21º Encontro Mensal de Roleplayers de Lisboa

2012-11-10 14:00
Local: 

lvaláxia Shopping e Lazer - Complexo XXI (no 1º piso, em frente à Cervejaria Nacional)

No próximo dia 10 de novembro, o grupo de Roleplayers do Lisboa vai encontrar-se para jogar e conviver. O tema opcional deste encontro será Investigação, pois a verdade é algo que se encontra com uma boa dose de aventura e risco.

Estes encontros são abertos a todos os que se queiram juntar, sem necessidade de trazer qualquer jogo ou de ter qualquer experiência prévia com RPGs. Não há inscrições nem é preciso pagar nada, basta aparecer. Esta é uma oportunidade para jogar RPGs, fazer novas amizades e passar um bom bocado. O encontro começa a partir das 14:00 durando a tarde toda e podendo eventualmente estender-se até à noite.
Podes desde já inscreveres-te como jogador nas mesas de jogo que já estão anunciadas ou abrires uma nova mesa como Mestre de Jogo na folha de cálculo disponível no Google Docs.

Se entretanto quiseres saber mais sobre o que são os Roleplaying Games, visita esta secção do AbreoJogo. Se tiveres qualquer dúvida ou problema em chegar até ao local (mapa do Google), não hesites em perguntar aqui. O espaço onde estes eventos se realizam é privado e cedido para o efeito, pelo que desde já aqui ficam os nossos agradecimentos.

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

Já lá esta o meu nome para

Já lá esta o meu nome para Cthulu.

Vasco Leiria

...

E somos 2!

e 3 e 4!

Inscrevi-me a mim e a uma amiga minha, já experiente em RPGices, ao contrário de mim...

amigos perdoem-me mas a minha

amigos perdoem-me mas a minha amiga que vinha já não pode vir. Mas eu mantenho-me!

Alright!

É isso mesmo, alright!   :)

Lá estaremos amanhã!

L5R, LLK e outros.

Para não variar... só agora tive tempo para postar...

Eu vou amanhã, se houver 7 jogadores para depois de jantar posso correr o "Long Live the King" (um semi-larp de diplomacia, intriga e backstabbing para 7 jogadores na corte do rei a tentar ganhar controlo do reino)

Long Live the King

Long Live the King (para 7 jogadores)

Também vou estar disponivel para quem quiser tratar do processo de criação de personagens para uma campanha continua (Legends of the Five Rings RPG).

Possivelmente tambem irei levar preparada uma aventura one-shot de L5R RPG de Investigação e Mistério.

L5R RPG

Se houver interessados, levo tambem alguns jogos baseados/inspirados em RPGs para entreter e ocupar quem ficar de fora.

Catacombs

Catacombs (para +4 jogadores)

 The Dungeon of Durokan

Order of the Stick: The Dungeon of Durokan (para + 5 jogadores)

E para quem gosta de jogos cooperativos, levo sempre o meu novo vicio:

 LCG

Lord of the Rings: LCG (para 3-4 jogadores)

Aceitam-se inscrições para o Long Live the King, L5R One-shot, Catacombs, Order of the Stick, Lord of the Rings CCG ou para quem quiser criar um personagem para o L5R RPG para uma campanha continua.

~Nuno Carreira / Strilar (* Boardgamer * Roleplaygamer * Cardgamer * Onlinegamer * Geek * L5R GM *)

Boa, boa. Será que podias

Boa, boa. Será que podias inscrever a one-shot de L5R no Google Docs? :)

sopadorpg.wordpress.com - Um roleplayer entre Setúbal e Almeirim
Ludonautas Podcast - Viajando, sem nos movermos, pelos mundos do RPG

Why?

Porquê a One-shot de L5R (que é a unica coisa que ainda não sei se consigo ter pronta para amanhã) e não as outras coisas? (Long Live the King, L5R Campaign Preparation, etc?).

Em relação à One-Shot já li a aventura toda para estar pronto para correr, mas ainda não tratei dos "props", principalmente as character sheets de personagens pré-feitas que tem sido um dos problemas (muitos jogadores têm pouco interesse em estar a preencher uma folha de personagem antes do roleplay começar.)

Também não vou estar a "reservar" 3 mesas para coisas diferentes quando só vou poder estar a organizar uma delas, não concordas?

Dai estar a postar aqui para sondar a ver se há algum interesse e disponibilidade para alguma dessas coisas para amanhã.

