards & Boards, Stonemaier, etc. — use or have used Kickstarter more as a pre-order system.  They still send their games through an extensive development and playtesting period (or at least most of them do).  While we didn’t crunch the numbers, we suspect many of those games would look more like traditionally-published games ratings wise.  They’re still in the sample, but inclusion of those games is likely making Kickstarter games appear better than they actually are, based on our detailed review of the data.

In other words, when we say we’re not eager to play a Kickstarter game, we mean a generic one pulled of a shelf at random.  We can be persuaded, be it by the publisher’s reputation, BGG averages, etc. to play a game from Kickstarter.

What causes the underperformance?  

We feel the big reason Kickstarter games underperform their traditionally-published counterparts is clear: either (a) they are underdeveloped, or (b) they just weren’t that good of a game idea to begin with.  Kickstarter meant game publishing was democratized, and much of the appeal of Kickstarter comes from the fact that anybody with a game idea can try to get a game published.  The problem is that it may or may not be a good idea.  

That would explain why they do worse.  But why, then, do Kickstarter games perform progressively worse over time?  In the most recent year available, Kickstarter and non-Kickstarter games have roughly equivalent ratings, and then they begin to diverge.  We suspect it is due to an “endowment effect.”

What is the endowment effect?  Well, it is a hypothesis in psychology, economics, and legal studies that that people ascribe more value to things merely because they own them.  For example, if you gave somebody a painting and asked them the price they’d sell it for, the number would, for the average person, be higher than the number at which they’d buy the same painting.  The endowment effect has been described as divestiture aversion, but the concept can also be thought of more broadly than that, since it has also been shown that people attach additional value regardless of whether divestiture is in question.

In the board game context this means people tend to attach more value to the games they own, or will soon own. The risk of an endowment effect in Kickstarter games seems particularly pronounced, because buying a Kickstarter often emotionally invests the “backer” deeply in the success of the unplayed game. This infatuation, as it were, extends into a honeymoon period as the game is delivered. But as with any relationship, the heart palpitations upon seeing the new game eventually fade, and for the game to have staying power there’s got to be more than just chrome.

In sum, if there is an endowment effect, we’d see the ratings fall over time as more and more non-backers played the game and as the backers’ honeymoon period with the game ends.  So we crunched the numbers…

Gathering the Data

Last spring, we pulled the average BGG rating (the true average, not the Bayesian average) for all games (and no expansions) with 30 or more ratings published in the last five years (2012-2016).  Why 30 ratings?  We wanted to exclude small print runs from the analysis, plus 30 ratings is also the point at which a game gets its BGG ranking.  And why that time period?  Kickstarter started in 2009, and there just aren’t that many Kickstarter games before 2012. To find which games are Kickstarter titles, we pulled a list of games in BGG’s Kickstarter “family,” regardless of what was in it.  

Then, we waited a year and did it again. (It turns out writing an article about Kickstarter requires almost as much patience as backing a game on Kickstarter.) This would let us compare how people rated Kickstarter and traditional games as time passed. The we started crunching the numbers. We calculated the average rating change between 2016 and 2017 for Kickstarter and traditional games, and we did this separately for games released in 2015, games released in 2014, and so on.

Is this method perfect?  No, but practically speaking, it is the best data we have.

The Findings: Kickstarter Games Fall More in the BGG Ratings

We were surprised at the strong pattern that emerged from the results. In total, Kickstarter games and traditionally published games have roughly equivalent ratings when they’re released (and Kickstarter might even be ahead), but over time, Kickstarter games tend to fall faster, and in the long run they underperform traditionally-published games by 0.05 to 0.15 points.  That may not seem like much, but given how small the standard deviation is for BGG ratings in our sample (roughly 0.77 in recent years from an average rating of 6.67), that’s actually a decent amount.  Additionally, the size of the effect is hidden because (a) many BGG users tend not to go back and change their ratings, (b) Kickstarter games have much more self-selection bias than the more widely-available traditionally-published games, and (c) the Kickstarter sample is benefiting from us including everything in the BGG Kickstarter “family,” which actually includes a few games from traditional publishers that went through their normal screening/development process.  

The graph below shows the results for games released in 2015. The x-axis (the horizontal axis, on the bottom) shows the change in the number of raters between 2016 and 2017.  For instance, the outlying point on the Kickstarter side, with about 8,000 more BGG ratings, is the breakout hit Blood Rage (which we both like). The outlying point on the Traditional side is Codenames, with a jump of over 15,000 BGG ratings. The y-axis (the vertical axis, on the left side) shows the change in average ratings for the game between 2016 and 2017. For example, the average rating for Blood Rage in 2016 when we downloaded the data was 8.27, and in 2017 was 8.18. The average 2017 rating for that game was thus 0.09 less than the average 2016 rating.

2015 Detailed Analysis

Two patterns stand out.  First, traditional games have an increase in the number of people rating them over time, and their ratings still declined, but less so than Kickstarters.  Kickstarters, by contrast, didn’t have as much growth in the number of ratings, but their ratings change was actually worse than that of traditionally-published games.  

Now, there were many Kickstarter games with lower ratings, and many Kickstarter games with higher ratings. The same for Traditional games. But on average, Kickstarter games declined in ratings by 0.13 points, and Traditional games declined in ratings by a much lower 0.09 points. (So, for example, for a popular game with 10,000 ratings, this rating difference could mean that for Traditional games about 900 people are lowering their rating a full point, while for Kickstarter games 1,300 are lowering their rating a full point.) Because Kickstarter game ratings declined by over 50% more than Traditional game ratings, we suspect there is a subtle but strong endowment effect for the Kickstarter games released in 2015.

Now, fascinatingly, this same effect occurs for games released in each prior year we have data, but by a smaller amount. In each year, the average rating decline for Kickstarter games exceeds that for Traditional games, but in each successive year the difference is smaller. The following graph shows the rating decline between 2017 and 2016, for games released in 2015 back through 2012. It’s as if in the year after a Kickstarter game is released there is a strong “cooling off” effect in which the rating adjusts down closer to its “true” unhyped rating, and in following years the game continues to cool off, but by smaller and smaller amounts.

Year Over Year

There are several possible, related explanations. First, the original raters could be lowering their ratings over time as the game loses its shine. Because much of the Kickstarting experience is about shine or hype, the ratings drop by more than Traditional games. Many BGG users rate Kickstarter games without having played them, then the shine wears off really quickly when they do.  Alternatively, later buyers — or, more likely, later players that don’t own the game — may be rating the game lower than the initial owners. It might be that later buyers didn’t experience that Kickstarter glow, or just that those who Kickstarted the game were those to whom the game appealed the most. We suspect each of these happen, but the data we have only allow us to explore at a high level.

It is also worth noting that because for Kickstarter games there is both (a) a sharper fall in ratings and (b) a smaller increase in the number of ratings, there are a couple of troubling possibilities.  First, the original fans of Kickstarters are lowering their ratings at a much more rapid pace than the data suggests, or second, that the non-owners playing the game give the game drastically lower ratings than the Kickstarter owners.  Without breaking out individual ratings, we don’t know, but these appear to be likely scenarios.  

