Furnace


Sinopse:

Durante a partida os jogadores vão ganhar recursos das companhias que possuem, usando-os noutras para produzir novos produtos e com eles enriquecer o mais possível.

No fim da 4ª ronda o jogador mais rico será declarado vencedor!

Como se joga:

⇒ Setup

No início da partida cada jogador recebe uma carta de empresa inicial e os respetivos recursos dessa carta (visíveis no topo central da carta). Recebe também a ficha identitária da sua cor com diferentes formatos (luvas brancas, relógio amarelo, chapéu preto ou carteira vermelha).

Em partidas com jogadores mais experimentados distribui-se também uma carta de magnata a cada jogador, essa carta adiciona algumas capacidades especiais ao jogador que a receber.

Para lá das cartas iniciais, cada jogador recebe ainda 4 discos de capital numerados de 1 a 4 na cor que escolher, que irá usar durante a fase de licitação.No centro da mesa coloca-se o pequeno tabuleiro de contagem de rondas e junto da aba da primeira ronda encaixa-se a ficha com o número 1 encaixado nessa aba. Ao longo da partida a ficha vai girando e baixando pelas 4 abas do pequeno tabuleiro, marcando as 4 rondas.

Sobre esse tabuleiro colocam-se as cartas de fábrica devidamente baralhadas. Decide-se quem é o jogador inicial e entrega-se-lhe o marcador correspondente.

⇒ Desenvolvimento

Em cada ronda há 3 fases que se realizam sequencialmente por todos os jogadores:

  • I. Fase de licitação
  • II . Fase de produção
  • III . Fim de ronda

I. Fase de licitação

Nesta fase, todos os jogadores, começando pelo jogador inicial e seguindo no sentido dos ponteiros do relógio, vão licitar.

Começa-se por partir o baralho de fábricas ao meio, e de seguida revelam-se cartas do topo do baralho para o centro da mesa. O número de cartas reveladas varia em função do número de jogadores ( 2 jogadores – 6 cartas; 3 jogadores – 7 cartas e 4 jogadores – 8 cartas).

Para licitar o jogador escolhe um dos seus discos de licitação (1 a 4) e coloca-o sobre uma das cartas observando as seguintes regras:

  • Não é permitido jogar um disco numa carta que já tenha um disco seu;
  • Não é permitido haver discos com o mesmo número numa carta.

Depois de todos terem colocado os seus 4 discos, procede-se à repartição de dividendos.

Resolve-se uma carta de cada vez, e começa-se pela que estiver mais à esquerda. O disco de maior valor vai ganhar a carta para si, mas antes que isso aconteça todos os discos menores ganham uma compensação, que se traduz no seu valor multiplicado pelo recurso/transformação que se vê no topo da carta. Por exemplo, numa carta com 2 cubos negros (carvão), o jogador que tiver aí um disco de valor 1 ganha 2 cubos negros, um disco de valor 2 ganha 4 cubos negros (2×2), um disco de valor 3 ganha 6 cubos negros (3×2). Um disco 4 ganha sempre a carta por isso nunca se aplica a compensação a este disco!

Obviamente que uma carta pode ser ganha por discos de valor inferior a 4, quando este não é jogado nessa carta! Nesses casos o disco que ganha a carta não recebe compensação, como é lógico, pois a maior compensação é ganhá-la.

Procede-se desta forma com todas as cartas, até que tenham todas sido atribuídas a alguém, ou retiradas do jogo, no caso não terem sido licitadas.

II. Fase de produção

Nesta fase, os jogadores podem executar as suas ações em simultâneo, para poupar tempo, no entanto, nas primeiras partidas é aconselhável que se resolva esta fase por ordem de turno.

O jogadores irão produzir e/ou melhorar as suas cartas. A produção está na parte central da carta e dividida por dois níveis.

Quando se adquire uma carta ela vem sempre virada com o seu lado básico voltado para cima e só é possível produzir/transformar com o nível básico (linha de cima), embora se vejam os contornos da produção do nível avançado (linha de baixo), no entanto, só quando se melhora a carta é que se acede a esse nível de recursos/transformações.

Melhoria de cartas de fábrica

A nossa carta inicial dá sempre uma engrenagem e permite sempre melhorar quantas cartas quisermos a troco de 1 ficha de engrenagem + 1 cubo negro por cada carta de fábrica que quisermos melhorar.

Melhorar uma carta permite ao jogador virar uma das suas cartas de fábrica básicas para o seu lado avançado e assim aceder não só ao primeiro nível de recursos/transformações, como também ao segundo!

Esta fase termina quando todos os jogadores tiverem realizado a produção e/ou melhoria das suas cartas de fábrica.