A maior parte das pessoas vêm ao AoJ ver os posts de qualquer forma e podem simplesmente postar aqui.

~Nuno Carreira / Strilar (* Boardgamer * Roleplaygamer * Cardgamer * Onlinegamer * Geek * L5R GM *)

Because...

...uma one-shot de l5r é apelativa, encaixa-se no tema opcional e cria uma alternativa de jogo no calendário. O mesmo aplica-se ao LLK, claro. ;)

Não precisas de reservar tudo no mesmo horário e assim podes organizar quase tudo não é?

Além do mais temos pessoas que só acedem ao evento pelo Facebook e outras redes sociais mas que têm igual acesso ao Google Docs.

sopadorpg.wordpress.com - Um roleplayer entre Setúbal e Almeirim
Ludonautas Podcast - Viajando, sem nos movermos, pelos mundos do RPG

Quero Long Live The King

Nuno Camarada Strilar,

Tou interessado no Long Live The King. Sempre à noite?

Mete lá qualquer coisa na agenda porque o João tem razão quando diz


Além do mais temos pessoas que só acedem ao evento pelo Facebook e outras redes sociais mas que têm igual acesso ao Google Docs.


Abraços, até já. Vou tentar postar mais later.

GoogleDocs

Já coloquei no GoggleDocs como pediram, no entanto quero salientar o seguinte:

1º) A minha prioridade como já sabem há muito tempo, foi e sempre será criar uma campanha dinâmica de L5R cá em Lisboa, para alguns uma sessão "one-shot" com personagens pré-feitos pode ser apelativa, mas para outros uma história continua em que os jogadores jogam exactamente com os personagens que querem e que vão crescendo e desenvolvendo com o tempo cada vez se envolvendo mais numa história "épica", coisa que numa one-shot não é muito fácil fazer. Não acho correcto manter umas coisas como opção e excluir outras, ou dizer que A e B é apelativo (isso quer dizer que C não é?)

Tem sido esse sempre o meu maior problema nestes encontros, visto que uma pessoa chega, joga uma one-shot e vai-se embora. Não tenho nada contra as one-shots embora já tenha dito que não é a minha preferência pessoal e não me importo nada de fazer uma one-shot de L5R (ou LLK) sempre que tiver possibilidades, mas se isso for sempre o que eu puser no menu nunca se vai ter tempo para se fazer mais nada.

2º) Eu sou apologista de manter opções em aberto, não quero marcar L5R para a tarde e LLK para a noite (ou vice-versa) porque já aconteceu deixar-se um roleplay para a noite e depois nada, até porque se calhar de tarde havia pessoal para o roleplay da noite e depois à noite havia pessoal para o roleplay da tarde. Gosto da ideia de levar várias coisas preparadas e depois conforme o interesse e disponibilidade do pessoal logo se decidir o que fazer. O Camarada Henrique por exemplo já levou algumas vezes o Lady Blackbird, Fiasco e Dragonage para conforme a situação ter um RPG disponivel para se jogar. Por este motivo meti todas as opções com as horas de "15h ou 20h" as pessoas que se quiserem inscrever que digam quando podem ou lhes dá mais jeito.

3º) O "tema" é opcional como já foi dito, e serve apenas de incentivo para alguns GMs pensarem ou escolherem no que querem levar ou demonstrar em cada mensal (visto que a ideia dos encontros é tambem tentar mostrar a variedade de RPGs que existe), outros GMs como é o meu caso, preferem focar-se num mundo ou sistema (D&D, Vampire, Cthulu, L5R, StarWars, Warhammer, Game of Thrones, Lord of the Rings, etc) do que estar a ler e a preparar histórias em mundos, sistemas e situações diferentes. Por acaso as sessões que eu mais gosto de fazer são de Investigação/Mistério, mas se num futuro encontro o tema fosse "Diplomacia/Intriga" não era por causa do tema que eu ia passar o Long Live the King à frente de L5R (ou vice-versa).

4º) Como disse acima, ainda não tenho garantias se me seria possivel fazer a one-shot de L5R, vou levar material para isso mas a experiência diz-me que é dificil ter tudo preparado para fazer uma one-shot de poucas horas com personagens pré-feitas. (O maior problema como disse acima é que os jogadores não gostam de perder tempo a passar personagens pre-made para uma character sheet e eu duvido que tenha tempo para o fazer).