About Those Miniatures…

We suspect that much of the love for Kickstarter games comes from how “shiny” they are, meaning how novel and well produced they are, irrespective of gameplay.  (We’ll admit that are a some beautifully produced Kickstarter games!)  As a proxy for the “shiny” effect, we examined the rating changes for games that were Kickstarted with and without minis. Miniatures provide a significant amount of the hype surrounding many Kickstarter games, and the use of minis, as opposed to standees or other tokens, is generally unrelated to the quality of gameplay. The next figure shows the change in ratings for games released in 2014 and 2015. In general, ratings for games with minis drop by much more than ratings for games without minis, and ratings for Kickstarter games with minis drop the most of all. In fact, for 2015 games, the average ratings decline for Kickstarter games with minis (-0.162) is nearly twice the ratings decline for Traditional games without minis (-0.085).

Minis

While there might be many explanations for, and takeaways from, these data, the lesson we draw is that gamers are discerning. Over time, quality of gameplay will always trump chrome. While we appreciate a beautiful game as much as the next gamer, chrome sometimes acts like lipstick on a pig, and Kickstarter games are particularly prone to pork.

And, once again, we expect this effect would be even more pronounced if BGG users periodically updated their ratings, which of course doesn’t always happen.  

Conclusions

Okay, that was a lot of math.  So what are we saying? Our anecdotal experience often makes us groan when Kickstarter games are brought to the table, and the shinier the game, the louder the groan. While there are notable exceptions, and we applaud those exceptions, we feel that traditional publishing offers significant advantages over crowdfunding and is more likely to deliver high quality, lasting games. The statistics available, while limited, bear this out. The fact that the game was on Kickstarter doesn’t mean it is a better game: if anything, it probably means it isn’t. We’ll take our favorite publishers over a random project on Kickstarter any day.  So please pardon us if we’re not eager to play the game that you paid a fortune for — and waited a year for — without ever playing.

 

 

Grupos:

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

[thums up] Li na diagonal e

[thums up]

Li na diagonal e muito rapidamente, mas concordo com as conclusões. Daí o Thumbs Up.

Fica para ler com mais calma...

Kickstarter

Boas,

Até hoje, apenas apoiei 2 projetos.

Considero que uma das grandes vantagens do crowdfunding é ser uma alternativa ao meio tradicional de edição de jogos. É complementar e não exclusivo.

Uma empresa quando desenvolve um produto, procura agradar a uma visão esteriotipada e pouco ousada de um certo público-alvo. Têm pessoas na equipa que tentam impor essa visão ao design criativo, dizendo que a maioria não vai gostar e a empresa quer chegar ao maior número de clientes possível. Aponta-se para o padrão e não para a originalidade.

Depois pretende-se baixar custos de produção para ter a maior margem de lucro possível.
Mas um comprador que sofra de um nível de geekness muito elevado, pode querer ter aqueles pormenores que tornam o seu jogo uma peça de arte e de excelência. Não quer mais um produto de consumo de massa e normalizado. As campanhas de financiamento do tipo Kickstarter podem ajudar nisso.

O design e produção de jogos de tabuleiro pode ser visto como uma espécie de forma de arte, com um público muito restrito e singular. Um público que quer o melhor e que está disposto a financiar os artistas diretamente. Recordemos o que o Vital Lacerda tem vindo a fazer.

Para concluir, sou um grande admirador do crowdfunding pelas portas que abriu e não pelas que supostamente fechou.

Quanto a pessoas entusiasmadas com o seu novo brinquedo e a quererem pô-lo na mesa, acontece com jogos comprados em retailers, online ou backed. E, às vezes, corre bem, outras não. Se fizeres uma proposta e o jogo não agradar à mesa, arriscas-te a que na próxima não se jogue o que gostarias. É o risco de se fazer escolhas. Isso vai acontecer sempre a quem propõe jogos.

Abraço

PedroV

"Prontos"!... Depois de ler

"Prontos"!... Depois de ler isto, nunca mais vou "beckar" (ou "pledgear"?) nenhum jogo no kickstarter!!! Safa! Ainda fico mal visto junto dos "opinionados" "gurus" dos jogos de tabuleiro (que não compram em kickstarters - só os parvos dos novatos é que o fazem - esqueceram-se foi de esclarecer de onde retiraram esta parte do estudo!)...  

Além disso, ficou provado que, no BGG, os jogos do "kick" são 0,05-0,15 piores do que os outros... Upa, upa! Muito mau, até porque os rankings do BGG são umas autênticas "vacas sagradas", que todos temos de apreciar e venerar abundantemente!

Vamos ser práticos!... Em todo o lado há bom e menos bom, bons e menos bons profissionais, bons e menos bons "designers",  boas e menos boas "editoras", bons e menos bons jogos... Dizer que os jogos de kickstarter não são testados ou são menos trabalhados/desenvolvidos, é uma ofensa para quem os desenvolve com brio e utiliza o kickstarter para financiar a sua produção! Enfim, mais um estudo que vale o que vale e que, para mim pode ser nada e para ti pode ser tudo! Tal e qual os jogos do kickstarter... O que interessa é que gostemos deles, se tu não estás ansioso para o jogares comigo... bem... é para o lado que eu durmo melhor, para usar um palavreado mais elegante!

Deixo os comentarios do

Deixo os comentarios do reddit:

https://www.reddit.com/r/boardgames/comments/6cvhwj/impressive_analysis_of_crowdfunding_vs_non/

A analise feita (a todos os niveis) tem mais buracos que queijo suiço... 

Interessante....

Não deixa de ser curioso a quantidade de gente com muito tempo livre para se dedicar a este tipo de estudos. Gostava de poder dizer o mesmo, mas infelizmente tenho de trabalhar para pagar contas.

Este senhores descobriram a pólvora.

1) Portanto um jogo de Kickstarter tem tendência para cair no rating mais do que um jogo de retail. Não vi em nenhum lado desta análise a menção de que os projectos de KS, salvo algumas excepções, são na sua maioria originados por pequenas editoras, que nao têm uma máquina de marketing tão elaborada ou meios para isso, ou de designers que estão a entrar no meio pela primeira vez, ou ainda não têm nome estabelecido na indústria e como tal não têm possibilidade económica de se lançar numa aventura destas pelos próprios meios. O nosso Vital é um excelente exemplo disso: apesar do reconhecimento internacional que os seus designs têm, não é um monstro da indústria com dinheiro para investir sozinho nos seus projectos.

2) Cada vez mais, as grandes editoras usam o KS como plataforma de reconhecimento de pre-orders, de forma a terem uma noção do print run necessário. Exemplos: Queen Games, Iello, Cool Mini or Not (esta então é gritante), Stonemaier Games. Todas têm lançado jogos consistentemente bons, cujo início vem do KS, sem descurar a qualidade do jogo.

3) Afirmar que o KS gera maior hype do que o retail, é simplesmente despropositado. A diferença que há entre o hype de um jogo que está em KS e um jogo que é anunciado lançamento em Essen ou na GenCon, é o facto de que, no caso do KS tu já o pagaste. Acredito perfeitamente que uma pessoa que vá a Essen, tenha tido oportunidade de jogar todos os 400 ou 500 jogos novos que lá são lançados e os 20 ou 30 que traz na bagagem. É ridiculo afirmar que os jogos no KS são comprados quando nunca foram jogados, e "esquecerem-se" de 2 factos importantes: o primeiro é que a maioria das pessoas compra jogos sem os jogar primeiro, porque ou já conhece o jogo o suficiente através de videos ou de ver outros a jogar, ou então porque quer mesmo comprar o jogo, porque ficou com um hype enorme quando ele foi anunciado. O segundo é que quem esperar que um jogo saia para o experimentar primeiro, acaba por tomar uma decisão baseada em informação que só consegue ter depois do jogo sair, logo, não compra um jogo "novo", mas compra um jogo que entrou agora no mercado e já foi mais que analisado por quem de direito, já tem reviews, videos, e como tal é um produto que já conhece. Não há hype algum em fazer uma compra de jogos assim, porque já não é novidade, mas sim um jogo estabelecido.

