Poker (Texas Hold'em) - Análise / Crítica

Retrato de Mallgur
Poker

Tal como fiz quando cheguei à letra M, vou aqui fazer uma análise / crítica a um jogo que não consta da minha colecção e que não se insere muito no espírito habitual das nossas sessões. Depois voltarei à minha colecção com um outro começado por P.

 

Poker (Texas Hold'em)

 

Designer: Desconhecido

Variante analisada: Texas Hold'em

página genérica do Poker no BGG

 

Escrevo este artigo porque o Poker é jogado por muitos de nós, maioritariamente online e porque, quer  queiramos quer não, o Poker está na moda. Não que esta coisa das modas me afecte muito, mas essa visibilidade demonstra  que existe algum interesse por este jogo de cartas e portanto penso que será interessante emitir alguma opinião sobre o mesmo.

Além disso, comprei recentemente um interessante livro com o título de "Dictionary of Card Games" cujo autor é também  designer de jogos. David Parlett criou o famoso "Hare & Tortoise" que está em edição há já mais de 30 anos.

O Poker consta, naturalmente desta colecção de jogos de cartas e vem aí classificado como "vying game" que se traduz no  mesmo volume como "jogos de perícia e sorte em que os jogadores competem através de apostas crescentes em quem tem a  melhor mão. O dinheiro em jogo é ganho por quem tem a melhor mão ou por aquele que convencer (por vezes através do bluff) os  outros de que a tem forçando-os a conceder."

Então como é isto do Poker?

 

Componentes

 

O Poker joga-se com um baralho normal de 52 cartas e habitualmente recorre-se a fichas para representar as apostas. Também  será necessário um marcador para indicar quem está na posição de dador (dealer), embora este último possa ser dispensado se  o dador for mudando de forma regular.

Evidentemente, a qualidade dos componentes depende do material que cada um de nós estiver disposto a adquirir. Existem  baralhos de grande qualidade e baralhos que aguentam pouco mais que uma partida. Do mesmo modo, as fichas podem ser  muito boas, fáceis de manipular e organizar, ou não... Tudo depende do valor que estivermos dispostos a investir.

 

Regras

 

A variante Texas Hold'em do Poker é uma das muitas que força os jogadores a usarem cartas comuns, disponíveis para todos, em conjunto com cartas pessoais, que só cada jogador conhece e pode usar na construção da sua combinação. Também recorre a apostas obrigatórias por parte de alguns jogadores para a construção do bolo (pot), em disputa.

Mais detalhadamente, um jogador será o dador (dealer). Fica com o marcador correspondente e é responsável, mesmo que figurativamente nos casos em que existe um croupier fixo, por dar as cartas conforme o jogo decorre.

O valor das cartas, por ordem crescente é 2,3,4,5,6,7,8,9,10,Valete,Dama,Rei,Às. Os naipes não têm valor relativo. Valem todos o mesmo.

São distribuídas duas cartas a cada jogador. Estas serão as cartas individuais. Os dois primeiros jogadores à esquerda do  jogador fazem, de imediato, duas apostas pré-definidas (small blind e big blind, respectivamente), normalmente equivalentes a  uma aposta base do primeiro (small blind) e uma subida de aposta (raise) para o dobro do segundo (big blind). O objectivo é tornar o bolo apetecível e dinamizar o jogo.

Depois, pela esquerda, os restantes jogadores (nesta altura o terceiro e assim por diante) terão que reagir a estas apostas. Dispõe de três opções:

1 - Desistir (Fold) - Se o jogador entende que não tem jogo para competir com os outros, desiste. As suas cartas pessoais não devem ser reveladas e, durante o resto da mão, este jogador está fora do jogo

2 - Igualar (Call) - O jogador pretende continuar em jogo e portanto paga o valor necessário para igualar a aposta mais alta até aí.

3 - Subir (Raise) - O jogador aumenta o valor da aposta actual, juntando ao bolo o valor que pretender, aumentando assim o valor da aposta e, simultaneamente, a "pressão" sobre os outros jogadores.

Estas opções irão decorrendo até que alguns jogadores tenham igualado as apostas entre si ou que apenas um deles reste em jogo. No último caso, este jogador leva o bolo e esta mão está terminada.

Caso vários jogadores se mantenham em jogo, são reveladas três cartas do baralho para o centro da mesa, que começam a constituir as cartas comuns. Este primeiro momento de revelação de cartas comuns chama-se Flop.

