Jogos novos para vós em Dezembro de 2020

Retrato de Mallgur

Coloquem em resposta os jogos que jogaram pela primeira vez neste mês e as vossas opniões sobre os mesmos.

As ferramentas do Grimwold ajudam bastante a saber quais foram.

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

Rossio

Olá para já experimentei Rossio pela primeira vez!

Duas partidas a solo e uma a 2 jogadores.

Nas partidas a solo não tive sucesso positivo. A desvantagem foi grande. 

A dois foi interessante. è um jogo de colocação de peças e pontuação por padrões, mas em vez de pontuar no fim do jogo vais tendo de o fazer ao longo do mesmo.

Gostei é para repetir.

It is a capital mistake to theorize before one has data.

“It is a capital mistake to theorize before one has data. Insensibly one begins to twist facts to suit theories, instead of theories to suit facts.” - Arthur Conan Doule; Sherlock Holmes

Outfoxed! - 3 partidas 

Publicado em 2014

Board Game: Outfoxed!

Prenda do Pai Natal para a pequena detective cá de casa...

Uma excelente introdução ao raciocínio dedutivo. É talvez um pouco fácil demais para adultos mas não será difícil adaptar as regras para ajustar a dificuldade.

Foi muito curioso e gratificante ver a forma como ela foi percebendo como eliminar hipóteses conforme as informações de que se dispõe. Quer as que indicam coisas confirmadas acerca do suspeito quer as que negam outras coisas e permitem a eleiminação de suspeitos pela negativa...

Suponho que em pouco tempo ela crescerá para lá do nível de dificuldade do jogo mas o trabalho importante estará feito.

Faiyum - 1 partida 

Publicado em 2020

Board Game: Faiyum

Sempre que Friedman Friese lança um jogo, eu fico atento... É um designer que tenta sempre alargar as fronteiras e estender os limites das mecânicas que usa e que sem qualquer vergonha (pois não há motivo para tal quando se experimenta algo novo) vai buscar a outros jogos.

Aqui temos uma espécie de deck-buildiing muito misturado com gestão de mão. Não são só importantes as cartas que se adquirem para o baralho mas também a ordem em que as jogamos... Porque aqui há também um pouco do Concordia na necessidade de ir buscar as cartas de novo para a mão.

Associa-se a isto uma necessária contrução de ligações e produção de recursos num tabuleiro onde nada pertence a nenhum jogador específico que provavelmente estará também a beneficiar os nossos adversários e temos um jogo interessante.

Tem um ou outro problema que deriva da sequência em que as cartas que se podem comprar chegam ao mercado. Este "problema" pode ser visto como algo a que o jogadores deverão estar atentos, seja para aproveitar sem atraso os momentos em que esssas cartas estão disponíveis seja para abandonar certas ideias se se tornou impossível adquiri-las... Todas as cartas surgirão ao longo do jogo, disso temos a certeza, mas pode acontecer que apareçam no pior momento e sejam apanhadas por outros jogadores ou que saiam do jogo antes de as podermos adquirir nós.

Não desgostei e tenho muito interesse em experimentar de novo, já com esta experiência adquirida... Preferencialmente com uma cópia física pois é um jogo que atrasa um pouco demais no Tabletop Simulator.

Under Falling Skies - 1 partida 

Publicado em 2020

Board Game: Under Falling Skies

Um jogo a solo. Não são habitualmente a minha praia mas este já me tinha chamado a atenção quando ainda era só um PnP gratuito (ainda se pode obter essa versão, creio) e que comprei quando surgiu no mercado. O preço é um pouco alto para o "tamanho" do jogo mas os componentes são de excelente qualidade. E não estamos a comprar apenas o jogo de 9 cartas da versão PnP com componentes melhorados, não. A versão "comercial" traz mais variabilidade com 5 níveis de dificuldade, bases diferentes com poderes específicos e configurações de salas diversas... E ainda uma modo de campanha que se pode jogar múltiplas vezes pois não temos que eliminar ou estragar componentes. Para esta versão, com todas estas diferenças além da melhoria de componentes, acaba por ser um bom preço.

Embora aqui esteja apenas uma partida (que foi o que joguei em Dezembro) já o joguei mais vezes e estou a gostar.

É difícil... Bastante difícil.

Temos muita coisa contra a qual lutar; O inexorável avanço da mothership, as naves que caem sobre a base para a danificar, a falta de energia para activar certas salas, a necessidade de escavar novas salas para poder fazer acções mais eficazes... Tudo isto gerindo a aleatoriedade dos dados. Temos algumas possibilidades de mitigação e o jogo parace quase sempre "batível" até os dois turnos finais onde, por vezes vemos a luz ao fundo do túnel tornar-se uma saída luminosa, outras um comboio a grande velocidade a vir contra nós... Mais vezes o comboio.

Mas um solo fácil de bater não teria interesse.

 

_

Não me irrita perder porque cada derrota ensina algo e torna a próxima vitória mais gratificante.

Dice Throne S1R - Recebi o

Dice Throne S1R - Recebi o jogo em Dezembro via KS (juntamente com a Season e o Adventures) e acabei por jogar 9h e fazer 8 partidas, sendo este o jogo mais jogado do mês de Dezembro. Os diferentes heróis são qualquer coisa de fantásticos, artwork e design soberbos, já joguei com quase todos da S1R e quero começar a explorar a S2.