Ordem de produção

A ordem das cartas que produzem fica ao critério do jogador. É permitido ganhar recursos com uma carta de fábrica e usá-los na carta de fábrica que se resolva logo de seguida. É nessas ligações e inter-relações das diferentes cartas de fábrica que está o grande desafio do jogo!

Mas atenção, cada carta tem de ser resolvida por completo, isto é, o jogador tem de produzir/melhorar/transformar tudo o que a carta permitir e/ou desejar, depois disso a carta é considerada “esgotada” e deve-se assinalar isso, destacando-a das outras (girando-a 90 º ou puxando-a para baixo em relação às ainda disponíveis).

Cartas “esgotadas” não podem ser produzir novamente no mesmo turno. Por exemplo, com a carta inicial pode-se melhorar as cartas que quisermos a troco de 1 ficha de engrenagem + 1 cubo negro por carta, no entanto, se depois de ter usado esse poder vier a ganhar uma engrenagem e um cubo negro, na produção de outra carta, não podemos voltar a repetir a ação de melhoria da carta inicial que entretanto já está “esgotada”.

III. Fim de ronda

Depois de todos os jogadores terem produzido, dá-se início ao fim da ronda. Nesta fase passa-se o marcador de jogador inicial para o jogador à esquerda do atual jogador inicial.

Gira-se a ficha de ronda para a aba inferior e com o número seguinte aí encaixado.

Se esta for a 4ª ronda dá-se o jogo por concluído.

⇒ Fim do jogo 

O jogo termina no fim da fase de produção da 4ª ronda.

Todos os jogadores contam o seu dinheiro e ganha quem tiver mais dinheiro. Em caso de empate ganha quem tiver mais cartas de fábrica, e se o empate subsistir ganha quem tiver mais recurso sobrantes na sua área de jogo.

Avaliação:

Furnace é uma agradável surpresa! Começa logo pelo formato da caixa, um retângulo médio que anuncia à partida um jogo familiar, leve e entretido. Depois abrimos a caixa, lemos as regras, partimos para um jogo de batismo e tudo o que congeminámos se desvanece e surge o verdadeiro Furnace, que não é propriamente um jogo leve, não sendo todavia um jogo pesado…

As regras do jogo são simples de entender, o livro de regras é conciso e muito claro nas explicações das regras. A este jogo apropria-se o ditado popular de lobo em pele de cordeiro. Na prática o que nos é proposto é um jogo com regras muito lineares, que muito facilmente interiorizamos numa ou duas rondas, mas depois aparece-nos um jogo de algum complexidade e que pede a cada jogador um elevado grau de otimização nas escolhas e sobretudo na ordem com que elas se fazem.

A única dúvida que só o tempo poderá aclarar é a sua rejogabilidade. As 36 cartas que compõe o jogo deixam alguns indícios de progeria, porém nada que uma ou duas expansões não resolveram. Mas calma, são apenas suposições, e já as iniciais em relação ao tamanho da caixa, se vieram a revelar um equívoco. Sejamos prudente. O jogo precisa de envelhecer e depois sim, poderemos tirar conclusões mais avisadas.

O toque de genialidade do jogo é a sua fase de licitação, não por ser original, mas porque resulta bem, porque consegue transformar o lado negativo de perder uma licitação, numa componente estratégica positiva e por vezes até determinante para realizar uma boa fase de produção. É inusitado, mas tentar “perder” a licitação para obter a compensação pode ser uma boa jogada!

A cada partida assistimos ao mesmo labor individual: criar um motor que funcione e vá progressivamente gerando mais riqueza a cada nova ronda. E aos pouco será essa a diferença entre os jogadores, os motores mais eficientes e mais produtivos sairão vencedores. Se isto for uma proposta lúdica que vos agrade, vale a pena investir em Furnace; caso contrário talvez devam jogar primeiro antes de comprar.

Em relação à ilustração do jogo e qualidade dos componentes tem tudo nota muito positiva, destacando desse conjunto as ilustrações que são realmente muitas bonitas e com uma paleta de cores de muito bom gosto.

Furnace é curto em termos de duração e isso acaba por protege-lo de se tornar enfadonho, dando-lhe a dose certa de escolhas por partida, para nos manter agarrados até ao final. É um jogo inteligente, rápido, elegante e capaz de juntar na mesma mesa jogadores casuais, mais experientes e agradar a ambos. Interessante é a palavra que melhor carateriza este pequeno-grande jogo.

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

Porreiro

Joguei no Tabletopia (está lá em demonstração até segunda-feira) e é porreiro. Super fácil de explicar, rápido de jogar. É claramente um exercício de eficiência, não é uma questão de agarrar mais cartas. Não sei se os poderes estão bem equilibrados, teria que jogar com todos. Mas é um bom filler.