RANTING MODE ON

4) Miniaturas? Miniaturas vendem? Porra que os senhores descobriram a pólvora... outra vez. Peço desculpa se gosto que os meus jogos tenham visual appeal, em vez de cubinhos multicoloridos que representam recursos indecifráveis (sim porque toda a gente sabe que os recursos normalmente são cúbicos na sua medição) e que não são colorblind friendly ou tokens banais que representem os maus da fita (impressionantes mesmo, com aqueles desenhos em cores esbatidas, muito intimidantes)

5) Peço desculpa por ter interesse num jogo que me chamou a atenção, foi-me apresentado, foi-me explicado o conceito, foi-me colocado o projecto à frente para eu analisar, dar feedback, dar sugestões, poder apresentar ideias, correções, acompanhar o desenvolvimento, trocar ideias com os criadores, receber feedback das minhas ideias e decidir se quero ou não dar dinheiro numa coisa personalizada e como tal definida em parte por mim; Ao mesmo tempo, também peço desculpa por não ter interesse num jogo fresquinho e acabadinho de sair de Essen, de um designer que nunca ouvi falar na vida (ou pior, de um gajo que já ouvi falar mas nunca gostei), que apresenta um jogo que nunca ouvi falar, que esteve no segredo dos deuses durante a fase de desenvolvimento, (porque, sei lá, alguém podia roubar a ideia), mas que como está a apresentar o jogo em Essen, só pode ter qualidade, porque cubinhos, e Essen...

É tudo relativo meus amigos. Há jogos bons e jogos maus no KS. Há jogos excelente e jogos hediondos no retail (cof, Tichu, cof). A propósito, também não vi os senhores do estudo a mencionar quantos jogos de KS vão parar ao retail para quem, sei lá, ideia maluca, QUEIRA COMPRÁ-LO EM RETAIL PELO MEIOS NORMAIS.

Isto não é um estudo, é uma opinião de quem tem comichão com os KS e começa a perceber que o KS é o futuro dos jogos. Numa era digital, onde a informação está em todo o lado, usar uma plataforma digital para custear um jogo e distribui-lo aos interessados? A lata desta gente!

Viva o cubo!

Nice rant :) A minha única divergência diz respeito ao apelo das miniaturas. Não me dizem grande coisa, pelo menos na fase em que me encontro. Sou sobretudo um euro gamer e adoro cubos. Cubos de todos os tamanhos e cores. Sou um cube lover. Ou, referências à parte a um certo pintor andaluz, um grande apreciador do cubismo na arte dos jogos de tabuleiro. A diferença entre um cubo e uma miniatura é a mesma entre um livro e um filme. Ao contrário das miniaturas, que não deixam grande espaço à imaginação, um cubo pode representar tudo e mais alguma coisa. Pode ser um recurso, um marcador, um bocado de ferro ou uma flor, um bocado de pão ou uma carga de carvão. Pode representar o passado, presente ou futuro, ser um acto consumado ou uma aspiração, uma promessa de vitória na palma da mão. Um cubo é aquilo que uma pessoa quiser. Por isso, preocupa-me mais esta moda das miniaturas do que se elas vêm do Kickstarter ou de Essen. Falta-nos mais fazer o merecido elogio do cubo!

Eu gosto muito do conceito do

Eu gosto muito do conceito do Kickstarter onde qualquer pessoa com uma boa ideia a pode trazer à vida. Infelizmente a experiência do Kickstarter é um bocadinho minada pela quantidade de más ideias que eventualmente conseguem ser backed devido a bom Marketing e miniaturas bonitas.

Ainda assim gosto bastante do Kickstarter e acho que todas os grandes publishers deviam usar o Kickstarter. Os mats do Scythe com "buraquinhos" para os cubos são absolutamente fantásticos, algo que gostava de ter em todos os jogos, e ninguém me tira da cabeça que essa fantástica feature só está disponível porque conseguiram vender tantas cópias antes de começar a produção. Fica mais barato para os publishers e permite-lhes melhorar a qualidade dos componentes. 

Se um jogo como o Terraforming Mars tivesse sido Kickstarted e eles tivessem conseguido logo perceber o sucesso que este jogo seria, se calhar hoje tinhamos player mats brutais para o Terraforming Mars.

EDIT: corrigido grammar

é um ponto de partida para a discussão

E não um ponto de chegada (refiro-me, claro, ao estudo transcrito).

Efectivamente, é bom que se discutam os problemas do KS, para que o mesmo (e os jogos produzidos através dele) evoluam positivamente.

Não gosto de questões matemáticas e por isso não li na íntegra  e com grande interesse o "estudo".

Ainda assim, há algumas ideias a aproveitar.

Parece-me ser de referir também o número elevadíssimo de "jogos de tabuleiro" (com tudo o que isso pode incluir) que são desenvolvidos graças ao KS. Não tenho números, mas por ano devem ser bem mais elevados em comparação com os que saem sem a ajuda de KS (não incluo nisto expansões). O que significa que não é muito difícil que haja muita "porcaria" a ser produzida com a ajuda do KS. É mais fácil montar um KS apelativo e receber fundos daí do que mandar uma ideia a uma produtora de jogos já firmada (como a CGE por exemplo) e esperar que eles venham ter connosco todos contentes porque querem desenvolver o nosso jogo... Não quer com isto dizer que seja correlativamente mais fácil enganar 2 mil pessoas "inexperientes" do que 15 "pessoas experientes"...

Entrando no campo das minis, posso dizer que neste momento já atingi um ponto de saturação e náusea mesmo em relação a jogos com minis. E não tenho assim tantos (os principais sendo o Myth+exp e o Shadows of Brimstone).

O que é verdade é que o Ks é palco actualmente de muita "tralha" que só "vende" porque tem miniaturas. Veja-se o exemplo do Myth, que foi uma loucura de apoio, e que depois quando saiu toda a gente criticou porque não estava "desenvolvido".

As minis criam hype. Dos jogos com mais hype injustificada graças a minis, para mim, é o Zombicide e todas as suas "degenerações" (tipo Black Plague). A meu ver a CMON faz muito boas minis, mas jogos nem por isso. São jogos que pouco tempo depois começam a fartar.

Mas nos dias que correm parece que todo o tipo de jogo tem de ter Miniaturas. Veja-se o exemplo de um jogo que parece espantoso, Barbarians-Invasion agora no KS, cujo pledge com minis é consideravelmente mais caro, mas que tem opção só de madeira. Ou mesmo o Gloomhaven que poucas minis tem, mas que, contrariando a tendência actual, fez do pledge só com standees um exclusivo KS (mais barato por sinal),mas o "normal" é ter minis.

Contrariamente ao Herlander, que respeito muito, não é esse tipo de bling que me move (agora, pois no passado também preferia os jogos assim), mas também não sou radical ao ponto de dizer que os jogos abstractos e minimalistas é que são bons, porque convenhamos, isto de jogos de tabuleiro tem mais bling que xadrez, damas ou go lol

Mas sim, quero um jogo que seja visualmente apelativo (mas que não precisa de encarecer devido a isso como as mini o fazem), mas sem excessos.