Segue-se uma nova ronda de apostas, começando pelo jogador ainda em jogo logo à esquerda do dador. Como não existem ainda apostas nesta nova ronda, os jogadores têm, até que uma aposta seja feita, uma nova opção, Ficar (Check), além de, obviamente, abrir as apostas. Neste novo caso não apostam nada e ficam à espera das jogadas dos outros. Digamos que fazem uma aposta de zero fichas.

Mais uma vez, quando as apostas estiverem igualadas ou restar apenas um, ocorre o mesmo que anteriormente com a diferença que o final da segunda ronda de aposta traz a revelação de apenas uma carta comum, o chamado Turn.

Após o Turn há uma nova ronda de apostas. No final desta é voltada mais uma carta comum, a quinta e final, momento conhecido como River.

Segue-se ao River a última ronda de apostas.

Caso vários jogadores cheguem ao final desta última ronda de apostas, terão que comparar o jogo para ver quem tem a melhor combinação de cinco cartas, usando como quiser as cartas comuns e pessoais (inclusivamente usando uma mão completamente constituída pelas cartas comuns). A isto chama-se o Showdown. Os empates são possíveis.

As combinações possíveis são, por ordem crescente, as seguintes:

Carta mais alta - Não conseguindo qualquer das restantes combinações, ganha o jogador que tiver a carta mais alta, sendo que as cartas vão sendo comparadas uma a uma da mais alta para a mais baixa até que haja diferença.

Um par - Duas cartas iguais (por exemplo dois cincos). Ganha o par mais alto e, em caso de igualdade a carta mais alta das restantes três.

Dois pares - Tal como acima, mas com duas ocorrências. Por exemplo, um par de cincos e um par de valetes. Ganha o par maior, em caso de igualdade deste, o maior do outro par. Em caso de nova igualdade, a carta restante mais alta. Em caso de igualdade desta, há um empate.

Um trio - Três cartas do mesmo valor. Por exemplo três Damas. Ganha o trio de cartas mais altas.

Sequência (Straight) - Cinco cartas de valores consecutivos. Por exemplo 7,8,9,10,Valete. Note-se que uma sequência pode começar no Ás, contando este como um (Ás,2,3,4,5). Vence a sequência que termina no valor mais alto.

Cor (Flush) - Cinco cartas do mesmo naipe com valores não consecutivos. Por exemplo, 3,6,10,Valete e Rei, todos de Copas. Vence a mão que contém a carta mais alta.

Quadra (por vezes chamado Poker) - Quatro cartas do mesmo valor. Por exemplo quatro Damas. Vence o poker de cartas mais altas.

Sequência de cor (Straight Flush) - Cinco cartas de valor consecutivo e todas do mesmo naipe. É uma junção entre a Sequência e a Cor explicadas antes. Vence a sequência que termina na carta de valor mais alto.

Quando os jogadores empatam, dividem o bolo. Caso um jogador tenha apostado a totalidade das suas fichas, só poderá ganhar igual quantidade de fichas dos adversários.

Imaginemos que estão três jogadores em disputa pelo bolo que é, na altura do turn (à entrada da penúltima ronda de apostas), de 500. O jogador A tem ainda 300 fichas, o B 700 e o C 2500. O jogador A aposta todas as suas fichas (All-in). O bolo passa a 800 fichas. O jogador B iguala as 300 do A. O bolo passa a 1100. O jogador C também iguala. O bolo fica em 1400 Neste momento o bolo está em disputa pelos três jogadores. Tudo o que for apostado na ronda final de apostas ficará apenas, num bolo separado, entre o jogador B e o jogador C. Se o jogador A ganhar o Showdown, levará as 1400 fichas e nada mais. Os outros discutirão entre si o que sobrar.

Isto impede que um jogador aposte tudo e ganhe mais do que investiu e, ao mesmo tempo, que um jogador seja afastado porque não consegue igualar uma subida de aposta de um jogador com mais fichas. Se estiverem apenas dois jogadores em jogo e um deles apostar tudo, o outro não pode fazer mais que igualar.

Depois disto, o marcador de dador passa à esquerda, baralham-se todas as cartas e inicia-se nova mão.

Dependendo do ambiente de jogo, estas regras podem sofrer algumas alterações. Podem existir limites impostos às apostas, valores pré-definidos para o total do bolo e assim por diante... Mesmo dentro da variante que aqui se analisa, há muito por onde escolher.

