Pearls

Retrato de Abruk

Sinopse:

Todos os jogadores vão colecionar as cartas de uma reserva geral de forma a formar sets de valores iguais que permitirão obter cartas de bónus suplementares. No final ganha quem tenha conseguir mais pontos de vitória.

Como se joga:

⇒ Setup

Baralham-se as cartas pérolas. Distribuem-se 6 a cada jogador. As restantes formam uma reserva geral da qual se revelam as 6 primeiras cartas.

Atenção que o número de cartas em jogo varia em função do número de jogadores: a 2 jogadores não jogam os “1” amarelos nem os “2” verdes; a 3 jogadores não jogam os “1” vermelhos. A 4, 5 e 6 jogadores jogam todas as cartas.

No centro da mesa colocam-se as cartas de bónus, agrupadas por valores (4, 5, 6, 7, 8 e 9).

O jogador mais novo é o jogador inicial!

 

⇒ Desenvolvimento

Por ordem de turno, no sentido dos ponteiros do relógio, cada jogador poderá executar uma ação de duas possíveis:

  1. Tirar cartas da reserva geral;
  2. Jogar cartas da mão.

1. Na ação de tirar cartas da reserva geral pode tirar cartas todas as cartas da mesma cor da reserva geral, desde que não fique com mais de 10 cartas na mão, se essa jogada o levar a quebrar essa regra, não poderá recolher essas cartas.

2. Na ação jogar cartas da mão pode baixar da mão todas carta da mesma cor mais cartas joker (cartas de valor “0”). Se o total das cartas for igual a uma das cartas de bónus disponíveis no centro da mesma, o jogador pode levar também essa carta de bónus.

⇒ Fim do jogo 

O jogo termina quando a reserva de cartas de pérolas se esgotar ou quando a última carta de bónus for tirada por um jogador. Depois disso acontecer todos jogam mais um turno, incluindo o jogador que despoletou o fim do jogo.

Em seguida contabilizam-se os pontos de cada jogador da seguinte forma:

  • Somam-se os pontos das cartas baixadas;
  • Somam-se os pontos das cartas de bónus;
  • Subtraem-se os valores das cartas que ficaram na mão.

Quem tiver mais pontos é o vencedor! No caso de empate ganha que tiver mais cartas na mão, caso não seja possível desempatar a vitória é partilhada!

Avaliação:

Pearls é um jogo de cartas muito simples que se encaixa no segmento dos ultra-fillers de baixo custo com um mecanismo de coleção de cartas. Os jogadores ou recolhem cartas da mesa na mesma cor (sem ultrapassar o limite de 10 cartas na mão) ou baixam cartas da mão da mesma cor e eventualmente ganham cartas de bónus pela quantidade baixada.

Pearls vem numa pequena caixa de cartas, retangular, em cartão de boa qualidade. As cartas têm um toque muito agradável e são de boa qualidade também. A ilustração do jogo está bem conseguida, contribuindo para integrar o tema do jogo.

Este jogo vive muito da sorte, não dá para dizer de outra forma. É um jogo com pouco espaço para a estratégia de longo prazo, embora se possa dizer que os jogadores têm de tomar decisões, embora baseadas na presunção de cartas que ainda não saíram. Decidir se devo ir buscar mais cartas ou baixar para esperar pelas de maior valor, optar por jokers que valem nada, mas nos aumentam o número de cartas baixadas para obter as cartas de bónus, são decisões que se têm de tomar, mas convenhamos que não é um desafio de nos cortar o fôlego.

A interação entre os jogadores vive muito da escolha do momento certo para baixar cartas ou recolher cartas. Vive sobretudo da possibilidade de antecipação relativamente aos adversários, não sendo uma interação de ataque direto. Permite sacar desabafos mais ou menos apimentados entre jogadores e promessas de vingança embrulhadas em gargalhadas descontraídas.

O tema é interessante mas sem nenhum mordente, ou seja, foi bem inventado, mas claramente depois do mecanismo nascer, por isso a ilustração está de parabéns, pois ajuda-o a viver e a fazer-nos esquecer que poderia ter sido um fantástico jogo sobre a criação de porcos, e a arrojada luta pela criação da mais bela coleção de caricas tailandesas!

As partidas a dois jogadores são agradáveis, mas onde o jogo me pareceu fazer mais sentido foi com 3 e 4 jogadores. O público a quem vai agradar mais é um público familiar e casual. As suas caraterísticas são também muito interessantes para usar em contexto escolar, nomeadamente no treino das contagens, trabalho da noção de quantidade e aprendizagem das cores. Uma ferramenta pedagógica que merece ser testada.

Não me importaria de o voltar a jogar pois é um bom passatempo, mas seguramente que o farei com o grupo certo de pessoas, ou simplesmente para matar a curiosidade a gamers que gostem muito de pérolas!

Em suma, gostei da qualidade geral do jogo, do facto de ser rápido e fácil de ensinar/aprender; não me agradou tanto a preponderância da sorte para o desfecho final e a falta de mecanismos de a mitigar.