Ainda assim, tenho um jogo que está no outro extremo do visualmente apelativo - Legendary Firefly...

É um jogo que tem algum bling por causa do gamemat, mas fica por aí, pois a arte nas cartas é péssima...

No entanto é, para mim, dos melhores deckbuilders que existem.

E fechamos assim o círculo no que toca ao meu comentário dos projectos KS.Até agora, e já lá vão alguns, não tenho tido problemas, (só demoras) por isso será para continuar, apesar de ser um ritmo mais lento, pois começo a estar "saciado" dos jogos novos.

O mistério do Kickstarter

Apesar de já ter apoiado 3 jogos, o apelo do Kickstarter é um mistério para mim.

Sou muito crítico do crowdfunding em geral, que me parece em geral (mais) um esquema para transferir o risco de desenvolvimento dos projetos das empresas para o resto da sociedade. Arriscar com o dinheiro dos outros é sempre mais apetecível.

E a tendência do Kickstarter com os jogos de tabuleiro parece-me confirmar isso. Cada vez mais as editoras usam-no como uma espécie de sistema de pre-order para publicarem jogos que já iam publicar de qualquer maneira, com ou sem Kickstarter. De resto, o artigo parte do pressuposto errado. O que era interessante não era comparar jogos publicados tradicionalmente e jogos kickstarter: seria comparar jogos que só foram publicados por causa do kickstarter e jogos que seriam publicados à mesma, mesmo sem o kickstarter. Aposto a minha coleção de jogos de que a diferença de ratings seria muito maior do que a que aparece no artigo.

Podem-me dizer: ok, mas não é legítimo a uma empresa querer garantir que não perde dinheiro com a edição de um jogo? Verdade. Mas há maneiras mais honestas de o fazer e que não envolvem esta transferência de risco à socapa para o cliente. Um exemplo é o esquema P500 da GMT. Aí, os clientes só têm de sinalizar a sua intenção de comprar o jogo, deixando o cartão de crédito associado a uma encomenda de 0$. Para a editora, é bom, porque têm um excelente indicador para decidir se e quando vale a pena editar o jogo. Para o cliente, o risco é mínimo, pois o dinheiro só é cobrado quando o produto está terminado e prestes a ser enviado e, antes disso, pode cancelar a qualquer momento sem qualquer custo.

Quanto ao efeito do Kickstarter sobre a qualidade dos jogos, também tenho muitas dúvidas. É indiscutível que temos hoje mais jogos de tabulero de qualidade a serem editados do que em qualquer outra altura no passado. Mas não vejo o kickstarter a ser assim tão importante nisso. O que temos atualmente e (até ver) é um círculo virtuoso. Graças à internet, é possível que muito mais gente aceda a muito mais jogos de qualidade. O que permite aos editores crescerem em dimensão e em número e publicarem mais jogos. E que as boas ideias (mecânicas, temas, etc.) circulem mais depressa. O papel do KS nisso? Não me parece muito grande.

O crowdfunding cria a ilusão de que um jogo pode passar sem edição, playtesting, desenvolvimento, etc. Ora todos sabemos que em cada 100 ideias para jogos, 90 são más, 9 são sofríveis e 1 dará um bom jogo. E o sistema tradicional de edição - pelo menos em países como a Alemanha ou os EUA - é, regra geral, bastante bom a apanhar essa ideia, a trabalhá-la e a tirar o melhor dela. Não o deitava fora de ânimo leve.

Por isso, de onde vem o apelo do kickstarter? Eu só vejo uma explicação e essa é bem apanhada pelo artigo: a vivência pela antecipação. O jogo, seja bom ou mau, é apenas um pretexto.

Perdão?

plizest escreveu:

O crowdfunding cria a ilusão de que um jogo pode passar sem edição, playtesting, desenvolvimento, etc.

Perdão?

Só pode ser ilusão mesmo, porque a maioria dos jogos que vão parar ao Kickstarter estão em desenvolvimento e playtesting há anos. Existem projectos no Kickstarter que chegaram ao ponto de patentearem componentes do jogo, para assegurem que a ideia fica do lado deles e não é "aproveitada" pelas grandes editoras.

Que há uma grande quantidade de tralha a sair do KS é verdade, mas não vejo que haja menos a sair para retail. Considerando que o Vital usa Crowdfunding para financiar os seus projectos, afirmar que é "desonesto" pedir financiamento para um projecto, vai contra tudo o que envolve o capitalismo.

É tão "desonesto" quanto eu pedir financiamento para comprar uma casa, ou abrir uma empresa. Tenho de dar a garantia de entregar algo. O conceito de crowfunding não é exclusivo dos jogos de tabuleiro, nem nunca foi. Quanto muito facilita à industria o desenvolvimento e produção dos jogos. Se a ideia é boa ou má, é da exclusiva responsabilidade do designer ou da editora, mas já o era em retail, portanto assumir que o jogos de KS são inferiores porque são à base de crowdfunding é uma falácia.

Se são inferiores é porque o jogo é uma bosta, mas para isso arranjo-te uns dez que nunca chegaram a crowdfunding e andam ai à venda como se fossem a melhor coisa do mundo e talvez da galáxia. Não vi em lado nenhum, que o KS tenta sequer substituir o sistema tradicional de edição. Quanto muito tenta complementá-lo e dar oportunidade aos pequenos editores e aos designers desconhecidos de poderem entrar na indústria sem serem comidos pelos grandes tubarões.

Há empresas enormes a fazerem KS (Iello, CMoN, Queen Games), portanto até elas vêem o beneficio, no entanto, nós, os consumidores é que somos os "Iluminados" e percebemos do assunto.

Sejam honestos e afirmem que não gostam do KS por causa do risco que envolve. Agora justificar o "receio de lidar com o risco" com a "qualidade baixa", isso sim é desonesto.

BlakenDorf escreveu:

BlakenDorf escreveu:

Perdão?

Só pode ser ilusão mesmo, porque a maioria dos jogos que vão parar ao Kickstarter estão em desenvolvimento e playtesting há anos. Existem projectos no Kickstarter que chegaram ao ponto de patentearem componentes do jogo, para assegurem que a ideia fica do lado deles e não é "aproveitada" pelas grandes editoras. Que há uma grande quantidade de tralha a sair do KS é verdade, mas não vejo que haja menos a sair para retail.

A maioria? Vá lá... wink

BlakenDorf escreveu:

Considerando que o Vital usa Crowdfunding para financiar os seus projectos, afirmar que é "desonesto" pedir financiamento para um projecto, vai contra tudo o que envolve o capitalismo. É tão "desonesto" quanto eu pedir financiamento para comprar uma casa, ou abrir uma empresa.

Não sou o fã #1 do sistema capitalista - pelo menos não de algumas das suas variedades - mas acho que estás a confundir duas coisas diferentes. Num financiamento bancário (pelo menos na banca comercial tradicional) são entregues garantias por parte de quem é financiado: uma hipoteca ou uma entrada, por exemplo. Isto quer dizer que o banco corre o risco de perder os juros e possivelmente parte do capital que emprestou; e eu corro o risco de perder o dinheiro/ativo que dei como garantia. Ou seja, o risco é partilhado entre mim e o banco.

No crowdfunding não há nada disso. Todo o risco é assumido por parte de quem faz o pledge. Claro que há sempre casos de excelentes pessoas a fazerem excelentes projetos. Mas, no seu todo, é um sistema muito perverso. Pensa num sistema em que as pessoas podem ter empréstimos a 100% para comprar casas e sem ter de dar garantias a sério. Ou em que um Banco Central está constantemente a imprimir dinheiro para cobrir as perdas do bancos quando o empréstimo corre mal. Oh, wait...

