Império RPG

Retrato de Rick Danger

Estamos num imaginário Portugal dos anos 40.

O Estado Novo mantém o país na mediocridade, enquanto o mundo está em guerra. O povo trabalha para sustentar a nação enquanto uma elite isolada desespera debaixo do jugo fascista e um pequeno grupo de priveligiados vive como realeza, donos do Império.

O país é um palco fértil de operações para a espionagem internacional. Agentes secretos de todas as nações procuram alianças e traições, segredos e informações, engodos e tesouros. Os brandos costumes e a neutralidade orgulhosamente só são um cartão de visita irrecusável para qualquer serviço secreto.

Tu és dos melhores da tua geração. Um génio, um líder, um atleta, uma pessoa acima da média em todos os aspectos. És um agente secreto, melhor até do que os que protagonizam os filmes a preto-e-branco. És reconhecido pelo teu valor e importãncia, sendo incumbido de missões do maior interesse nacional, numa das alturas mais decisivas para a espionagem mundial.

És movido não só pela tua lealdade a Portugal, mas principalmente pelos teus próprios motivos e desejos pessoais. Junto com outros como tu, moves-te num jogo entre aquilo que tem de ser feito e aquilo que fazes para teu benefício.

Tal como um príncipe de outros tempos, flutuas acima da rotina do dia-a-dia, mas não podes permitir que outros como tu façam uso do teu país. Neste xadrez de lealdades, até que ponto poderás te comprometer? Qual é o valor da tua pátria ou das tuas convicções?

 


Neste RPG bem português, o tema está centrado no conflito entre a defesa do bem comum - a tua pátria - e a procura dos teus interesses - o teu pecúlio. A história em si poderá começar por ser a missão mais simples do mundo, mas tu e os teus colegas têem muitos e outros planos. A guerra, a revolução e os segredos que se escondem nas sombras são uma ameaça ao futuro de todos. Chegou a altura de fazer pela vida ou de salvar a nação. É tua a escolha.

AnexoTamanho
imp1.jpg15.38 KB

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

Como fazer Revisões?

 

Ok, imaginemos que detectei alguns erros e algumas frases que podiam estar melhor conseguidas. Como posso então rever este texto tendo em vista a aprovação do autor? É que estas páginas não podem ser editadas! :P

"Se alguma vez sou coerente, é apenas como incoerência saída da incoerência." Fernando Pessoa

sopadorpg.wordpress.com - Um roleplayer entre Setúbal e Almeirim
Ludonautas Podcast - Viajando, sem nos movermos, pelos mundos do RPG

Re: Como fazer Revisões?

jrmariano escreveu:

Ok, imaginemos que detectei alguns erros e algumas frases que podiam estar melhor conseguidas. Como posso então rever este texto tendo em vista a aprovação do autor? É que estas páginas não podem ser editadas! :P

Só podem ser editadas as páginas que são do tipo "Página de Livro". Esta aqui, por exemplo, não é... é uma página normal, que assim só pode ser editada pelo dono, neste caso o Rick Danger. A página da discussão, também não podes editar: é um tópico de fórum. Já as páginas que o Rick criou para o PDF e para o seu exemplo de jogo, essas sim, são verdadeiras "Páginas de Livro", e como tal verás que está disponível uma opção para editar. Depois de editares a página, a tua versão substitui a antiga, que ficará disponível numa nova opção denominada "Revisões" junto com todas as revisões anteriores.

A propósito, quando se edita uma página de livro aparece um campo extra chamado "Registo de alterações" onde podem preencher o motivo/objectivo/alvo da alteração, para facilitar a vida a um revisor (por exemplo, o Rick Danger) que queira garantir que a alteração é para melhor.

De momento, não há funcionalidades activas para que a nova revisão seja aprovada antes de poder substituir a antiga. Também não há funcionalidades para se comparar lado a lado duas versões, com o computador a realçar ele próprio as diferenças entre as duas para que um utilizador não tenha de passar um texto inteiro a pente fino só para descobrir que apenas se alterou um erro tipográfico numa palavra. No entanto, julgo que ambas as funcionalidades estão disponíveis; se se revelarem necessárias, posso instalá-las.

Possivel revisão...

Que tal assim?

"Estamos num  Portugal imaginário dos anos 40.

O Estado Novo mantém o país na mediocridade, enquanto o mundo está em guerra. O povo trabalha para sustentar a nação enquanto uma elite isolada desespera debaixo do jugo fascista e um pequeno grupo de privilegiados vive como realeza, donos do Império.O país é um palco fértil de operações para a espionagem internacional. Agentes secretos de todas as nações procuram alianças e traições, segredos e informações, engodos e tesouros. Os brandos costumes e a neutralidade orgulhosamente só são um cartão de visita irrecusável para qualquer serviço secreto.
Tu és um dos melhores exemplos da tua geração. Um génio, um líder, um atleta, uma pessoa acima da média em todos os aspectos. És um agente secreto, melhor até do que os que protagonizam os filmes a preto-e-branco. És reconhecido pelo teu valor e importância, sendo incumbido de missões do maior interesse nacional, numa das alturas mais decisivas para a espionagem mundial.
És movido não só pela tua lealdade a Portugal, mas principalmente pelos teus próprios motivos e desejos pessoais. Junto com outros como tu, moves-te num jogo entre aquilo que tem de ser feito e aquilo que fazes para teu benefício.
Tal como um príncipe de outros tempos pairas acima da rotina do dia-a-dia, mas não podes permitir que outros como tu façam uso do teu país. Neste xadrez de lealdades, até que ponto poderás te comprometer? Para ti, qual é o valor da tua pátria ou das tuas convicções?
No fundo não há respostas fáceis para quem vê além do "Portugal dos pequeninos".

"Se alguma vez sou coerente, é apenas como incoerência saída da incoerência." Fernando Pessoa

sopadorpg.wordpress.com - Um roleplayer entre Setúbal e Almeirim
Ludonautas Podcast - Viajando, sem nos movermos, pelos mundos do RPG

Primavera Verão

Três meses passados, o status do projecto mantém-se em alpha testing, não tendo ainda alguém feito a experiência de criar uma personagem.

Está-me a parecer que o Império não tem muitas pernas para andar. Começo a concordar com uma impressão que tinha tido há uns tempos atrás que o ambiente do jogo é "interessante", no sentido académico do termo, mas que não é propriamente atraente e apelativo. Se não consegue gerar empatia aqui no portal - cujos membros são uma elite do hobbie nacional - o jogo pouca chance tem de chegar ao público em geral, objectivo que se pretendia com um RPG em português.

Tenho pena, pois acho que o sistema que está integrado com o ambiente não é só "interessante", acho que merece ser experimentado, mas o ambiente em si já me pareceu mais fascinante do que agora. Pode até chegar a ser uma boa ideia, mas é difícil apresentá-la de uma forma que chegue às pessoas e que a queiram jogar.

Talvez até aqui o mal não seja do ambiente, mas do criador que não o consegue expressar da melhor maneira. Assim sendo, penso que já fiz o convite para quem quiser pegar nisto e dar-lhe outra volta. A única coisa de que não abro mão é das regras, pois, se não as usar aqui, ainda quero adaptá-las para as usar noutro lado.

Entretanto, com esta paragem, já comecei a trabalhar noutra ideia e está-me a correr melhor. Desta vez, acho que só vou postar alguma coisa quando tiver um .pdf pronto.

Até lá, não considerem que o "Império" está abandonado. Eu vou-lhe dando de comer para o caso de alguém o quiser adoptar Wink O meu novo e-mail encontra-se no rickdg arroba gmail.com