O prazer dos GM

Desde ja quero agradecer e glorificar todos os GM e aqueles que estao a pensar em se tornarem GM sem voces o nosso mundo nao avançava nem evoluia

 Nunca joguei rpgs sem ser em computador mas sempre me questionei sobre os GM!!!Eu pessoalmente gosto de jogar de fazer parte da aventura de ficar completamente emerso naquele contexto todo e a minha pergunta é: Para os GM o que fazem dá lhes tanto prazer como me da  mim a jogar? Ser GM é "divertdo" (não é o melhor termo mas nao sei bem como o dizer) ou é um "trabalho" e estao concentrados na tarefa sem pensar se estao a divertir-se?Não estao a sacrificar o prazer de jogar para poder transmitir esse prazer aos jogadores?

 

Mahell 

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

Obrigado pela parte que me toca!...

Mas no fundo o GM é apenas um dos jogadores como os outros mas que lhe é atribuído, na maioria dos jogos, mais responsabilidade e autoridade criativa que os restantes. Ele não é melhor, nem pior, não é uma raça à parte nem um escravo do grupo. Quando experimentares jogos sem GM ou com GMs rotativos verás que todos podem ser GM porque todos são jogadores. :)

"Se alguma vez sou coerente, é apenas como incoerência saída da incoerência." Fernando Pessoa

sopadorpg.wordpress.com - Um roleplayer entre Setúbal e Almeirim
Ludonautas Podcast - Viajando, sem nos movermos, pelos mundos do RPG

Como já disse por aí algures...

..quando vou para a mesa, como GM isto é, nunca sei o que vai acontecer. Sou sempre tão surpreendido como os jogadores, e vou sempre lá para me divertir. Raramente faço planos, reajo sempre ao que os jogadores me dão.

Longe vão os dias em que tinha a lista completa de feitiços decorada*! :D

*e por causa disso perdi grande parte das minhas memórias de adolescência. >:(

--~~--

To crush your enemies, to see them driven before you, and to hear the lamentations of their women.
-Noddy, Lord of Darkness

A escrever: down*town, tech-noir rpg
Proto Agonístes um rpg de auto-descoberta, de um personagem e vários jogado

É tudo igual

Independentemente do maior ou menor trabalho que um GM possa ter, das distinções que possam existir entre GMs e jogadores, há um ponto no qual os GMs são iguais aos jogadores: estão lá para se divertir. Desengane-se o jogador que acha que o dever do GM é diverti-lo e não o contrário. Se não me divertisse, não fazia sessões. Se é trabalho, devia ser remunerado. Se não é... é porque é um hobby e sendo hobby deve ser uma diversão.



"You think I'm old and feeble, do you? Well, face my Flying Windmill Kick, asshole!"

Divertido!

É obviamente divertido, e muito; se dá trabalho ou não depende do mestre, do jogo, dos jogadores, mas é daquele trabalho que não o é... tipo ninguém vai classificar de "trabalho" um gajo marado por carros passar dois fins-de-semana por mês todo coberto de óleo a afinar e kitar o seu amado carro, ou seja lá o que for que eles façam.

Quanto à razão de ser divertido, os melhores GMs são aqueles que genuinamente se divertem ao verem os outros divertidos.

A juntar (ou não) a isso há sempre o facto de, como todos disseram, o próprio mestrar ser algo estupidamente divertido, tanto como jogar; na verdade, até há uma quantidade absurda de mestres por aí que nem sequer quer/gosta muito de jogar como jogador, ou pelo menos não o faz desde a presidência do General Ramalho Eanes... o que é no mínimo estranho para quem proclama amar perdidamente o hobby e quer constantemente convencer outras pessoas de como é divertido serem jogadores, mas pronto, às vezes é mesmo assim... somos o único GM no bairro, ou os outros dois GMs que há não fazem jogos ao nosso gosto. :)

Também há um lado negro da Força... ninguém fala muito sobre isso, mas infelizmente, e como em qualquer outra actividade humana, também há por aí pessoal que não devia andar... GMs que se divertem demasiado a ter o destino dos outros na sua mão, tendo prazer em usar o seu poder sobre eles de maneiras pouco saudáveis, como para colocar no devido lugar quem não gostam, manipular outros, etc... GMs que criam um autêntico culto de personalidade à sua volta para se sentirem reverenciados mais ou menos ao nível de Deus sobre a terra e isso, e que se passam literalmente dos cornos só de pensar que alguém possa estar a questionar a sua autoridade ou o seu trabalho ou whatever.