Não é um jogo complexo ou difícil de explicar. Penso que ao fim de duas ou três rodadas já todos terão percebido como funciona. As combinações podem levar um pouco mais de tempo a fixar, mas nada que não se resolva com uma folhinha para ajudar quem começa.

 

Jogabilidade

 

A popularidade desta variante de Poker deve ser demonstração suficiente de que este jogo se joga muitas vezes. A isto junta-se o seu principal aspecto negativo, o de ser perigoso para quem tem tendência a viciar-se no jogo a dinheiro. É fácil perder a noção de que se trata de um jogo em que muitos têm que perder para poucos ganharem. Mesmo sendo um jogo em que todos têm as mesmas hipóteses, em que se joga contra outros jogadores, ao contrário dos mais comuns jogos de casino como a roleta ou o blackjack em que tudo está a favor da casa que é o adversário, é um jogo perigoso para quem não se saiba controlar.

Do ponto de vista meramente lúdico, é um jogo que se repete com agrado, que permite manter conversas ligeiras enquanto se joga e que, com a devida conta, peso e medida, proporciona momentos interessantes.

 

Equilíbrio

 

Ao início, todos os jogadores estão em pé de igualdade. Todos deverão começar com o mesmo número de fichas. Conforme o jogo vai decorrendo, o equilíbrio das fichas vai mudando. Os jogadores que consigam alguma vantagem, deverão ir ganhando vantagem em relação aos que ficam para trás pois é-lhes mais fácil arriscar a comparação de jogo ou mesmo tentar afugentar os adversários uma vez que o seu prejuízo será, em certa medida, menor que o daqueles que têm já poucas fichas. Não tem propriamente um problema de liderança inatacável, pois a incerteza do jogo pode proporcionar volte-faces enormes, mas a verdade é que um jogador disciplinado deverá conseguir manobrar o jogo melhor quando tem vantagem.

 

Sorte

 

Muita, claro.
Uma das grandes (e eternas) discussões à volta deste jogo é se se trata de um jogo de perícia ou um jogo de sorte.

Eu acho que tem um pouco de cada, mas a sorte é um factor primordial. Basta ver que nas últimas 10 edições do campeonato do mundo (WSOP) não há um nome repetido entre os vencedores e segundos classificados. Penso até que só recuando aos anos 80 podemos encontrar um nome que conseguiu estar em primeiro ou segundo por mais que uma vez. Se se tratasse de um jogo em que a perícia contasse muito mais que a sorte, certamente teria havido alguém com um período de domínio mais marcado. Há sempre um jogador ou praticante que revoluciona o desporto, ou jogo, e durante algum tempo é realmente a medida a atingir pelos outros. Podemos dizer que Chris Moneymaker (2003) foi responsável pelo recente crescimento do Poker, com o apoio da Internet e da televisão, mas apenas venceu uma vez. O que mostrou é que qualquer um pode chegar lá, desde que jogue razoavelmente e tenha alguma sorte. O campeão de 2009, Joe Cada, por exemplo, já na mesa final ganhou três mãos em que estava em clara desvantagem graças a uma carta fortuita que saiu mesmo na altura certa, antes de ir ao duelo final vencer.

Mas também há que saber jogar. Por exemplo, há que saber olhar as cartas comuns e pensar que possibilidades oferecem aos outros, além das que nos dão a nós. Há que saber avaliar a nossa posição na mesa. Falar mais tarde é uma vantagem pois permite avaliar as acções dos adversários e aproveitar sinais de fraqueza que aí se detectem. Sorte só não basta, mas sem ela também não se ganha.

Voltando ao "Dictionary of Card Games", o compromisso estabelecido na definição do tipo de jogo que é o Poker (vying games) é perfeito. É um jogo em que a sorte tem um papel relevante e muito marcado mas em que a perícia de um jogador pode fazer com que, a longo prazo, haja uma diferenciação entre quem joga melhor e pior.

 

Estratégia / Táctica

 

Do ponto de vista estratégico, um jogador pode pensar se irá jogar de uma forma mais ou menos conservadora. Poderá ponderar quais as mão iniciais que considerará jogáveis ou não. Imaginemos que um jogador, sabendo que as combinações ganhadoras serão algures entre a sequência e a cor, coloca a hipótese de jogar todas as mãos em que tenha cartas do mesmo naipe. É uma decisão estratégica... Arriscada, diga-se.