Dai ter receio de estar a colocar algo no "menú" para depois as pessoas se inscreverem e no fim ficarem de mãos a abanar.

5º) Por mim tentava agendar o LLK para a noite visto precisar de mais jogadores que um RPG normal, no entanto até hoje não o consegui fazer porque: a) à noite costuma ficar muito menos pessoal, b) é um roleplay que ocupa tempo, pelo menos 4H e muitos não têm disponibilidade para tal à noite, c) à noite muitas vezes o ppl já está cansado e com sono preferindo algo mais "light", d) à tarde reunir 7 jogadores implica "roubar" jogadores de DUAS outras mesas de RPG. Portanto ainda não faço ideia qual a melhor forma de organizar um LLK (e sim, tambem já o tentei organizar fora dos eventos mensais de RPG). No entanto nada me impede de continuar a tentar wink

6º) Eu levo sempre outros jogos tambem que poucas vezes têm oportunidade de serem explorados porque eu sou um jogador que conforme a minha assinatura indica não sou "apenas" um "roleplayer" ou "apenas" um "boardgamer", etc. Quase todos os meus jogos são baseados ou inspirados em RPGs ou mundos de fantasia e têm a possibilidade de serem jogados com mais ou menos jogadores que uma sessão normal de RPG e em tempo mais reduzido tambem. Nos encontros de RPGs acaba-se por não se jogar nenhum desses (porque o pessoal está a tarde toda ocupada numa sessão) e nos encontros de BGs tambem é dificil recrutar pessoas para tal (pois nos BGs nem todos gostam de roleplays como eu, e os que gostam de RPGs vão "matar o bixinho" nestes eventos.) é com pena minha que esta "ponte" entre os dois mundos seja pouco explorada pois raramente é sequer colocada no "menu" para as pessoas poderem experimentar e se deliciar. cheeky

7º) Eu não uso Facebook e portanto não me tinha lembrado do pormenor do googledocs tambem estar acessivel lá, ai dou-vos razão e é esse o principal motivo pelo qual actualizei o Doc.

De qualquer forma, mais uma vez dando a minha opinião pessoal, eu preferia evitar "roubar" (por falta de palavra melhor) publico ao AoJ colocando directamente os documentos no Facebook. Ao fazerem-no então estão a evitar que as pessoas venham aqui e conhecer este portal/forum que tem sido a nossa casa nos ultimos anos. Nota: Não estou a dizer que não devam anunciar os eventos no Facebook, muito pelo contrário, deve-se sempre tentar divulgar no máximo de sitios possiveis e tentar arranjar mais pessoal em todos os lados, mas talvez colocar um link para o evento aqui no AoJ fosse melhor, e ai sim, as pessoas iriam ler o que é aqui postado, acediam ao GoogleDocs através do post inicial e como bonus ficariam tambem a conhecer outros eventos do AoJ. Cada vez sinto menos vontade de postar aqui por isso mesmo, pois com os gamers divididos em vários lados provavelmente nem sequer metade iria ler este ou outros posts aqui. Por outro lado acabo por perder muitas conversas/discussões no facebook, e sim, sei que me podia registar lá para as ler mas o tempo já é curto para acompanhar as coisas num site quanto mais estar a acompanhar conversas em dois! Mas prontos, deixo este assunto por aqui pois o "problema" da descentralização já foi discutido antes e é algo que sinceramente não vejo muita solução, não podemos obrigar as pessoas a ir ao FB tal como não podemos obrigar as pessoas a vir ao AoJ. (E sim, eu sei que sugeri colocar post no FB a apontar para o AoJ, mas hey! esta é a "minha casa" e portanto devo lutar pela minha camisola certo? laughhehehe.)

Com isto encerro o meu "long post" (já tinham saudades, admitam devil) que provavelmente poucos terão paciência de ler.

Os meus pontos são apenas a minha opinião pessoal e cada um tem a sua, não são feitos com a intenção de ofender ou desrespeitar ninguem, apenas queria tentar explicar a minha filosofia em relação aos encontros de RPGs e tambem os motivos pelos quais nem sempre preencho o GoogleDocs (para além do motivo de  falta de tempo claro) e porque motivo me custa colocar "opções" lá para as pessoas se inscreverem.

Entendo que assim a coisa fica muito mais organizada e torna-se mais fácil começar alguns RPGs à hora certa com jogadores pré-inscritos mas eu gosto mais da ideia do forum de "hey, tou a pensar em levar A, B e C, quem é que está interessado no quê e quando é que podem?".

