GURPS (Generic Universal Role Playing System)

Retrato de Verbus

Durante anos procurei um sistema que me permitisse não só jogar tudo, como retirar personagens próprias de certos ambientes e colocá-las noutros completamente diferentes, como juntar cowboys do Sec. XIX com bárbaros cimérios, samurais japoneses do sec. XVI, elfos de pop-fantasy e super-agentes secretos saídos dos filmes do James Bond. Eu já tinha comprado jogos diferentes, com as suas regras diferentes, para jogar todas essas coisas, até que no final dos anos 80 um amigo ao qual, infelizmente, operdi o rasto, me mostrou fotocópias do GURPS. Ao princípio não me entendi muito bem, e fui repelido pelo aspecto gráfico. Mas pouco tempo depois puzeram à venda esse mesmo livro e eu comprei-o. Gostei muito das ideias e achei a mecânica simples e elegante. Especialmente o aspecto modular, com que se podia tornar o jogo mais complexo e rigoroso em termos de física, e de uma certa visão do "realismo", ou menos para um jogo mais ligeiro, sem que se perca nada do jogo. Depois comprei alguns suplementos e foi aí que fiquei preso.

Há quem faça melhor do que eu uma descrição completa da parte mecânica do GURPS. Uma dessas descrições está aqui. Quero falar principalmente dos suplementos de terceira edição, a que deitei a mão ao máximo que pude - tenho mais de oitenta! O GURPS fez, nos tempos idos dos anos 80-90, mais suplementos sobre mais géneros diferentes que eu vi em qualquer linha. Inclui os géneros já tradicionalmente tradados em RPG, como a fantasy, a ficção científica, o terror, o cyberpunk, os super heróis, mas não só. Produziu suplementos para géneros normalmente não tratados, ou considerados como não rentáveis, como western, pulp, swashbucklers, conspirações (o GURPS Illuminati saiu muito antes dos X-Files, e antecipava muita da temática lá presente que depois se tornaria mainstream), suplementos históricos sobre a Grécia, Roma, Idade Média inglesa, os Aztecas, Japão e China medievais, os Vikings, Segunda Guerra Mundial, Napoleão; suplementos temáticos como Robin dos Bosques, Operações especiais, Mil e Uma Noites, religião; adaptações de obras literárias, como o New Sun de Gene Wolfe, ou o Planet of Adventure do Jack Vance. A qualidade global destes suplementos é excelente. Sem os mencionar na bibliografia, cheguei a usar vários para trabalhos universitários onde obtive boas notas e me foram mais úteis que textos mais académicos e "sérios". Mais ainda, estes suplementos têm muito poucas regras, podendo assim servir de base a qualquer outro jogo. Robin D. Laws em Robin's Laws of Good Gamemastering diz que uma boa maneira de criar uma campanha é agarrar em dois ou três suplementos de GURPS ao acaso e combinar-lhes as temáticas.

O GURPS tem também suplementos mais "técnicos", como GURPS Vehicles ou GURPS Magic, e os manuais de low tech, high tech e ultra tech, esse são muito intensos em regras, para a base de fãs que gosta de números, embora os manuais tecnológicos sejam muito úteis a campanhas de ficção científica. Os manuais mais fracos de GURPS, a meu ver, são as adaptações de outros RPGs, como Vampire, Werewolf, Castle Falskenstein, or nalguns elementos chave da adaptação, em vez de usarem sistemas já cobertos pelo GURPS, tentam adaptar sistemas do jogo original, e acho que são particularmente mal conseguidos. Parece que aprenderam a lição, no entanto, e quando fizeram o GURPS Deadlands usaram sistemas já presentes em GURPS, ficando este uma das melhores traduções de um sistema para outro que me foi dado ver.

Estes suplementos de que falo pertencem todos à terceira edição do sistema. Este vai agora na quarta, que a meu ver está a correr um risco muito grande querendo fazer todos os manuais cartonados, a cores e com papel glossado. Aumenta os custos e os tempos e produção, atrasando-a, e a base de fãs, embora apreciando as melhorias gráficas, creio que seguiria bem edições paperback com papel normal, mesmo que continue nas cerca de duzentas páginas. A Steve Jackson Games, no entando, continua a seguir o "estudo" que fez antes de publicar a quarta edição, em vez dos inúmeros protestos dos fãs em vários fóruns e grupios de discussão. Sinceramente, espero que saiba o que está a fazer.

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

É, eu tenho vários

É, eu tenho vários suplementos da Gurps, e embora nunca tenha jogado o sistema, os suplementos são de qualidade excelente. Jogue-se o que se jogar, existe sempre um suplemento adequado para o que queremos.

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Excelente!! Posso tirar isto

Excelente!! Posso tirar isto do blogue e arquivar na secção de reviews?