Mas o principal do jogo é táctico. Cada mão será diferente e as reacções dos adversários são um factor importante nas decisões a tomar. A maioria das mão são para desistir logo na primeira ronda de apostas, não nos iludamos quanto a isso, e mesmo as mãos que são jogáveis podem levar a uma desistência logo após o Flop por não haver encaixe entre as cartas comuns e as pessoais.

 

Conclusão

 

Vou socorrer-me para esta conclusão de mais algum material retirado do livro que mencionei no início.
Diz-se aí que: "[...]os efeitos da sorte podem ser negados, a longo prazo, através de um domínio consciente ou intuitivo de conceitos matemáticos, uma gestão correcta de recursos financeiros e a aplicação de alguma psicologia prática."
De facto, um bom jogador de Poker, ou seja, aquele que consegue ir ganhando dinheiro em vez de o perder, deve ser consciente na avaliação do seu jogo, disciplinado na gestão da sua banca e capaz de avaliar o jogo dos adversários através das suas reacções ou pelo estudo dos seu hábitos de jogo quando tal é possível.

Daí que não seja um jogo que aconselhe a todos...

Este jogo só terá algum interesse jogado a dinheiro (ou peças de roupa, mas isso é outro assunto) e não propriamente no espírito de convívio e camaradagem que normalmente nos motivam para os jogos de tabuleiro, onde a vitória fica para segundo plano e certamente não há qualquer aspecto financeiro envolvido. Por isso, para que o mesmo não se torne um problema ao invés de uma forma saudável de passar o tempo, há que ter consciência de que o risco de perder dinheiro existe mesmo. E o risco de vício também existe sempre que as apostas estão envolvidas. Não fora assim e há muito que os casinos teriam fechado as portas.

Não costumo jogar este jogo ao vivo. Normalmente jogo com amigos pelo convívio e pelo prazer de jogar. Envolver dinheiro nesta equação é algo que não me interessa. Jogo online de vez em quando e não me gabo de ganhar dinheiro com isso, aliás, neste momento a minha performance está em ponto baixo... Porém, estabeleci bem cedo o valor que estaria envolvido nisto, sendo aproximadamente o que me custaria um jogo de tabuleiro médio e esse será um valor limite para as minhas perdas jogando poker online. Se o perder todo, não volto a jogar a dinheiro e pronto. Para já tenho-me aguentando, nunca ganhando ou perdendo muito. Dá para passar algum tempo e isso basta-me. Não tenho ilusões de vir a vencer algum grande torneio ou de viver à custa disso.

Também encontrei um site que, para além de disponibilizar alguns artigos e vídeos bem interessantes para quem quer conhecer o jogo, fornece um capital inicial para quem quiser jogar e experimentar os conselhos de estratégia aí dados. Se quiserem, posso indicar-vos, mas apenas se me prometerem ter juízo! Com esse valor e o pouco que investi já jogo há meses sem prejuízo. Também se se acabar esse capital, paciência. Foi giro enquanto durou, mas não sou tolo para investir poupanças ou penhorar a minha vida nisso.

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

O meu resumozinho.

1. Uma, cinco, dez partidas disto, é uma questão de sorte. Creio que qualquer fã deste jogo concorda comigo nisto.

2. A dinheiro, num torneio, em que probabilidades, risco, leitura do oponente, bluff, paciência, etc... é sem dúvida um jogo que exige muito de quem o joga. Um amador com toda a sorte do mundo não tem hipótese.

3. Meter dinheiro ao barulho não tira forçosamente a piada. Um grupo de amigos, entrar cada um com 5 ou 10 euros, e depois aconteça o que acontecer... Não me parece mal.

4. Acho-o uma seca e muito longo (considerando os torneios que os meus amigos fazem... 4 horas??). Isto já é uma questão de gosto.

Mas é um jogo que respeito bastante.

 


Top10:

Apenas li o parágrafo da

Apenas li o parágrafo da Estratégia/Táctica e gostaria só de frisar que a principal diferença entre um grande jogador de poker e um jogador normal de poker, é que para um grande jogador, tanto a nível global (durante uma sessão de jogo de várias mãos) ou a nível individual (o desenrolar de uma mão), o poker é um jogo quase só estratégico.

 

/p>

Last played:

Mais ou menos...