Muitos não se inscrevem nos Docs exactamente porque preferem ver as opções no local, ou porque não se querem comprometer com uma coisa e depois não conseguirem ir ou ficarem agarrados ao seu compromisso e perderem a oportunidade de experimentar outra coisa que talvez lhes agradasse mais.

Abraços a todos e até amanhã!

~Nuno Carreira / Strilar (* Boardgamer * Roleplaygamer * Cardgamer * Onlinegamer * Geek * L5R GM *)

L5R or LLK

Contem comigo para qualquer um dos dois... ou mesmo para os dois !!!cheeky

Pics here

Gracias

Gracias

Vasco Leiria

...

Ditto!

Long Live the King (at last!)

Após vários meses a tentar, finalmente lá conseguimos organizar um Long Live the King, com todos os personagens em jogo (GM/King + 7 Players).

Devo dizer que a experiencia foi bastante positiva, apesar do jogo ter demorado muito (acabamos eram 4h.) fiquei com vontade de o repetir, é um jogo muito diferente e uma experiencia unica que sinceramente me deu várias ideias para roleplays futuros. (Quem sabe um "semi-larp" de L5R num futuro? wink).

O jogo foi non-stop de negociações, intrigas, acusações, alianças e claro... muitas traições! O feedback do pessoal que jogou foi positivo e foi giro estar a ver as coisas "behind the screens" mesmo sem saber o que se estava a passar em concreto (sinceramente não sei quem é que afinal acabou por se aliar com quem heheeh.). Vários jogadores ficaram com a impressão que não tinham hipóteses de ganhar mas em poucos turnos, o jogo deu várias voltas e demonstrou-me que várias pessoas tinham sim, hipóteses de ganhar. No ultimo turno muitos jogaram as suas "cartadas finais" que mudaram em muito o final do jogo e nem eu sabia quem ia ganhar.

Agora que já passei pela experiencia, tenho que ver o que corrigir ou tentar melhorar para um próximo jogo. Algumas cartas ou regras não são 100% explicitas admito, mas como em qualquer RPG, o GM pode rápidamente fazer uma rulling e seguir com o jogo em frente sem problemas.

No entanto houve uma falha da minha parte no ultimo turno que muda tudo, e pela qual peço desculpa. Este erro não muda a experiência em si, MAS muda sim o resultado final e portanto quem foi o verdadeiro vencedor.

Nas informações do "filho bastardo" há uma referência à sua "influência" (isto é mesmo um erro de escrita no jogo que já consultei online e foi rectificado oficialmente), ou seja, NÃO há nenhum valor de "influência" no jogo apenas existe "Status" (a influência do personagem com os membros do reino) e "Favor" (a influência do personagem com o próprio rei) e no fim acabei por confundir uma com a outra.

Isto quer dizer que o Filho Bastardo NÃO deixou de ser herdeiro e portanto que a Rainha não herdou o trono.

Todos os personagens têm objectivos secretos e estão feitos de uma forma que apenas UM possa controlar o reino e sair vencedor no fim.

Não vou revelar aqui os objectivos de todos os personagens para não estragar a surpresa e dar demasiadas informações a jogos futuros.

No final do jogo podem haver 3 situações: O Filho Bastardo pode ser o Herdeiro, a Rainha pode ser a Herdeira, ou pode não haver Herdeiros.

Todos os outros personagens têm os seus interesses, uns querem que no fim HAJA um herdeiro no trono, outros querem que NÃO haja um herdeiro no trono, e outros podem preferir um Herdeiro ou outro.

O Filho Bastardo esteve na "Dungeon" mantendo o seu status de Herdeiro, embora não possa ganhar o jogo na Dungeon, no entanto conseguiu sair e retornar para o conselho no ultimo turno... isso significa que ganhou?

Nope... após verificação dos objectivos de todos os personagens, o vencedor final foi... THE ARCHBISHOP!!! (Parabens Mariana! wink).

(Sorry "Rainha Tiago"... my mistake! blush) Mesmo assim it was a "close call", acredito que na situação actual do jogo com mais um turno de jogo que 5 dos 7 personagens tivessem hipótes e de ganhar.

Espero que se tenham divertido e que venhamos a repetir a experiência numa próxima oportunidade.

