Diamant

Retrato de MGBM

Fazer um review de um filler é sempre difícil. Para começar nunca há muito para analisar pois os fillers costumam ser rápidos e com pouca profundidade. Por outro lado normalmente eles não possuem grande complexidade para ser analisada. E no caso do Diamant não possuem complexidade nenhuma.

Diamant é um jogo de 3 a 8 jogadores. O objectivo do jogo é ficarmos com o máximo de jóias possíveis. Para tal os jogadores entram em 5 minas por ordem e uma carta de 30 é jogada. 15 das cartas contém um número variável de jóias, as outras 15 contém desastres. Se sair uma carta de jóias as jóias são igualmente divididas por entre os jogadores e o que sobrar fica em cima da carta. Se saírem dois desastres iguais os jogadores perdem tudo o que tinham ganho nessa mina, mas se um jogador decidir sair ele fica com as jóias que ganhou mais as jóias que ficaram em cima das cartas. A escolha entre sair ou continuar na mina é decidida simultaneamente por entre todos os jogadores. Claro está que quem fica na mina arrisca-se tanto a apanhar mais jóias como mais desastres, mas quantos mais saem mais sobra para nós. Ao fim de 5 minas quem tiver mais jóias ganhou o jogo.

A análise.

A apresentação deste jogo é excelente para um filler. Temos carradas de pequenos diamantes de plástico que dão um bom ambiente ao jogo. As caixas onde guardar os diamantes da vista dos outros jogadores são engraçadas e práticas. As cartas são funcionais, pouco mais, a arte não é brilhante infelizmente. As regras são só dois parágrafos mas elas não estão em inglês portanto terão que a sacar da net. A caixa é um pouco para o grande, muito do espaço ocupado pelas caixas de jogo. A caixa podia ser mais pequena pois as caixas desmontam-se e montam-se com muita facilidade. Seja como for o jogo tem uma boa apresentação, nada de excepcionalmente mau ou bom.

Apesar de o tema ser o de explorar uma mina isto quase que é um abstracto puro. Os componentes ajudam a colar o tema surpreendentemente, o que para mim foi algo de inesperado. Seja como for o tema neste jogo é secundário à diversão, pois este jogo é diversão pura.

Quanto a estratégia e táctica, não tem. Este jogo é um Push Your Luck puro, um jogo de probabilidades. Aqui não há que pensar, ou se arrisca ou se sai da mina. Este aspecto é o que torna o jogo num autêntico festival de divertimento. Não há estratégias que pensar, simplesmente joga-se ou se sai. Acaba por ser um jogo em que simplesmente abusamos da sorte e vemos no que dá. Apesar de isto poder parecer chato o jogo torna-se incrivelmente divertido, ao ponto de se tornar um filler em que os jogadores querem jogá-lo mais uma vez e outra. O jogo é somente sobre divertimento e nisso o jogo concretiza os seus objectivos em pleno.

Sorte, bem este jogo é todo sobre sorte, sobre o que irá sair na próxima carta. A sorte dita completamente o jogo e o torna numa experiência memorável. Este é um jogo de sorte pura, mas apesar disso está feito de tal maneira que é essa mesma sorte pura que torna o jogo num autêntico festival. Neste caso a sorte absoluta é transformada em algo muito divertido de se jogar e tal não se vê todos os dias nos mundos de boardgames.

A interacção não existe. A única coisa que nós podemos modificar aos outros jogadores é o nosso momento de saída, pois ao sairmos levamos as jóias deixadas para trás e isso influencia o grau de probabilidade dos outros jogadores continuarem na mina, mas eu não chamo a isso interacção.

O peso do jogo é Lightweight, um filler no sentido literal da palavra. Mas é um filler que bate muitos heavyweights em termos de puro divertimento, o que por si só é um feito considerável.

A longevidade deste jogo é bastante alta, e mais alta é quanto maior for o grupo de jogadores. Este é um jogo que não chateia, desde que não se abuse e se jogue vinte partidas no mesmo dia. Acaba por se tornar um jogo convidativo, que apetece sempre jogar tanto pela sua leveza como pelo pouco tempo que se demora a jogar. O facto de albergar até 8 jogadores torna este jogo num dos poucos que suporta um grupo tão grande de 8 jogadores.

Este é um jogo perfeito para novatos. A expressão 'Não tem nada que saber' aplica-se literalmente a este jogo. A descrição que fiz acima é as regras do jogo somente. Qualquer um consegue jogar a este jogo e isso é a grande vantagem do Diamant, é a pura simplicidade tomada forma em jogo. Um dos melhores boardgames para pôr a malta a jogar.

Este jogo não tem nem analysis paralysis nem downtime. As decisões são tomadas num instante e só há mesmo um única decisão a tomar por turno, ficar ou sair.

E é isto.

Isto não será uma review grande pois o jogo não tem mesmo nada que se diga em termos de complexidade e profundidade. O que o jogo tem, e bastante, é divertimento. Há muito tempo que não jogava um jogo tão divertido como este. Por ser simples e rápido torna-se extremamente apetecível jogá-lo em qualquer altura.

Eu adoro este jogo, que por ser como é tem um charme inegável, um poder de atracção que rivaliza com muitos jogos mais pesados. Este jogo é feito para divertir quem joga, sem ses nem mas no meio. Para mim o Diamant é o melhor filler que possuo, acima mesmo do For Sale.

Pequeno em tamanho, em tempo e em regras mas gigante em diversão. O filler perfeito.

15 de 20.

http://www.boardgamegeek.com/boardgame/15512