BlakenDorf escreveu:

O conceito de crowfunding não é exclusivo dos jogos de tabuleiro, nem nunca foi. Quanto muito facilita à industria o desenvolvimento e produção dos jogos. Se a ideia é boa ou má, é da exclusiva responsabilidade do designer ou da editora, mas já o era em retail, portanto assumir que o jogos de KS são inferiores porque são à base de crowdfunding é uma falácia.Se são inferiores é porque o jogo é uma bosta, mas para isso arranjo-te uns dez que nunca chegaram a crowdfunding e andam ai à venda como se fossem a melhor coisa do mundo e talvez da galáxia.

Novamente, acho enganadora a categoria de jogos kickstarter. É preciso distinguir os que só sairam cá para fora por causa do KS e aqueles que seriam publicados à mesma, com ou sem Kickstarter.

Uma coisa é um autor que vai a crowdfunding por ser recusado por uma editora. Se isso acontecer na Alemanha, por exemplo, não dou muito pela qualidade do jogo. Em 9 em cada 10 casos, o poeta maldito é muito maldito e pouco poeta...

Outra coisa diferente é um autor que quer escapar ao circuito das editoras. Pego no teu exemplo. Admito que os jogos do Vital Lacerda não são a minha praia. Mas são de muita gente. Muita mesmo. É um autor já de grande reputação internacional e uma referência obrigatória nos Euros pesados. Sejamos honestos: se ele batesse à porta de uma grande editora alemã, achas que não lhe abriam a porta?

BlakenDorf escreveu:

Não vi em lado nenhum, que o KS tenta sequer substituir o sistema tradicional de edição.

Mas não é disso que estamos a falar? Das vantagens do KS face ao sistema tradicional e do que trouxe de novo?

Vou conceder-te uma coisa. Em pequenos mercados como o nosso, até consigo ver um papel para o crowdfunding nos jogos. Temos poucas editoras e são muito conservadoras - e não as censuro, dada a exiguidade do mercado e o historial de alta mortalidade das empresas do setor. No entanto, isto fez durante muito tempo com que os melhores jogos não tivessem edições em português - uma condição sine qua non para que o próprio mercado português cresça. O panorama tem melhorado lentamente. Mas até há bem pouco tempo, podia olhar para o top 100 do BGG e contar pelos dedos de uma mão os jogos que tinham uma versão em português - e mesmo esses seriam aqueles que eram independentes da língua.

O crowdfunding podia ajudar aqui. Eu entrava de bom grado num KS para uma versão portuguesa do Le Havre, de um El Grande e sobretudo de jogos que têm uma componente de storytelling forte (ex. um Tales of Arabian Nights, um Mice & Mystics ou um Robinson Crusoe) para jogar com os meus filhos. Mas quantos crowdfundings vi até hoje deste tipo? Zero. Quem é que lá vai trazendo umas edições em português de clássicos como o Agrícola, o Through the Ages, o Twilight Struggle o Pandemic ou o Las Vegas Quiz? As editoras clássicas como a Devir ou a Morapiaf.

BlakenDorf escreveu:

Há empresas enormes a fazerem KS (Iello, CMoN, Queen Games), portanto até elas vêem o beneficio, no entanto, nós, os consumidores é que somos os "Iluminados" e percebemos do assunto.

Claro que vêem. Quem é que não querer jogar com o dinheiro dos outros? É exatamente esse o meu argumento. O crowdfunding é, na sua essência, um esquema para transferir os riscos das empresas para os clientes. Por isso lá estão e é por isso que vão dominar o KS. Foi feito para elas. É só isso que eu argumento.

BlakenDorf escreveu:

Sejam honestos e afirmem que não gostam do KS por causa do risco que envolve. Agora justificar o "receio de lidar com o risco" com a "qualidade baixa", isso sim é desonesto.

Não. Desonesto é fazerem crer às pessoas que o KS é o que não é. Das minhas 3 experiências no KS, 2 foram um pouco atribuladas (a outra acabou há poucos dias e só tem data de entrega para Outubro). Basicamente, os projetos atrasaram-se cerca de 18 meses em relação ao prazo previsto. Longe de serem os piores casos do KS, portanto. Estranhei um pouco, porque eram pequenas variantes de jogos já publicados, mas nada de mais. Mas fui acompanhando os comentários dos backers. E são de rir às garagalhadas. Uns achavam que eram "investidores" e que por isso tinham um qualquer título de propriedade sobre o projeto. Outros comportavam-se como se tivessem feito uma encomenda de um produto acabado numa loja online. Outros ainda achavam que eram "co-autores" dos projetos. Não estamos a falar de um ou dois casos, mas de dezenas (centenas?) de backers. E não me venham dizer que é ignorância. Porque o sucesso do KS assenta muito nessa confusão.

plizest escreveu: Mas não é

plizest escreveu:

Mas não é disso que estamos a falar? Das vantagens do KS face ao sistema tradicional e do que trouxe de novo?

Não, não é. O post original é sobre um suposto estudo matematico que afirma que os jogos de KS têm tendência para descer mais no rating do que os jogos de retail, logo o dono do "esutdo" insinua que "torce o nariz" quando ouve que um jogo é de Kisckstarter.

E eu pergunto: um jogo é um jogo. Interessa a maneira como foi financiado? Vai ter maior valor ou maior qualidade por ser um jogo de retail ou vice-versa? A não ser que me digam que foi financiado com o sangue dos inocentes em rituais satânicos, sinceramente acho que não faz diferennça nenhuma. Dinheiro é dinheiro, jogo é jogo. Pode ser uma autêntica bosta ou pode ser a melhor coisa do mercado. Não é por ser do retail ou do KS que vai ser melhor ou pior. Quantos jogos já viram sair em retail que são medonhos? Se calhar se tivessem ido ao KS nunca teriam sido publicados, porque ninguém lhes daria dinheiro.

O que está aqui em causa, é uma opinião formada em preconceitos e vendida como estudo matematico, como se fosse algo que fizesse diferença. A matemática é uma ciência exacta, mas os dados usados são manipuláveis ou tendenciosos

plizest escreveu:

Mas fui acompanhando os comentários dos backers. E são de rir às garagalhadas. Uns achavam que eram "investidores" e que por isso tinham um qualquer título de propriedade sobre o projeto. Outros comportavam-se como se tivessem feito uma encomenda de um produto acabado numa loja online. Outros ainda achavam que eram "co-autores" dos projetos. Não estamos a falar de um ou dois casos, mas de dezenas (centenas?) de backers. E não me venham dizer que é ignorância. Porque o sucesso do KS assenta muito nessa confusão.

Sobre este comentário não há muito que possa dizer. Claramente são pessoas que não sabem o que é o KS ou não percebem o conceito. Mas aqui, a falha é claramente humana e não do sistema. Não é ignorância porquê? É culpa do sistema?

E as pessoas que sabem o que é a plataforma e o conceito? São essas as ignorantes ou a minoria? Não existem FAQs ou disclaimers nos projectos para as pessoas lerem? Já sei, vão dizer que nunca ninguém lê essas coisas. O desconhecimento do funcionamento de algo não lhes dá razão automaticamente. É tipicamente humano atribuir responsabilidades a tudo o que não seja o próprio.