~Nuno Carreira / Strilar (* Boardgamer * Roleplaygamer * Cardgamer * Onlinegamer * Geek * L5R GM *)

Pois...

É um bom jogo mas tem algumas limitações.

A primeira dificuldade é precisamente saber quais são as variáveis chave, qual a métrica que permite saber quem ganha e quem perde. A forma como é apresentado é pouco clara, devo dizer, e assim torna-se muito mais difícil compreender o que está a acontecer.

Depois, tem uma dose elevada de aleatoridade.

E é demasiado demorado e longo.

Ou seja, não sei se volto a jogar pois 6h de jogo é excessivo - e só jogámos 5 rodas quando o jogo é para 7. Falta ali algo que limite o tempo de jogo, que acelere as coisas. Aqui vai um par de sugestões:

A fase de diplomacia ser reduzida para 10m. Isto quer dizer que pode haver quem não consiga falar com quem quer, mas... paciência. Aliás, torna as coisas mais interessantes e valoriza a questão das hierarquias (se eu tenho um status mais alto que duas personagens que querem falar uma com a outra, ponho-me a falar de nadas com uma dela e tramo-lhes a vida...)

A fase do Conselho passar a ter um tempo determinado. Se chegar ao fim e houver quem não tenha conseguido discutir a sua petição, azar, apresenta a petição e esta é votada sem discussão. Ou seja, quem tem status mais alto beneficia de apresentar a sua petição mais tarde, mas corre o risco de, se deixar passar muito tempo, não ter tempo para convencer os demais a votarem a mesma.

A questão é, como é que isto se faz? Aqui vai uma sugestão:

As discussões no Conselho duram 15m.

O MJ tem 10 cartas de Tempo de Petição com os seguintes valores: 3 * 2m; 4 * 3m; 3 * 4m.

O MJ baralha as cartas de Tempo de Petição que vai retirando uma a uma para cada petição sem mostrar aos membros do Conselho. A carta indica o tempo que o rei está disposto a ouvir a petição. Esgotado o tempo, o rei interrompe a discussão da petição e impõe o voto.

(Nota: 15m para as discussões de 6 petições, significa que em média há um membro do Conselho que não consegue ver a sua petição ser discutida...)

A fase (como é que se chama?) em que o MJ faz o update do turno também tem que ser mais rápida. Deve ser mesmo só para dar as alterações dos valores e as cartas. Se os jogadores tiverem dúvidas, esclarecem-nas com o rei durante a fase de diplomacia.

A ideia é que cada turno dure cerca de 30m e não mais. Assim, um jogo decorre em 3,5 / 4h. Mais que isto parece-me um exagero.

Enfim, apenas algumas sugestões.

Sérgio

Sérgio

LLK Feedback

smascrns escreveu:

É um bom jogo mas tem algumas limitações.

Concordo contigo Sérgio, o jogo pode e deve ser melhorado e claro que quando se experimenta pela 1ª vez não se sabe bem o que resulta bem ou mal. Digo-te que a meu ver a experiencia foi bastante positiva, ao ponto de querer repetir, mas claro que também notei algumas limitações.

smascrns escreveu:

A primeira dificuldade é precisamente saber quais são as variáveis chave, qual a métrica que permite saber quem ganha e quem perde.

Como disse no 1º jogo decidi experimentar jogá-lo sem as pessoas saberem quais os objectivos uns dos outros para ver como a coisa corria (visto que é uma experiencia que só se pode fazer uma vês, depois de saberes como cada personagem "ganha" não se pode fazer a experiencia ao contrário. De qualquer forma o "saber quais são as variáveis chave" para mim acho que fazem PARTE do jogo e não devem ser logo de conhecimento publico.
Isto porquê? Porque cada personagem sabe em média como 2 outros personagens podem ganhar (tu como filho Bastardo por exemplo sabias como a Rainha ou o Archbishop poderiam ganhar, mas não como a Baronessa ou o Tesoureiro iam ganhar), outros personagens têm informações semelhantes. Portanto acho que descobrir o que cada personagem "quer" que deve fazer parte das negociações e interação durante o jogo. Interagindo com os outros jogadores ficas a saber se ele quer mais dinheiro, status, favor, ou se quer conspirar contra uma certa pessoa em especifico. Qualquer coisa que incentive a interacção dos jogadores uns com os outros parece-me uma boa ideia.

smascrns escreveu:

A forma como é apresentado é pouco clara, devo dizer, e assim torna-se muito mais difícil compreender o que está a acontecer.