É mais ou menos isso que diz nos primeiros parágrafos da Conclusão, logo a seguir.

Essencialmente, creio, um bom jogador de poker é aquele que sabe que vai (e está preparado) para ter noites más.

Uma mão isolada de poker, para mim, é sempre uma questão táctica, com relativa importância estratégica, como todas as questões tácticas... Pelo menos no que eu entendo como sendo a diferença entre táctica e estratégia.

Uma outra coisa curiosa no livro que menciono neste artigo, e que me falhou transmitir, é a forma como é aí avaliada a grandeza do poker. Essencialmente diz-se que o que faz do poker um grande jogo, assim como do bridge, não é que alguns o joguem muito bem, mas que tantos o joguem tão mal.

Francamente, não acho que o poker seja sequer comparável, enquanto jogo, ao bridge. Seja qual for a variante de poker de que se fala. O factor sorte tem muito mais peso no poker que no bridge... Em nenhum momento de uma partida de bridge os jogadores ficam apenas à espera do resultado da mão, como no poker depois de um all-in de todos os envolvidos (normalmente dois), tal roleta. Cada vaza no bridge pode ser decisiva e portanto cada jogada de carta também. Já para não falar na importância do contrato e do leilão do mesmo.

É verdade que há muito mais quem jogue mal poker que quem o jogue bem, mas mesmo quem joga bem tem noites em que nada pode fazer contra um mau jogador com muita sorte. Uma boa equipa de bridge pode perder uma mão ou outra para uma má equipa, mas certamente ganha a partida.

-

Gamer profile

Caros Caramelos

Qualquer comparação entre poker (qq variante) e bridge é pura loucura pois é comparar alhos com bugalhos.

A componente "sorte" é absolutamente eliminável num conjunto de partidas de bridge utilizando um correcto sistema de pontuação, por exemplo a divisão dos pontos alcançados em cada partida pelas "honras" das mãos dos contratantes.

Além disso, e também muito relevante, cada "voz" pode ser questionada e RECEBE uma resposta honesta e transparente (no bluff is possible).

Quem alguma vez jogou este jogo num patamar "mínimo" sabe do que estou a falar...

 

______________________________________________________________________________

"Astronomy compels the soul to look upwards and leads us from this world to another" - Platão

Sorte?!

Mallgur escreveu:

... nas últimas 10 edições do campeonato do mundo (WSOP) não há um nome repetido entre os vencedores e segundos classificados. Penso até que só recuando aos anos 80 podemos encontrar um nome que conseguiu estar em primeiro ou segundo por mais que uma vez....

 

Podemos gostar ou não gostar do jogo, mas isto leva-nos em crer que este jogo tem uma grande dose de factor sorte!

(atenção: também concordo que um bom jogador ganhará quase sempre a um mau jogador).

Se formos a pensar assim...

tmgd escreveu:

Podemos gostar ou não gostar do jogo, mas isto leva-nos em crer que este jogo tem uma grande dose de factor sorte!

(atenção: também concordo que um bom jogador ganhará quase sempre a um mau jogador).

Também 80% dos desportos nos jogos olímpicos.

/advogado do diabo

 


Top10:

Asur escreveu: tmgd

Asur escreveu:

tmgd escreveu:

Podemos gostar ou não gostar do jogo, mas isto leva-nos em crer que este jogo tem uma grande dose de factor sorte!

(atenção: também concordo que um bom jogador ganhará quase sempre a um mau jogador).

Também 80% dos desportos nos jogos olímpicos.

/advogado do diabo

80% ???!!?? hum... Foot in mouth

Não duvides dos meus números

Inventados com tanta perícia!

Mas sim, uma larga fatia... São só sorte?

 


Top10:

Inventados não!!

Chamados de Principio de Pareto!! Também conhecido porpricipio 80-20 !!! :P

A Fortaleza no Follow me on

Últimas jogatinas:

Negating the unforeseeable is utterly unrealistic, and scrambling to deal with problems is indeed a game skill.

Talvez...

Asur escreveu:

Também 80% dos desportos nos jogos olímpicos.

/advogado do diabo

Se falarmos apenas dos dois primeiros até pode ser que se verifiquem os 80% (embora duvide). Mas se alargarmos aos 10 primeiros até aposto que na vasta maioria dos desportos se encontrarão nomes repetidos. Nos Olímpicos um desportista que domina num ano, normalmente só por lesão é que não é um candidato no ano seguinte.