O que me faz voltar à discussão original. O "estudo matemático" que prova que os jogos de KS são inferiores. É TUDO RELATIVO. É uma questão de gosto pessoal, tal como nos jogos de retail. Sinceramente custa-me a perceber toda a justificação de "é KS logo é inferior". E não estou a falar do sistema de financiamento porque isso é uma discussão á parte. Estou a falar do preconceito, da ideia automaticamente programada sobre os jogos financiados. Todos os jogos têm de ser financiados de alguma forma. Os jogo de retail são financiados pela editora, logo eles esperam um retorno. Mas as editoras já têm esse orçamento disponivel, logo podem injectá-lo. Esse jogo que foi financiado com o dinheiro da editora é automaticamente superior porquê? O dinheiro era mais limpo, ou veio de uma fonte mais honesta?

A mim não me faz diferença a maneira como o jogo é financiado, porque se o jogo for uma bosta, não há financiamento ou bling que o safe. A mim o que me interessa é a qualidade final do produto. Agora se vem do KS ou de retail, o dinheiro é o mesmo, sai-me sempre do bolso.

KS

Há dois tipos de KS.

Os que as editoras utilizam para se financiarem, e neste caso comprar pelo KS ou em retail é igual, mais exclusivo menos exclusivo, e a qualidade que se pode esperar é igual à que se obtem no retail. Embora estejam disponíveis nesta plataforma nem deveriam ser considerados kickstarters.

Agora nos KS a sério, em que um designer amador se atira à produção de um jogo, a ideia que tenho baseada nos kickstarters que vi (só adquiri um nestas circunstâncias) é que o produto final é muito mais inconsistente do que o entregue por uma editora tradicional a todos os níveis. Em particular aspetos relacionados com o design (coerência de cores e simbologia, qualidade (subjetiva) das ilustrações) e por vezes o própio material do produto final deixam muito a desejar.

Um estudo que comparasse os verdadeiros KS com o retail, limpando dos KS os com origem em editoras tradicionais, iria provavelmente mostrar uma diferença nos ratings muito maior do que a que se verifica.

É isso

Basicamente uma analise puramente numetica e matematica vale o vale. Sao numeros. Ha muita coisa que os numeros nao transmitem em certas situacoes.
So oara colocar o prego final no caixao, chegaram-me agora 2 ks, o castle assault fell fire forge com premier edition e o near and far. Este chegou direitinho a casa sem problemas, o primeiro foi oarar a alfandega onde tive de pagar 40 euros,quando no KS esta anunciado que é EU friendly.
O jogo parece-me excelente, mas no final acava por ficar a 120 euros!! É claro que ja tou a mandar mail pro gajo a dizer que quero os meus 40 euros da alfandega. Nao tenho a culpa que ele tenha enviado dos EUA em vez de dentro da UE. E parece-me que se vai resolver,mas é daquelas situacoes escusadas e que num retail nao acontece. Enquanto backers temos pouco controlo sobre as decisoes dos prdoutores, o que dificulta as vezes as coisas.

€ 0.02

Li um pouco na diagonal o grosso do artigo e com atenção a conclusão.

Penso que os autores foram comedidos na sua conclusão.

Afirmam que a sua experiência empírica os faz desconfiar de jogos vindos de Kickstarter (reconhecem que é algo pessoal) e que há excepções a isso que aplaudem. No entanto, entendem que é mais provável que um circuito tradicional de publicação seja uma maior garantia de qualidade e oferece vantagens sobre o método de financiamento em crowdfunding. Admitem que as estatísticas são limitadas mas é para tal que apontam. Preferem lançar-se a experimentar um jogo dos seus editores favoritos a arriscar num que veio ao mercado pelo KS.

Com isto, na generalidade, concordo.

Não os vejo a afirmar categoricamente que os jogos vindos do KS são piores ou que não aparecem lá bons jogos... Apenas a fazer uma análise relativamente objectiva (os dados não são suficientes para uma objectividade efectiva) sobre o assunto.

Esta questão será, provavelmente, sempre subjectiva pois os ratings do BGG são (cada vez mais) uma fraca medida da qualidade dos jogos embora sejam (cada vez mais) uma boa medida da sua popularidade.

E raramente a popularidade e a qualidade são coincidentes.

Pessoalmente, sempre fui, e continuo, muito avesso ao KS.

Em parte porque vi, e vejo, muito projecto por lá que é uma idiotice pegada. Não só nos jogos de tabuleiro, mas aí também.

Depois porque é relativamente fácil que alguém actue de forma menos correcta nesta forma de financiamento e os mecanismos de compensação/recuperação do investimento são praticamente nulos/inexistentes.

Que o risco é assumido quase completamente pelo apoiantes dos projectos é inegável e isso é uma "inversão" da lógica subjacente a um sistema capitalista o que, naturalmente, representa um desafio para esse mesmo sistema.

A mim, não me agrada muito a ideia de assumir esse risco. Daí que seja muito cauteloso com a possibilidade de apoiar projectos no KS. É uma escolha pessoal.

O facto é que o KS permitiu que mais jogos chegassem ao mercado e que (creio) na maioria dos casos o tempo entre a ideia inicial para um jogo e a sua colocação no mercado foi encurtado.

Naturalmente que quanto mais jogos são editados, maior a percentagem deles será fraca. A qualidade também não costuma ser directamente proporcional à quantidade, antes pelo contrário.

E há um outro aspecto que me parece estar a escapar a muita gente que é a efemeridade dos títulos editados em KS.

Tal como acontece com o estudo, esta ideia resulta mais da experiência empírica do que de factos comprováveis, portanto pode ser completamente errada.

Quantos jogos de KS, mesmo com sucesso, tiveram reedições ou uma distribuição alargada no mercado após o KS? Não sei... Mas parece-me que são poucos.

Será porque um designer não é necessariamente um editor, gestor de projectos, publicitário, gestor financeiro, coordenador logístico e outras tantas funções que acabam por ser necessárias no processo de levar um jogo de tabuleiro ao mercado e, no final do projecto, não está interessado em repetir a experiência?

Parece-me que muitas das vezes o design de jogos é um hobby, algo que se faz por diversão e carolice. Levar o jogo ao mercado acaba por ser a compensação principal e todo o trabalho e chatice do resto leva muitos a não estar para se chatear... Mesmo que achem que teriam novo sucesso noutro KS.

Se não houver uma editora que resolva pegar no jogo e voltar a colocá-lo no mercado, haverá apenas um número limitado de cópias no mercado. Para sempre.

Esta efemeridade mostra-se ainda de outra forma, afectando também os jogos de edição "tradicional". A existência do KS e o seu contributo para o aumento de títulos disponíveis faz com que o Cult of the New se manifeste mais. Não é uma crítica ou censura. Apenas uma constatação. Há mais jogos e portanto há mais coisas novas para experimentar e um jogo acaba por ter pouco tempo para se impor... Se não cair no agrado do grupo com que jogamos habitualmente logo nas primeiras partidas, lá estará condenado a ganhar pó na prateleira.

Não é só com jogos de KS que isto acontece mas há um contributo periférico deste sistema para tal.

Creio que ocaso Gloomhaven é uma das excepções e, em parte, foi por isso que entrei no KS da segunda edição (o principal motivo foi a opinião de quem já o tinha jogado)...

Até agora há apenas 3 títulos a que dediquei algum dinheiro em que o factor KS existiu.