A forma como é apresentada é um pouco "vaga" exactamente pelo motivo acima, na descrição de cada personagem diz "personagem X é teu inimigo, ou potencial aliado". Para tu saberes quem tem objectivos em conflito contigo ou quem têm objectivos de acordo com os teus. Podes não saber exactamente todos os detalhes, mas isso é igual para todos, em relação a saber o que está a acontecer isso tambem é uma coisa que acho "unica" no LLK, alguns podem achar bem outros podem achar mal, mas mesmo eu como GM não fazia ideia do que estava a acontecer com toda a gente, o facto de não saberes quem te envia um ladrão para te roubar o dinheiro ou quem é o favorito do Rei é que criam a intriga e a traição. Não estou a ver como esta parte poderia ser "melhorada".

smascrns escreveu:

Depois, tem uma dose elevada de aleatoridade.

É possivel que este seja o caso, mas eu pessoalmente não achei o jogo assim tão "aleatório". Há que tentar perceber a diferença entre uma coisa ser aleatória (ser completamente decidida pela sorte) e uma coisa ser fora do controlo de um jogador. Quanto um jogador X perde status ou favor sem perceber pq isso não é aleatório, podes não saber quem o fez ou conseguir evitá-lo, mas é algo que conspiraram contra ti. A saude do rei é revelada no inicio do turno e todos os jogadores têm conhecimento disso. As cartas de Status e Intriga podem ser dadas aleatóriamente, mas é na fase de diplomacia que se dá bom uso dessas cartas. Ex: tu podes querer baixar o favor ou status de outro personagem mas não te calhou nenhuma carta para isso, mas ALGUEM há de ter esse "poder", tens é que encontrar a pessoa certa e conseguir negociar para que ela a use a teu favor.
A unica coisa que é MESMO "aleatória" no jogo a meu ver são as cartas de Decisão do Rei, e ainda assim... há 10 cartas de decisão, em que uma é sempre a favor e outra é sempre contra, e ai sim, podem-se queixar de ter "azar" quando toda a gente vota a favor e o Rei decide contra, mas em 80% dos casos, os votos de cada um tem muito mais influencia no resultado do que a carta de decisão do rei. Chegaram-me a calhar cartas em que o rei dificilmente iria aceitar a petição, mas como todos votaram a favor mesmo assim a petição foi aprovada.

smascrns escreveu:

E é demasiado demorado e longo.

Ou seja, não sei se volto a jogar pois 6h de jogo é excessivo - e só jogámos 5 rodas quando o jogo é para 7. Falta ali algo que limite o tempo de jogo, que acelere as coisas. Aqui vai um par de sugestões:
.

Aqui estamos completamente de acordo, embora muitos roleplays possam durar 6h, tambem concordo que para o LLK é excessivo, tal como diz na caixa o jogo deve demorar cerca de 4 horas (30min por turno, 7*30 = 3h30 mais algum tempo para a explicação inicial e resultados finais), estive a ver online e parece que muita gente consegue acabar por volta das 4h, o que significa que a falha esteve na minha parte em não conseguir gerir e controlar melhor o tempo. Se uma sessão se arrasta demasiado, a responsabilidade é maioritáriamente do GM por não conseguir "controlar o passo". Irei tentar numa futura experiencia apressar mais as coisas e limitar mais o tempo, como me pareceu que o pessoal estava a curtir o roleplay durante as fases de diplomacia e conselho então não me preocupei tanto em tentar forçar as coisas a despachar. (Embora o tenha feito algumas vezes, principalmente perante os longos discursos do tesoureiro a fazer a sua petição.), Aparentemente cada turno durou cerca de 1 hora (o dobro do tempo).
De qualquer forma acho que a tua critica ao tempo de jogo e as tuas sugestões são muito válidas e algo certamente a ponderar de como melhorar. smiley

smascrns escreveu:

A fase de diplomacia ser reduzida para 10m. Isto quer dizer que pode haver quem não consiga falar com quem quer, mas... paciência. Aliás, torna as coisas mais interessantes e valoriza a questão das hierarquias (se eu tenho um status mais alto que duas personagens que querem falar uma com a outra, ponho-me a falar de nadas com uma dela e tramo-lhes a vida...).