Mas desde que não levado a estes extremos é obviamente algo inevitável e perfeitamente natural e saudável que tenhamos orgulho no que fazemos, tal como um jogador tem orgulho na personagem que criou e nas façanhas que conseguir fazer, e que nos sintamos orgulhosos dos elogios dos nossos jogadores, que tenhamos todo o prazer do mundo em colocar os nossos jogadores em desafios, situações difíceis, histórias incríveis, mundos fabulosos, etc, etc. :)

RPGs rule!

ricmadeira escreveu:

ricmadeira escreveu:
Também há um lado negro da Força... ninguém fala muito sobre isso, mas infelizmente, e como em qualquer outra actividade humana, também há por aí pessoal que não devia andar... GMs que se divertem demasiado a ter o destino dos outros na sua mão, tendo prazer em usar o seu poder sobre eles de maneiras pouco saudáveis, como para colocar no devido lugar quem não gostam, manipular outros, etc... GMs que criam um autêntico culto de personalidade à sua volta para se sentirem reverenciados mais ou menos ao nível de Deus sobre a terra e isso, e que se passam literalmente dos cornos só de pensar que alguém possa estar a questionar a sua autoridade ou o seu trabalho ou whatever.

Não falas de mim, pois não? O_o

--~~--

To crush your enemies, to see them driven before you, and to hear the lamentations of their women.
-Noddy, Lord of Darkness

A escrever: down*town, tech-noir rpg
Proto Agonístes um rpg de auto-descoberta, de um personagem e vários jogado

Huh?

Rui escreveu:
Não falas de mim, pois não? O_o

Eheh. Não sei... conta-nos os teus pecados! E se for necessário, arrepende-te: inscreve-te na Forge, manda todo o teu dinheiro ao Ron Edwards, e joga apenas só RPGs sem GM durante 7 anos! :P

 Pensando em RPG

 Pensando em RPG "tradicionais"...

Para mim a piada é dar escolhas dificeis aos jogadores e ver reacções emotivas a situações que aparecem.

 Um exemplo: A jogar Werewolf, a aventura "Under a Blood red moon" é uma matança completa para os weres que apesar de vencerem tiveram baixas enormes, despropositadas, uma estupidez completa mas muito ao estilo deles. A reação dos jogadores foi de tristeza e de inútilidade muito ao estilo de filmes do vietnam. Era isso que se pretendia, passar a estupidez no meio de uma conversa de glória e vitória.

Sem dúvida que tem piada

Sem dúvida que tem piada fazer os jogadores passar por momentos dificeis, mas se eles não sabem tirar prazer disso, mais vale só lhes por situações heroicas em que eles possam ganhar. Ser GM é muito recompensador por termos a noção de que estamos a guiar o divertimento dos outros, a por-lhes obstáculos que eles esperam poder ultrapassar. No fundo estamos a ser mais amigos deles que eles de nós. Eles só nos querem derrotar e sair por cima, enquanto que nós em muitas ocasiões estamos activamente a evitar que eles morram!

Eu comecei a jogar RPGs como GM, e nunca deixei de me considerar GM primeiro e jogador depois. São dois lados do jogo bastante diferentes, mas não menos divertidos para quem os ocupa. E para mim não quero que seja de outra maneira, acho que serei GM até morrer.


Light allows us to see, Darkness forces us to create...

 

O prazer dos GMS

 Realmente é uma coisa interessante tocar neste ponto. Eu mesmo ja conheci muitos GMs que esqueceram que estamos lá para se divertir no jogo!!!!! Alguns passam tempo demais lendo os livros e as regras e acham aquilo tão incrível ( e realmente a criatividade dos autores de RPG são incriveis), que acabam por querer que os jogadores sigam tudo o que o livro impõe. ás vezes esquecendo até mesmo da diversão.

Eu sempre fui GM, sempre gostei de narrar as historias pois as mesmas me fascinavam. os jogadores sempre surpreendem voce. quando pensas que a aventura seguirá um rumo, ela muda completamente a direção com alguma ação dos jogadores. Como GM, eu sempre estava atendo ao desenrolar da historia, o k me prendia muito, e eu me divertia com isso, os jogos vem a ser muito criativos.

 

Rodrigo Àbnner ``Lord Sauron´´ Menezes

the_watcher

 Também tenho que concordar com o the_watcher ( acima). os jogadores as vezes pensam que o rpg é uma batalha constante entre eles e o GM. Mostrando que as regras são de um modo diferente que o GM usa, quando o mesmo está modificando apenas para simplificar o jogo ou tornar a vida dos jogadores mais faceis. ja que isso se trata de um jogo entre amigos, todas as decisoes tem de ser tomadas juntos, para que nao haja conflitos.

 

Rodrigo Àbnner ``Lord Sauron´´ Menezes

quantos mais melhor

Excelente tópico! Só falta saber quando é que o Mahell experimentar jogar ou mestrar um RPG-não-computadorizado :) Estamos cá para ajudar.

Concordo com tudo o que foi dito sobre o grande divertimento que é desempenhar a função de GM. Sem dúvida que, na minha opinião, o mestre-jogo é um participante da sessão tal como os outros, assumindo apenas uma postura diferente. Dito de outra maneira, é preciso também não esquecer a função que um jogador também desempenha no grupo e a respectiva responsabilidade que cada um tem para o divertimento de todos. É o chamado "todos diferentes, todos iguais".