Do Gloomhaven, já falei. Penso que vou gostar do jogo e gostei da atitude do criador/editor no lançamento da segunda edição. O preço não subiu estupidamente (e com o hype que havia teria sido fácil "espetar a faca") e o projecto era simples... Nada de stretchgoals com coisinhas que não interessam nada, nada de 500 miniaturas repetidas, expansões com pouco ou nenhum interesse, etc. O jogo é isto, está aqui uma segunda edição com algumas correcções ao livro de regras e pronto! Queres? Custa um pouco mais que a primeira edição.

Tenho pena de não ter entrado no KS do Santorini. Acabei por comprar o jogo a um preço demasiado elevado (na minha opinião) mas não me apercebi de que estava disponível e seria do meu agrado.

Entrei, em compra de grupo, no KS do Forged in Steel. Tenho jogo há meses lá em casa e ainda não o joguei... Acho que vou gostar mas simplesmente ainda não tive oportunidade e o grupo não se tem virado para aí... E quanto mais tempo passa, menos provável é que vá à mesa.

Voltando ao bovino congelado, se me colocarem a escolher jogar entre dois jogos, que eu não conheço de lado nenhum e de que não sei nada e só me disserem que um foi editado pelo KS e outro pelo circuito tradicional, qual é que eu escolho?

O do circuito tradicional.

Porque é mais provável que esse tenha passado por um crivo mais extenso de análise de vários profissionais envolvidos... E porque, realmente, há muita porcaria no KS. Muita.

Sei que pode ser uma má escolha mas não acho que seja como uma moeda ao ar... Nem de perto.

Isto não tem nada a ver com a validade/interesse do KS em si. Apenas com o uso que é feito do mesmo.

_

The juvenile sea squirt is mobile, with a central nervous system and a brain. Once it has found a suitable rock, it settles down, absorbs its brain, and turns on the TV.

Terry Pratchett and Stephen Baxter - The Long War

Não sendo um acérrimo

Não sendo um acérrimo defensor do KS, já apoiei vários projectos e até agora estou, na generalidade, satisfeito. A maioria dos jogos saíram bons ou bastante razoáveis, e os poucos que eram fracos, não foi complicado vender. Na grande maioria, ficaram com melhores produções e essa é, para mim, a grande vantagem do KS. As grandes desvantagens são o risco de falhar e a espera. 

Quanto ao circuito tradicional, há que dizer que também tem muita porcaria. Aliás acho que se no KS ainda há alguma "desculpa" para os jogos não serem bem testados e sairem uma porcaria, no circuito tradicional não pode haver. Não se percebe as péssimas produções bem como os maus jogos que são publicados quase aos magotes. Esses sim tem obrigação de ter o cuidado de serem bem testados!

Se no KS o risco de sair porcaria é maior, aqui o risco de comprar porcaria não fica muito longe, sendo que compra-se muitas vezes maus jogos, com péssima produção, a preço de ouro!

Se calhar por causa do KS o circuito tradicional está a lançar cada vez mais coisas com menor cuidado, fazendo com que tenhamos mais e mais jogos, mas ao mesmo tempo, demasiados jogos fracos.

E não é só o facto de os publicarem, é também o marketing investido para enganar os clientes. Ao contrário do KS, onde as pessoas entram por sua conta e risco, aqui no circuito tradicional as empresas deviam ter vergonha de nos tentarem vender banha da cobra. Se não tem nada bom para publicar, NÃO PUBLIQUEM!

"Um dos paradoxos dolorosos do nosso tempo reside no facto de serem os estúpidos os que têm a certeza, enquanto os que possuem imaginação e inteligência se debatem em dúvidas e indecisões."

Alhos e bogalhos

Bom, parece-me que há aqui um factor essencial que vale a pena referir. Não se trata de decidir se os jogos do KS são melhores ou piores que os outros. Trata-se de compreender o que é o crowdfunding. No sistema capitalista - já aqui tantas vezes referido - em que vivemos, o paradigma é produzir um produto que tenha a qualidade ou o apelo necessários para que seja vendido e produza lucro. Esse é o objectivo das editoras tradicionais, que têm que se preocupar em pagar salários e assegurar a sua subsistência. O risco corre por conta dos investidores na empresa, através de capitais próprios ou emprestados. Se os capitais forem emprestados, o risco é traduzido em juros das instituições financeiras envolvidas, que fazem disso o seu negócio. Resumindo, o objectivo do lucro é mais importante do que se o jogo tem qualidade. A qualidade é meramente a necessária para que o lucro seja produzido. No crowdfunding estas regras são subvertidas. O objectivo normalmente não é produzir lucro mas materializar uma ideia com a ajuda de quem se interesse por ela e esteja disposto a investir o seu dinheiro pela possibilidade de que esta materialização se concretize. Face a isto, não se pode ter uma expectativa positiva ou negativa sobre os projectos de crowdfunding em geral, como se o Kickstarter fosse uma outra qualquer editora de jogos. O aspecto interessante é o facto de haver um processo comunitário de financiamento que foge aos circuitos tradicionais do financiamento capitalista e que permite a concretização de projectos que de outra forma não passariam de uma ideia. Que muitas ideias sejam más é indiscutível, mas cada um é livre para fazer a sua avaliação e decidir se quer arriscar ou não. E talvez ao fim de produzir alguns maus jogos, o designer que recorre ao crowdfunding acabe por ganhar a experiência necessária para produzir alguns bons. Mas, resumindo, as editoras para obter lucros têm de produzir bons jogos, os que recorrem ao crowdfunding querem concretizar ideias (que podem ser bons jogos). Não misturemos as coisas nem comparemos o que não é comparável.

Kickstarter

Quando partilhei o artigo indiquei que o mesmo abordava vários assuntos que considerava interessantes.

 

O primeiro deles, sobre o "endowment effect" e que fala sobre os jogos que nós temos ou que vamos ter em breve e que por isso os consideramos mais valiosos. Eu tenho conciência que no meu caso isso acontece, isto é, tendo a tentar valorizar mais os jogos que comprei e esforço-me para que, minimamente, os mesmos sejam aceites para se poderem jogar mais vezes. A não ser que eu também não goste e, nesse caso, tento fazer com que esses jogos sigam o seu caminho para outros lados. smiley

 

Houve outro ponto que achei interessante em que escreveram:

Citação:

“I backed this game last year, and my copy just arrived.  I really want to play it.  It came with painted miniatures, plus it hit all of its stretch goals.  My copy is a Kickstarter-exclusive!”  

The enthusiasm is understandable.  The backer has paid a small fortune for the game and waited a year for its arrival.  Meanwhile, the designer/publisher has been sending weekly or monthly updates, causing the backer to develop somewhat of an emotional attachment to the game."

Parece-me algo natural e já vi situações semelhantes acontecerem. Não digo que isso seja bom ou mau, para mim, isso são apenas factos.

 

Relativamente ao artigo propriamente dito (e às suas conclusões), concordo que usaram as "estatísticas" para tentarem demonstrar algo que não é evidente. Números! Por mais exactos que eles sejam dependem muitas vezes das aproximações e dos interesses de cada um para apresentar os seus "resultados".