Concordo que a dase de diplomacia tenha que ser mais controlada, e com esse melhor controlo os personagens de maior Status têm mais liberdade com quem falar, nunca acabei nenhuma diplomacia antes dos 15 minutos e houve algumas que chegaram a arrastar-se até aos 20 min porque quando o tempo tava a acabar alguem vinha ter comigo jogar qualquer coisa e só depois é que olhava o tempo. Again, mea culpa... Talvez da próxima em vez de dar tolerância após os 10m. em passar dar apenas os tais10 minutos e permitir extender no máximo até aos 15.

smascrns escreveu:

A fase do Conselho passar a ter um tempo determinado. Se chegar ao fim e houver quem não tenha conseguido discutir a sua petição, azar, apresenta a petição e esta é votada sem discussão. Ou seja, quem tem status mais alto beneficia de apresentar a sua petição mais tarde, mas corre o risco de, se deixar passar muito tempo, não ter tempo para convencer os demais a votarem a mesma.

Concordo que a fase de Conselho deva ter tempo limitado, salvo erro o manual recomenda 4 min para Audiencia, 15 para Diplomacia e 7 para Concelho. Pelo que vimos, 7 min parece-me impracticável (6 petições mais algum tempo extra para o Rei anunciar eventos desse turno e mostrar a saude do Rei do próximo turno), de notar que alguem com Status mais alto pode sempre falar 1º, o Status deve sim dar uma vantagem a nivel de jogo mas não deve ser "abusado" ao ponto de alguem com alto status gastar o tempo todo com um longo discurso e depois não dar tempo aos outros.

smascrns escreveu:

A questão é, como é que isto se faz? Aqui vai uma sugestão:
As discussões no Conselho duram 15m.
O MJ tem 10 cartas de Tempo de Petição com os seguintes valores: 3 * 2m; 4 * 3m; 3 * 4m.
O MJ baralha as cartas de Tempo de Petição que vai retirando uma a uma para cada petição sem mostrar aos membros do Conselho. A carta indica o tempo que o rei está disposto a ouvir a petição. Esgotado o tempo, o rei interrompe a discussão da petição e impõe o voto.
(Nota: 15m para as discussões de 6 petições, significa que em média há um membro do Conselho que não consegue ver a sua petição ser discutida...)

Acho que estar a arranjar 10 cartas de "tempo" que seria adicionar mais uma complexidade e aleatoriadade desnecessária, mas concordo que esta fase não deva demorar mais que 15min. Por mim sugeria simplesmente cada petição durar 2 min no máximo, as simple as that (cerca de 1 minuto para se apresentar a petição, e 1 minuto para as votações) * 6 petições = 12 minutos, sendo os restantes 3 minutos para o resto que for necessário.

smascrns escreveu:

A fase (como é que se chama?) em que o MJ faz o update do turno também tem que ser mais rápida. Deve ser mesmo só para dar as alterações dos valores e as cartas. Se os jogadores tiverem dúvidas, esclarecem-nas com o rei durante a fase de diplomacia.

Concordo tambem com a fase de Audiência, mais uma vez, eu é que não tive noção do tempo, queria ter a certeza que toda a gente estava a perceber bem as coisas para o jogo ser mais equilibrado e justo, Nos 1ºs turnos demorou-se mais tempo, para o fim, acho que já consegui despachar mais as coisas, pois era prácticamente só actualizar e dizer os valores de cada um, dar-lhes o dinheiro e as cartas de intriga e prontos.

smascrns escreveu:

A ideia é que cada turno dure cerca de 30m e não mais. Assim, um jogo decorre em 3,5 / 4h. Mais que isto parece-me um exagero.

Enfim, apenas algumas sugestões.

Sérgio

Exacto! smiley Obrigado pelo feedback construtivo. Agora quero volta a fazer a mesma experiência com mais pessoal diferente para ver como corre (embora quem quiser repetir é sempre bem vindo claro), e ver se depois da 1ª experiencia se conseguimos tornar o jogo mais rápido pois é muito divertido, original, interactivo e com bastante potencial.

