Epílogo

Retrato de kabukiman

Barundar

Arth estava em pânico. Estavam a desfazer-lhe a taberna, e aqueles dois forasteiros com ar de arruaceiros que tinham começado tudo, tinham já ferido quatro dos seus clientes. Só restava uma solução: sabia que ELE não gostava de ser acordado a aquela hora, mas virando a sua fúria contra contra os dois, pagando-lhe ums rodadas, e despertando com o tempo tudo ficaria bem; afinal, ele tinha bom coração embora aparentasse ser um duro. E era a única solução num caso daqueles. Arth chamou o seu filho, deu-lhe as instruções, e viu este a correr o mais depressa possível pela porta das traseiras. Quando finalmente a zaragata terminou, um dos forasteiros disse a Arth:

-Como indeminização do que sofremos, vais dar-nos todo o dinheiro que tens. E a tua filha parece gira.

Arth engoliu em seco. Não contava com isso.

-O dinheiro podem levar... mas a minha filha é ainda muito nova e...

-Por isso mesmo, não nos querias dar uma velha megera pois não?

De repente a porta abriu-se de par em par e viu-se um anão aos gritos:

-Mas que raio se passa aqui?

Os dois forasteiros atacaram imediatamente o anão, mas Arth respirou de alivio: sabia que não tinham a minima hipótese contra Barundar Matador do Olho de Pedra, o xerife local.

 

 

Eldon

Mão leve estava num quarto ricamente decorado: tudo estava a decorrer como lhe tinham dito. Viu então numa mesinha ao pé, o colar de diamante. Agarrou-a e de repente ouviu gente a entrar. Para seu espanto, um cavaleiro saltou da cama com a espada em riste. Estava encurralado sem hipótese de fugir e os guardas amarraram-no e amordaçaram. Um nobre entrou e disse então:

-Muito bem, falhou a tua tentativa de assassinato do principe.

"Assassinato? de que raio estão a falar eles"- pensou mão leve

-Surpreendido? Felizmente um ladrão arrependido contou-nos tudo e assim pudemos evitar essa cobarde tentativa. Os seus insignificantes crimes serão perdoados perante a magnitude do gesto que ele fez, e ainda receberá uma recompensa; tu em compensação serás torturado até os demónios dos infernos terem pena de ti!

Ladrão arrependido? Só se fosse... ? Não podia ser! Ele não teria chegado a essa baixeza! Viu então uma sombra por detrás do nobre e tentou gritar que fora tudo uma armadilha, que lhe tinham dito que era apenas um assalto fácil para roubar um colar, mas debalde.

Passado algum tempo, Wurth saiu do palácio. Quase que sentia remorsos por aquilo que fizera. Mas com a recompensa que iria receber por entregar o irmão, deveria ter uma boa vida e quem sabe um cargo respeitável. Mas primeiro, tinha de fazer uma coisa sem falta: entregar uma oferenda a um altar secreto. Afinal, se tudo correra na perfeição fora devido à ajuda divina que recebera. Sim, iria comprar ume medida de incenso e queimá-lo ao altar de Eldon, o Deus dos enganos.

 

Fim

 

 

 

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

no balcão é que não

"Espero bem que me agradeças com uma caneca de cerveja com pimentão, Arth! Mas não no balcão, Arth... NUNCA NO BALCÃO!!!"

Graaande campanha, kabuki! Sign me up for the next one...!

"Eldon, Deus dos

"Eldon, Deus dos Enganos"

Adorei! Fenomenal mesmo. Não há duvida que fizeste um excelente trabalho. Hey! e já vem mais uma campanha para a lista das que foram completas.

---JDSGomes---

Óptimo, clientes

Óptimo, clientes satisfeitos é o que se pretende!

Durante uns tempos vou querer um descanso, embora tenha umas ideas para o que fazer mais tarde.

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"