E já agora, na 4a Edição, além dos grafismos e encadernações, alguma novidades/diferenças a nível dos conteúdos? Os suplementos 3a Ed. continuam compatíveis com esta?

ricmadeira escreveu:

ricmadeira escreveu:

Excelente!! Posso tirar isto do blogue e arquivar na secção de reviews?

Podes, podes! Eu até queria pôr na secção de Reviews, pensei que escrevendo no blogue iria também lá ter, automaticamente...

"Don't hesitate, don't apologise - it's a sign of weakness."
John Ford, cineasta

Sans la liberté de blâmer, il n'est point d'éloge flatteur - Beaumarchais

I don't believe in the concept of "One True Game" - Steve Kenson, Icons

Feito! Pois, o processo não

Feito!

Pois, o processo não está bem documentado (à semelhança de tudo neste site, eheh), mas pronto, quando estiver tudo documentado o problema vai ser mesmo o pessoal encontrar o que quer no meio de tanta coisa, LOL. Já vi que te safaste bem. Fixe!

PS - Alterei ligeiramente os teus títulos para o nome do jogo/livro vir em primeiro lugar e os artigos ficarem assim correctamente ordenados na lista de reviews; enquanto não torno aquilo mais inteligente e a ordenar pelo nome do jogo em que estão classificadas, estou limitado a ordenar as reviews pelo título do artigo, de modo que ás vezes lá tenho de estragar os títulos originais dos críticos da nossa praça.

ricmadeira escreveu: PS -

ricmadeira escreveu:

PS - Alterei ligeiramente os teus títulos para o nome do jogo/livro vir em primeiro lugar e os artigos ficarem assim correctamente ordenados na lista de reviews; enquanto não torno aquilo mais inteligente e a ordenar pelo nome do jogo em que estão classificadas, estou limitado a ordenar as reviews pelo título do artigo, de modo que ás vezes lá tenho de estragar os títulos originais dos críticos da nossa praça.

Serve.

"Don't hesitate, don't apologise - it's a sign of weakness."
John Ford, cineasta

Sans la liberté de blâmer, il n'est point d'éloge flatteur - Beaumarchais

I don't believe in the concept of "One True Game" - Steve Kenson, Icons

ricmadeira escreveu: E

ricmadeira escreveu:

E já agora, na 4a Edição, além dos grafismos e encadernações, alguma novidades/diferenças a nível dos conteúdos? Os suplementos 3a Ed. continuam compatíveis com esta?

Há sim, a nível mais subtil e ainda não sei como afectam o fluxo de jogo, nunca tendo tido a oportunidade de a experimentar. As stats não custam o mesmo, ficando a destreza e IQ mais caras que a força e a saúde - uma vez que os skills se baseiam nestas. A fadiga ficou baseada na saúde e os hit points na força (não sei se concordo com esta alteração). Os skills permanecem largamente na mesma, havendo uns que desapareceram e outros que se fundiram e ainda outros que se dividiram. Houve também esse tipo de alterações nas vantagens e desvantagens, e estas incluem agora, na base, a possibilidade de criar personagens com "super-poderes" e capacidades raciais extra-humanas - coisas como visão raio-X ou projecção de energia. Os feitiços levaram poucas alterações, a não ser a opção de funcionarem "por defeito" de um único skill, como os rituais de GURPS Voodoo.

Há mais diferenças, como tipos e modos extra de d anos que se podem inflingir em combate e a revisão dos níveis tecnológicos. Mas quem tenha jogado a 4ª edição saberá fazer um comentário melhor do que o meu.

"Don't hesitate, don't apologise - it's a sign of weakness."
John Ford, cineasta

Sans la liberté de blâmer, il n'est point d'éloge flatteur - Beaumarchais

I don't believe in the concept of "One True Game" - Steve Kenson, Icons

Arte

Gostava só de acrescentar que a arte do GURPS (3ª ed) (que é o que eu tenho) está excelente ... na sua maior parte feita por Dan "SMIF" Smith!

vejam os desenhos com atenção que vale bem a pena! 

este tipo tb faz praticamente tudo do In Nomine (tb da steve jackson)  e tem participações em livros de rolemaster e ainda mais!

eu acho-o excelente a  desenhar a preto e branco! fica aqui uma sugestão para procurarem trabalhos dele ! 

___________________________

Yaaaa Phtagnn!!

It is modern, but is it Art?

Nunca fui grande fã do SMIF, lamento, sobretudo porque nunca gostei da técnica dele de pegar em fotografias e simplificar isolando os contornos e fazer os desenhos dele a partir daí -- sobretudo quando gajos como o Tim Bradstreet fazem tudo o que ele faz e muito melhor? Depois eu já vi a arte dele sem fotos como referências e ... é... de.... meter medo.

___________________________________________

http://www.abreojogo.com/files/rpgenia.jpg

Eu Escrevi Um RPG Numa Semana!