~Nuno Carreira / Strilar (* Boardgamer * Roleplaygamer * Cardgamer * Onlinegamer * Geek * L5R GM *)

Strilar escreveu: De qualquer

Strilar escreveu:

De qualquer forma o "saber quais são as variáveis chave" para mim acho que fazem PARTE do jogo e não devem ser logo de conhecimento publico.
Isto porquê? Porque cada personagem sabe em média como 2 outros personagens podem ganhar (tu como filho Bastardo por exemplo sabias como a Rainha ou o Archbishop poderiam ganhar, mas não como a Baronessa ou o Tesoureiro iam ganhar), outros personagens têm informações semelhantes. Portanto acho que descobrir o que cada personagem "quer" que deve fazer parte das negociações e interação durante o jogo. Interagindo com os outros jogadores ficas a saber se ele quer mais dinheiro, status, favor, ou se quer conspirar contra uma certa pessoa em especifico. Qualquer coisa que incentive a interacção dos jogadores uns com os outros parece-me uma boa ideia.

Não me terei explicado bem. Eu não disse que os jogadores deveriam saber à partida quais são os objetivos de cada personagem, concordo contigo que isso retira suspense e interesse ao jogo. O que eu queria dizer é que cada jogador deve saber que esses objetivos se prendem com dinheiro, status, favor e caraterísticas específicas (como ser ou não ser herdeiro), mas sem saber quais desses objetivos interessam a quem.

Citação:

É possivel que este seja o caso, mas eu pessoalmente não achei o jogo assim tão "aleatório". Há que tentar perceber a diferença entre uma coisa ser aleatória (ser completamente decidida pela sorte) e uma coisa ser fora do controlo de um jogador. ... As cartas de Status e Intriga podem ser dadas aleatóriamente, mas é na fase de diplomacia que se dá bom uso dessas cartas. Ex: tu podes querer baixar o favor ou status de outro personagem mas não te calhou nenhuma carta para isso, mas ALGUEM há de ter esse "poder", tens é que encontrar a pessoa certa e conseguir negociar para que ela a use a teu favor.

O problema está mesmo aqui. Por um lado, as cartas de status e de intriga não são equilibradas e um jogador pode acabar com cartas que praticamente não lhe servem para nada, sobretudo quando se atende à interação entre estas cartas e a caraterização das várias personagens. Por outro lado, para os jogadores poderem seguir o raciocínio que indicas e negociar, têm de conhecer as cartas de intriga e de status, o que não acontece, portanto acabam a jogar às cegas. É verdade, há a lista das personagens de status com a sua descrição sumária mas apenas posso sugerir que da próxima vez tenhas uma cópia para cada jogador.

Também é certo que num segundo ou terceiro jogo os jogadores vão jogar estas cartas de forma mais cuidada, mas aí já se perdeu a surpresa de não saber nada do cenário de partida...

Citação:

Concordo que a dase de diplomacia tenha que ser mais controlada

Nota que não é meramente uma questão de limitar o tempo de jogo. Está aqui também em causa pôr pressão sobre os jogadores para apostarem nas negociações que lhes interessam mesmo e correrem o risco de não conseguirem falar com alguém se outro jogador se antecipou e não sobrar tempo. Isto parece-me ser uma caraterística do jogo. Valoriza-se aqui também a questão do status pois uma personagem com status mais alto tem o poder de interferir com as ñegociações de personagens com status mais baixo.

Citação:

Concordo que a fase de Conselho deva ter tempo limitado

Há na fase de Conselho três componentes: apresentação de petições, discussão das petições, votação das petições. Para que tudo funcione em 10m é porque não há discussão, apenas apresentação e votação das petições. Mas a discussão também foi interessante. O tempo desta fase pode ser limitado se:
O jogador tiver de apresentar a petição sem considerações preparatórias ou adicionais (diz o que quer e pronto);
O rei pedir apenas a opinião de uma das outras personagens em cada petição, em lugar de haver uma discussão generalizada; esta personagem pode ser a visada com a petição ou outra, à escolha do rei (que deve ser equilibrado nas escolhas);
Em lugar de as votações serem pessoa a pessoa, se usar do sistema de bola branca e bola preta (ou equivalente): cada personagem tem uma bola branca (voto a favor) e uma bola preta (voto contra) e todos revelam o seu voto ao mesmo tempo. Mas então perde-se a possibilidade de ajustamento do sentido de voto em função do que os demais vão votando. Enfim, se experimentares várias soluções, acabas por chegar à que for mais interessante.

Só uma última nota: a opção de jogares com 7 jogadores faz sentido, parece-me que o jogo ganha bastante por ter um grupo grande.

Sérgio

Inveja

Eu invejoso de não ter jogado disso.

Parece-me algo que me iria agradar!