3a sessão de Julho - seven deadly sins

Retrato de Rick Danger

The Shinobi endures with a blade in his heart.
The Shinobi endures the torture of deceit.
The Shinobi abandons the path of fealty.
- Kazuo Koike, "Tales of the Grass: Day Like Any Other"

Mais uma vez, conseguimos jogar uma sessão relativamente grande e, assim, vai ficando aqui este index de sessões abertas aos vossos comentários. Desta vez, não só foram os segredos dos Seven que se revelaram, mas também um terrível ritual atingiu toda a cidade e, por fim, os covenants estão prestes a entrar em guerra. De que lado ficarão o Ian e o Jacob? Será esta campanha a história de como Londres caiu de podre? O que ficará para contar no futuro?

 

Tudo indica que marcamos a próxima sessão para o dia 14. Ás 19h no sítio do costume, pendente de confirmação? Recordo que, entretanto, os vampiros mais esfomeados ainda têem a oportunidade de fazer uma caçada e que aqueles eventualmente mais sedentos por XPs ainda nos poderão contar uma bela história. Além disso, se tiver havido alguma coisa que vos inspire e que queiram recomendar, não se esqueçam de contribuir para a nossa bibliografia multimédia. Contribuam para a posteridade.

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

14 @ 19h no sítio do costume!

Confirmo. Desta vez não me devo atrasar, tou lá às 19h. Kudos for the David pic!

No time for writeups, portanto caçar terá de ficar para in-session.

De que lado ficarão o Ian e o Jacob? Não dos Lancea, claro. Pessoalmente preferia evitar atacar os Dracul, já têm problemas que chegue e devemos-lhes algum respeito, se não lealdade. Nunca estamos propriamente do "lado" dos Seven - eles são um caminho, um recurso, para atingir um objectivo, mas nunca inspirarão lealdade. E sabem disso. Faço total intenção de fazer aquele ritual das faquinhas *sozinho*, não ficar preso a ninguém.

O lado de que fico é o do Benjamin, a esse sim devo lealdade. Mas acima de tudo é o meu próprio...

A moral da história poderia ser talvez acreditar na teoria do caos: "como a entrega de dois rapazinhos de coro hoje pode gerar uma all-out war entre covenants amanhã".

Mas, embora tenhamos tomado parte e partido, e de certo modo motivado, os vários eventos da crónica, fico com uma sensação curiosa de impotência para mudar o seu curso. Tudo o que se passou poderia ter acontecido sem nós, ou conosco a tomar escolhas diferentes. [EDIT: Realço que isto não é *mau*, antes pelo contrário! Não esperaria menos de World of Darkness. Tem piada é o contraponto com toda a House of Cards que acabámos por presenciar  e motivar o desabamento.]

A excepção é mesmo o Raven King, que nos faz sentir especiais e escolhidos e únicos na história. Talvez por isso o jogador - se não também o personagem - prefira aliar-se a ele...

pending aproval

O Ãngelo comunicou-me um contratempo. Afinal, vamos aguardar a tua confirmação amanhã de manhã, certo? Entretanto, se for possível, a Inês poderia começar a partir das 18:30?

yoriagami escreveu:
Nunca estamos propriamente do "lado" dos Seven - eles são um caminho, um recurso, para atingir um objectivo, mas nunca inspirarão lealdade. E sabem disso. Faço total intenção de fazer aquele ritual das faquinhas *sozinho*, não ficar preso a ninguém.

Uma das coisas que distingue os Seven como covenant é o seu lado prático, ninguém fala propriamente de lealdade. Alguém como o Alain pode ser altamente respeitado - pois ele tem dado motivos para isso - mas nenhum dos membros o vê em termos de lealdade.

A mesma atitude se aplica à possível guerra provocada entre os Dracul e os Lancea:

montes de vampiros à pancada = mais vítimas para diablerizar

Por isso é que a Matilde disse que é pena para o Jacob ser leal. Quer dizer que já só pode papar metade dos vampiros disponíveis ;)

Suponho que já repararam que esta lógica vai ao ponto de um covenant de diableristas conseguir funcionar apenas porque os seus membros não se conseguem diablerizar uns aos outros :) por isso mais vale apoiarem-se mutuamente. Survival of the fittest, strenght in numbers and all that...

Citação:
Mas, embora tenhamos tomado parte e partido, e de certo modo motivado, os vários eventos da crónica, fico com uma sensação curiosa de impotência para mudar o seu curso. Tudo o que se passou poderia ter acontecido sem nós, ou conosco a tomar escolhas diferentes.

As personagens são evidentemente impotentes perante o grande WoD, mas - à escala da sua humanidade - protagonizam uma mudança brutal nas suas vidas, e é esse o foco desta campanha.

Por outro lado, os jogadores são diferentes das personagens e, esses sim, espero que nunca se considerem impotentes. Acho que a história da campanha apenas preencheu os vazios que vocês deixaram e terá seguido pelos caminhos que vocês acharam interessantes.

Tomorrow

Começando tipo 18h30 - 19h e acabando tipo 23h, talvez dê. Convinha-me saber se vais ter acesso a carro amanhã, para eventualmente preferir jogar mais perto do meu Haven (meia hora de sono *é* bastante quando se vai acordar às 4h...).

Please advise.

Quanto à crónica, concordo totalmente com o que dizes. Sim eu como jogador, ao contrário de como personagem, sinto-me se alguma coisa overpowerful porque sei que as minhas acções e interesses te orientarão, e consequentemente o WoD do jogo...

Quanto aos benefits de poder papar os Dracul, agora que a Sofia morreu not much point left... 

Tou a brincar. Temos sempre a Katherine.   :)