 

Por fim, confesso que a minha opinião sobre o crowdfunding não é das mais favoráveis, mas isso também está relacionado com a minha má experiência com o "projeto" do jogo Vanuatu que me fez ler sobre vários kickstarters fraudulentos, aliado ao facto de ter de pagar primeiro e depois esperar meses/anos e haver atrasos e no final por vezes o resultado não ser o que prometeram, e, de no meu entender, a maioria dos jogos kickstarter me parecerem ter por detrás o espirito americano que me parecer ser os responsáveis por fazer com que os jogos tenham ficado muito mais caros nos últimos anos. crying

 

Para terminar, partilho um link de um post no BGG que me passaram a falar sobre o artigo anterior (que podem ver o post original AQUI) e que tem o seguinte:

Citação:

After years of me analyzing KS numbers (my first Kickstarter Analytics was posted July 2012), suddenly Opinionated Gamers (OGS) collects data a few times and draws some demonstrably silly conclusions. It's been said that statistics are used by some the way a drunk uses a lamp post: more for support than illumination. Such is the case here. This episode reminds me of the last time I felt the need to rant on others completely missing the point of Kickstarter. Allow me a moment to rant again.

First, KS games are successful. Contrary to OGS, there is a more relevant data set that shows a more salient point: the amount of money raised by board games on KS continues to increase year over year. Last year, it topped $50 million. This year, it will almost certainly be much higher given the success of such games as Kingdom Death ($12M), Rising Sun ($4M) and Gloomhaven ($4M - 40K backers). This very point is entirely missed by the Opinionated Gamers. And frankly, money raised is a more explicit and definite indicator of 'performance' than BGG ratings. It is the one, after all, that 'traditional publishers' care about most.

Second, KS games are significantly in the Top 100 BGG games. This is a point I made before, but is worth repeating: there are now two Kickstarter games in the Top 10. Not many 'favorite publishers' can say this. There are several more in the Top 100. I needn't say again how many KS publishers (ahem - CMON) have outperformed in almost every conceivable way nearly all other publishers. And their future looks very bright indeed. This data is completely obvious and I wonder why it is ignored or otherwise marginalized by OGS. If one wants to treat these as exceptions, then the same should be done for games from traditional publishers. After all, how many of theirs reach these same heights?

Third, the market is changing. Not only is the board game market arguably much boarder (by every measure I suspect), but is also more dynamic and rich in selection. Broader means more of everything - bad and good. KS deserves credit for the expansion, not just the lows but the highs as well - even more so than traditional publishers. In fact, the idea of 'traditional' is likely now an anachronism. KS is by nature nontraditional - but not in the ways stated by OGS. It is not (for example) a place where games hurry out. Consider now the level of illustrations available in high performing KS games and the level of investment. And KS is highly discriminating. Not every KS game succeeds and there are clear reasons why. Crowdsourcing is highly selective and effective. KS is clearly able to leverage this phenomenon to great effect. I fear instead something OGS doesn't: that this trend of winners vs. losers on KS will snuff out innovation. The top winners on KS are *too* much like a traditional [sic] publisher now for my taste.

I won't go into the overtly snobbish tone of the article, but to make one final point: the old guard board game reviewers need to get a grip. As with the other naysayers, they can spew pejoratives at KS to their own peril. I thought KS would taper off myself but the opposite is the case. KS is here to stay and in fact, transform. It has an impact as sizable as Asmodee snapping up small publishers - maybe even more so.

In light of the volume of gamers backing KS games, the Opinionated Gamers are (thankfully) a shrinking and meaningless minority.

Roll Player - work in progress - I´m loving it!

Boas,

Desde de que começámos esta discussão, alinhei no projeto que está a correr do Roll Player.

Kickstarter - ROLL PLAYER - Monsters & Minions Expansion (+ Reprint)

Provavelmente este jogo não existiria, com a qualidade que tem, sem o projeto Kickstarter.

Encontro coisas nele que a edição tradicional não pode, nem consegue oferecer.

É para todos? Não.

Alguns acharão ridículo e infantil? Talvez.

Mas a verdade é que estou divertir-me e quero contribuir para estes tipos, gosto do projeto. Não me importo de esperar e se calhar de perder algum tempo com extras over-produced. O jogo no final vai ser um pouco diferente, dependendo do contributo dos backers. O designer diverte-se/enriquece-se um pouco mais no processo e os backers também.

Aposto o meu dinheiro em que vou ter um jogo melhor do que aquilo que teria se não apoiasse este projeto e estou divertir-me um pouco mais no processo.

O crowdfunding é uma alternativa que oferece coisas que as editoras tradicionais não ofereciam, se calhar vão começar a oferecer também, quem sabe se estes projetos produzirão essa transformação na indústria?

Reproduzo um exemplo:

Voting Results... What's your Backstory?

Posted by Keith Matejka (Creator)

Backstory Stretch Goals

We've already hit two different stretch goals to add Backstory cards to the game.  During the original Roll Player Kickstarter, there were a handful of cards added to the game using backstories written by Backers.  It was super fun and folks enjoyed coming up with these.  I thought it would be fun to do that again.  So, if you'd like to get your character's backstory in the game, here's you chance.  

Requirements:  

    Text should be 28-32 words.
    2-3 sentences.
    Give it a 1 or 2 word title.
    Try not to tread in the same space as the existing backstory cards (See image below or the higher resolution version HERE) .
    Do your best to keep it morally agnostic. It could be a Truth Seeker (Lawful Good) or a Lunatic (Chaotic Evil) that has this backstory.
    Try to keep it class agnostic. If the backstory is about a Thief, then it doesn't work for all the other classes.
    Try to keep it race agnostic, as it could be the backstory of a human, elf, dwarf, etc..
    Make it cool. :)

Post them in the comments to THIS update, or email them to me at

with the title "Backstory", or both. If yours if chosen I may edit it a bit to get it in line with the other Backstory cards.  Have fun!

E estou mesmo a divertir-me.smiley

Abr

PedroV

foco!

quero começar por dizer que acho o kick starter (para tudo, não é só para jogos) uma ideia genial, mas com alguns problemas, sendo que nos jogos de tabuleiro são quase irrelevantes (refiro-me p.ex. aos produtos milagrosos que no ks podem "enganar" muita gente

 

De facto a análise deles tem muitos buracos, a começar pela forma como os ratings são dados no bgg, passando pelo facto das diferenças não serem assim tão grandes (os ratings até podem baixar o dobro em jogos ks, mas quando o valor base é tão baixo (tipo -0,05 em 10, é irrelevante

 

mais importante do que isso, quem faz kick starters não dá ratings aos jogos antes de os jogar n é? e isso sim, podia criar uma diferença enorme, por outro lado, provavelmente na primeira vez que o tentarem meter na mesa vão estar mais "excitados" do que se fosse um processo de compra diferente :)

 

dito isto, concordo com eles que é normal sofrer aquele "endowment effect", intuitivamente parece-me óbvio que esse "extra" de excitment que damos a um jogo deve seguir qq coisa deste tipo (para o mesmo nivel de entusiasmo a qualidade do jogo provavelmente é crescente:

 

pessoa que esperou 1 ano pelo ks

4 meses pelos ks

comprou há umas semanas

já tem o jogo há uns anos

propõe um jogo do grupo ou de outra pessoa

há outros exemplos, se alguém do grupo é fanático por futebol e me vai sugerir um jogo com esse tema, tendo jogado ou não, provavelmente ele vai fazer o jogo parecer melhor do que realmente é, não de propósito, é natural isto acontecer ^^

 

ps: o meu processo de compra favorito até agora chama-se pedro vitoria, recomendou-me o isle of skye "vais adorar, se não fico-te com ele" e não falhou :)

kick starters no semanal de lx

ontem eram aos 2 de cada ^^

o que joguei tinha bling bling e tudo (moedas xpto