No Poker, surpreender-me-ia que tivessem existido duas final tables (10 últimos) do WSOP com 3 jogadores repetidos...

Sim, o Poker é um jogo com muita sorte. Por isso mesmo, um bom jogador de Poker só se pode avaliar em termos de vários torneios e no resultado lucrativo de um período relativamente longo. Um torneio não chega.

-

Gamer profile

..

Mallgur escreveu:

Se falarmos apenas dos dois primeiros até pode ser que se verifiquem os 80% (embora duvide). Mas se alargarmos aos 10 primeiros até aposto que na vasta maioria dos desportos se encontrarão nomes repetidos. Nos Olímpicos um desportista que domina num ano, normalmente só por lesão é que não é um candidato no ano seguinte.

No Poker, surpreender-me-ia que tivessem existido duas final tables (10 últimos) do WSOP com 3 jogadores repetidos...

Ah, mas agora já entrámos no "supônhamos". Smile Só estava a apontar uma lógica ilógica. Concordo com o resto.

E a mim "sorte" não me faz pele de galinha. Sorte é material de estatística.

 

Pensando melhor, estatística faz-me pele de galinha, por isso...

 


Top10:

Hum...

Eu julgava que as galinhas tinham pele de galinha...

 

As minhas (In)definições no TuJogas.com

Herrar é umano.

Sorte?! Tá bem tá...

O poker não é um jogo de sorte, um bom jogador de poker pode ganhar mais ou menos mas ganha sempre, prinicipalmente se estiver a jogar com noviços que acham que o poker é um jogo de sorte.

O poker exige experiencia, muita experiencia. Quem joga há mais tempo ganha mais vezes, independentemente das mãos que tenha. Aliás, a importancia da mão é relativa, é possivel ganhar muitas fichas com uma mão fraca e é normal perder muitas fichas com uma mão alta.

Gostaria ainda de desmistificar essa ideia de que o Poker pode levar á falência do agregado familiar. Eu sei que a comunicação social adora vender esses quadros de miséria mas a realidade é bem diferente. È possivel jogar poker regularmente, ganhando uns trocos com isso, nunca investindo muito. È mais provável que a experiencia conduza a mais ganhos que perdas e assim se possa aumentar o rendimento que daí provem.

Em jeito de provocação, deixem-me que vos diga, ler os boardgamers sobre Poker é como ouvir um dono de um Stand a falar de Fórmula 1 só porque "lida com automóveis".  

Zuvizavanovi escreveu:

Zuvizavanovi escreveu:

Em jeito de provocação, deixem-me que vos diga, ler os boardgamers sobre Poker é como ouvir um dono de um Stand a falar de Fórmula 1 só porque "lida com automóveis".

 

Thumbs Up

 


Top10:

...

Thumbs Up

As minhas (In)definições no TuJogas.com

Herrar é umano.

LOL

Zuvizavanovi escreveu:

Em jeito de provocação, deixem-me que vos diga, ler os boardgamers sobre Poker é como ouvir um dono de um Stand a falar de Fórmula 1 só porque "lida com automóveis". 

LaughingLaughingLaughingLaughing

Isso faz de ti um não-boardgamer ou um dono de Stand?

 

-

Gamer profile

O poker é um jogo de sorte

O poker é um jogo de sorte onde "simplesmente" tu tens a possibilidade de controlar a tua sorte, investindo mais dinheiro em situações em que tens um valor esperado positivo. Mas continua a ser um jogo de sorte e azar.

 

Uma das coisas que sempre me irritou um bocado na comunidade do poker é que todos consideram que devia ser um desporto, porque o jogo depende muito da skill de cada um e não sei quê mais, mas a verdade é que há muito poucas pessoas que sabem o suficiente de poker para que este jogo deixe de ser um jogo de sorte.

Zuvizavanovi escreveu:

Gostaria ainda de desmistificar essa ideia de que o Poker pode levar á falência do agregado familiar.

Não desmistificas ideia nenhuma. O poker é um jogo de soma negativa (devido ao rake cobrado pelas salas), por isso para uns ganharem, há outros que perdem e, a faixa dos que perdem é muito superior à faixa dos que ganham e no fim do dia, quem ganhou mais foi a Fulltilt e a Pokerstars.

 

Este dono de stand já conduziu F1's durante alguns anitos e com algum sucesso :)

 

/p>

Last played: