Carcassonne - Inns&Cathedrals

Retrato de MGBM

Expansões para boardgames podem ser algo engraçadas. Ou adicionam muita coisa importante ou adicionam muita coisa desinteressante. Acho que nunca vi uma expansão que se situasse no meio desses dois extremos e, como tal, uma expansão acaba por ser ou muito útil ou completamente inútil. O Inns&Cathedrals para o Carcassonne é uma expansão, mas será útil ou inútil?

Esta análise será um pouco curta visto esta expansão ser pequena.

Esta expansão para Carcassonne, a primeira a ser lançada comercialmente se não contarmos com o The River I, propões introduzir novas mecânicas, novos tiles e um sexto jogador ao Carcassonne. Ao todo são 17 tiles novos incluidos nesta expansão.

A primeira e talvez a mais significativa alteração ao jogo é a inclusão de meeples para um sexto jogador. Seis jogadores em Carcassonne têm o efeito de aumentar o tempo de jogo mas também de aumentar a interacção entre jogadores um pouco mais pois um sexto jogador acaba por aumentar o leque de possibilidades e decisões de cada jogador ao mesmo tempo que o elemento humano é aumentado quantitativamente. Logo haverá uma maior indecisão na parte de todos os jogadores ao tentarem adivinhar o que mais um jogador irá fazer além dos 5 usuais. É uma alteração que é bem-vinda, pois Carcassonne a seis costuma ser um bocadinho melhor do que a cinco. Duas desvantagens podem vir desta alteração, no entanto. A primeira e a mais óbvia é o aumento de tempo de jogo que poderá ou não ser significativo, embora quantas mais expansões sejam usadas mais significativo o aumento de tempo é. A segunda é que para alguns grupos o número de tiles total só com o jogo base e esta expansão poderá não ser suficiente para albergar um sexto jogador e, como tal, a compra de mais expansões torna-se uma prioridade. Mas um sexto jogador acaba por ser mais benéfico que inoportuno e esta alteração acaba por beneficiar a linha toda de Carcassonne num todo. Como nota há que salientar que ainda bem que fizeram esta alteração logo na primeira expansão e não numa próxima, evitando assim que, na altura do lançamento, grupos de jogadores fossem obrigados a esperar pelo lançamento de outra expansão diferente que incluisse esta alteração. Em suma, boa alteração.

A segunda alteração mais significativa é a inclusão do giant meeple. Este meeple conta como se fossem dois meeples normais em questões de controlar uma área qualquer, seja ela uma cidade, pastagem, etc. Esta alteração oferece uma nova variedade de estratégias e tácticas ao jogo, obrigando os jogadores a pensarem mais a longo-prazo do que antigamente. De facto esta alteração é uma alteração radical em termos de mecânicas e dinâmica de jogo pois agora os jogadores têm uma nova arma à sua disposição que tem que ser usada de maneira muito cuidadosa, pois só há um giant meeple e ele obedece às regras dos meeples normais, ou seja, se alguma área não está completa então o meeple fica lá até ficar completa. Logo não é útil usá-lo à toa, terá que se esperar pelo momento certo. Esta alteração faz os jogadores queimarem o cérebro muito mais que no jogo base, aumenta os níveis de estratégia e táctica no jogo e torna o jogo muito mais aliciante. Como tal é uma alteração bem vinda e muito agradável.

As estalagens e catedrais são tiles específicos, as primeiras a serem usadas nas estradas e as segundas nas cidades. Ambos os tiles servem para aumentar os pontos das estradas e das cidades, 2 e 3 pontos por tiles respectivamente, e ambas as áreas terão que ser completas ou os jogadores com meeples nessas áreas não ganham um único ponto dessas áreas no fim do jogo. Estes tiles parecem ser interessantes à primeira vista. Sem dúvida nenhuma que as estalagens tornam as estradas muito mais interessantes para os jogadores, e isso é uma alteração boa. As catedrais, no entanto, acabam por beneficiar tremendamente o jogador que saca uma e desequilibra um pouco o jogo pois aumenta bastante o número de pontos que se ganha de uma cidade. Não estão muito desequilibradas, mas estão um pouco e o pior é que o jogador que saca uma catedral fica com muito poder que poderá ser decisivo na vitória de um jogador. Mas no fim são duas boas adições, as estalagens mais que as catedrais, que aumentam as opções tácticas de todos os jogadores consideravelmente.

Os outros tiles são normais, alguns com configurações pouco usuais, e são uma boa adição para o jogo. Não são muitos tiles mas acabam por aumentar a longevidade e variedade do jogo e isso só beneficia todos os jogadores.

Como nota, esta expansão poderá não ser uma boa aposta para introduzir novatos. As novas regras da expansão poderão por um novato confuso, considerando a simplicidade do jogo base. Logo não recomendo usarem esta expansão a um novato que joga pela primeira vez, embora usada à segunda ou terceira vez possa cimentar o gosto do novato por boardgames.

Esta expansão traz muitas mais vantagens que desvantagens ao Carcassonne. É uma expansão excelente, obrigatória mesmo, que enriquece a experiência de jogar Carcassonne consideravelmente. É uma expansão muito útil, em que quase todas as alterações são boas, aumentado a longevidade do jogo.

Se só pudessem comprar uma expansão para o Carcassonne seria esta a comprar. Uma expansão em que tudo é bem usado e integrado no jogo base. Uma expansão feita como todas as expansões devem ser feitas, basicamente, que adicionam coisas melhores e importantes ao jogo em vez de adicionar coisas sem interesse.

Obrigatória para quem goste de Carcassonne.

14 de 20.

http://www.boardgamegeek.com/game/2993

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

Opinião

Bem, mais de 5 anos depois mas aqui fica registada a minha opinião. 

Concordo com a maior parte das referências à expansão neste artigo. Não obstante, diria que numa escala de 20 a nota que atribuo é sem dúvida superior a um 14, considerando até dar uma nota superior do que ao próprio jogo base. 

O Carcassonne é um bom jogo, mas algo limitado. Esta expansão eleva-o um novo patamar, pois todos os elementos introduzidos são monumentos à sua jogabilidade. Cada qual altera para melhor o jogo, tornando-o quase numa nova versão, como se nos fosse presenteado o "Carcassonne 2". 

Li a crítica às catedrais, quanto a provocar algum desequilíbrio, mas não concordo. O Meeple gigante introduzido nesta mesma expansão dilui esse desequilíbio, que de outro modo existiria. Basta colocar uma peça de cidade nos arredores da cidade com catedral, e posteriormente colocar outra peça que junte a peça anterior à cidade catedral. Deste modo o jogador passa a deter uma presença nessa cidade, e que pode ser aumentada recorrendo novamente ao mesmo método. Há ocasiões que são autênticas batalhas pelo controlo maioritário dessas cidades, pois quem vencer isoladamente o domínio, irá usufruir sozinho desses pontos imensuráveis. Assim, verifica-se que não é vital o jogador que retira a peça aleatoriamente do monte. 

Ainda não conheço todas as expansões, mas esta é sem dúvida curcial para quem joga Carcassonne. Atrevo-me a dizer que desdenho o jogo sem esta expansão, e a comprar o Carcassonne comprem de imediato esta. 

Quanto a introdção de novatos, eu não considero que os módulos que são aqui introduzidos elevem a dificuldade para explicar a um iniciado, ou para este compreender. Elevam a dimensão de tática e estratégia, isso sim. Ainda recentemente joguei com o meu irmão, que nunca tinha jogado Carcassonne, e entrou sem problemas (até ganhou,... o pulha).