No entanto, também é verdade que, na prática, o mestre-jogo também muitas vezes assume responsabilidades e desempenha competências que vão para além de uma simples participação no grupo. Na apresentação que fiz para esta secção do forum, não me esqueci de elogiar a figura do mestre-jogo como o principal promotor do jogo, motivando os participantes, explicando as regras, apresentando ideias, lendo livros, resolvendo problemas, marcando sessões, etc, etc, etc.

A disponibilidade que o GM mostra coincide também muitas vezes com o facto de ele ser um comprador de RPGs, ás vezes sendo a única pessoa no grupo que gasta dinheiro no jogo. O mestre-jogo, na prática, acaba por ser o verdadeiro heroi dos roleplaying games :)

Assim sendo, se é verdade que é divertidíssimo mestrar, também é verdade que ser GM não está destinado para aqueles que se calhar, ás vezes, até aparecem numas sessões, mas não acham isto nada de especial. Ser mestre-jogo é para quem gosta de RPGs. É ir mais além.

Pessoalmente, adoro a ideia de imaginação partilhada que é a base para qualquer RPG, por isso estou contente quer a mestrar, quer a jogar. Particularmente, gosto de mestrar porque me permite ajudar a construir histórias, ambientes e personagens - tudo ao mesmo tempo - dando-me a oportunidade quer de fazer roleplay, quer de criar cenas, quer de orientar a história - algo que os jogadores também podem fazer, mas não com a mesma flexibilidade.

Em geral, obviamente que curto muito RPGs, por isso também tenho aquele simples prazer em partilhar com outras pessoas aquilo que eu gosto.

Obrigado...

pela vossa participação tão activa realmente este era um lado dos rpgs que eu nunca tinha experimentado e que me fazia um pouco de confusão!Compreendo porque descrevem a relação entre os jogadores e o GM como simbiotica e como é possivel retirar prazer de mestrar uma sessão! Espero sinceramente num futuro próximo poder experiementar mestrar um jogo mas penso que me falta alguma prática enquanto jogador antes de poder dar esse passo!

 Mais uma vez agradeço a vossa participação e por me mostrarem "o prazer dos G" ;P

P.S. acho que fui contagiado pelo bichido do GM é das poucas alturas em que ficamos contentes de nao haver uma cura para esta doença Laughing

Não te preocupes com a

Não te preocupes com a prática, eu comecei logo a ser GM e correu tudo bem. Só alguns anos mais tarde é que tive a oportunidade de ser jogador a sério (antes tinha jogado 1 ou 2 sessões como jogador em diversas campanhas) e aí aprendi a sê-lo. Se tiveres um grupo de amigos bacano, que sabem ao que vão e estão motivados, se fores preparado com as regras e uma história, vais ver que as primeiras sessões vão ser as mais memoráveis da tua vida. Aconselho-te, como queres começar, a agarrares um demo de um jogo que gostes e o experimentes correr com um grupinho. Já tens a papinha toda feita, as histórias são bacanas e em uma ou duas tardes tem tudo feito. Ah, e é tudo à borla menos os dados ;)


Light allows us to see, Darkness forces us to create...

Há uma série de RPG com

Há uma série de RPG com um esquema de jogo menos disferenciado entre GM e jogadores. Talvez fosse boa idea experimentarem... Esses jogos apareceram precisamento pcausa das fricções entre o papel de GM e Jogador no esquema tradicional de RPG.

 Explorando aqui o abreojogo tems vários à escolha.

Ser DM é divertido e dá

Ser DM é divertido e dá muito trabalho! Cool

Para mim gosto de estar dentro da história, saber aqueles pormenores que eles irão (eventualmente ou talvez não) descobrir e depois a cara deles quando algo faz click e encaixa, é o prazer de ver pessoas a falarem de algo como se fosse mesmo real e nao apenas numeros numa folha de papel.

É o ser surpreendido e ver situações desenrolarem-se de maneira completamente imprevista, é devorar livros em busca de algo para introduzir, é trabalho antes das sessões e durante, é o tentar ser o melhor orador e o melhor ouvinte para várias pessoas ao mesmo tempo, é o tentar mentalmente assentar tudo e mais alguma coisa que pode dar jeito daqui a semanas ou meses.

 Dá uma carga de trabalho e nao trocava por nada!

Já fui tambem pc mas prefiro de longe ser DM 

"I think i´ve had an evilgasm!"

É o ver 5 gajos

É o ver 5 gajos debruçados em cima de uma mesa, com a adrenalina a bombar, e todos a falar ao mesmo tempo enquanto descem umas escadas em caracol para fugir aos drows que os perseguem, para tentarem sair do bastião com a barda sã e salva!  Smile

 

"A minha pátria é a língua Portuguesa!" - F.P.

---------------------------------------------------------

"D&D" https://grou.ps/silverymoon