Tinners' Trail - review

Retrato de JohnnyBeGood

 

Tinner’s Trail ou “Trilho dos Mineiros de Estanho” é um título muito particular. O tema, o sistema de jogo e o próprio grafismo compõem um flavour de jogo pesado, mas feitas as contas, não o é, nem nunca o quis ser. Será que, tal como se fosse um vinho, lhe podemos chamar um leve, meio seco?

Por mais críticas que lhe faça, acabo sempre por lhe pegar e sugeri-lo para aquele espaço de tempo tão cruel para os heavy-gamers - a hora e meia. Precisamente! O Tinners’ Trail não é mais do que uma armadilha para jogadores de peso, atraídos por um mapa austero, recheado de quadros, tabelas e tabelinhas. Talvez por outro lado, encontre a redenção como uma boa iniciação a jogos de gestão mais complexos.

 

Este título integra a linha Treefrog da editora Warfrog Games. Uma colecção de jogos tem como particularidades as suas edições absurdamente limitadas e os seus componentes exclusivamente em madeira. Tinners’ Trail não é excepção, e apresenta uma selecção de peças em madeira, desde os habituais cubos, passando pelos barcos, comboios, mineiros e até as próprias minas. Para todos os que gostam de eurogames tradicionais, o título brinda-nos ainda com um grande mapa da região, cercado por quadros importantes para o desenrolar do jogo, incluindo até um pequeno player-aid das acções possíveis. Três bonitos dados integram os componentes e são, na minha opinião, o elemento chave para dar um pouco de emoção ao jogo.

 

Mas afinal, o que raio se passou de interessante na Cornualha do séc. XIX?!

 

Uma pequena península que podemos identificar no sudoeste Britânico, é hoje a região mais pobre de toda a Inglaterra. A pobreza, no entanto, não é nova na Cornualha. Fruto da instabilidade dos mercados de minério, o fecho inesperado das minas provocava despedimentos em massa por toda a região. Não era fácil ser mineiro na altura, o mesmo não se pode dizer de ser patrão, papel que os jogadores desempenharão no jogo. Através do investimento em minas e tecnologias de extracção, vamos conseguindo superar os nossos adversários na quantidade de estanho e cobre que retiramos do subsolo, enquanto nos esforçamos para minimizar os custos de extracção, proporcionais à quantidade de água que vai entrando nas minas.

 

O jogo desenvolve-se durante quatro rondas sucessivas, cada uma delas recheada com várias acções possíveis. Em cada ronda os jogadores dispõem de tempo, mais concretamente dez unidades de tempo. As diferentes acções de desenvolvimento custam diferentes quantidades de tempo. Acrescentar mineiros a uma mina ou melhorar as bombas de drenagem custa uma unidade, construir um porto ou caminho-de-ferro custa duas unidades por exemplo. Estes gastos em desenvolvimentos vão alterando a ordem de jogo de uma forma particular, garantindo que os jogadores que obtêm os melhores desenvolvimentos verão os seus adversários jogar duas ou mais vezes até alcançarem o mesmo gasto de tempo. Numa primeira impressão pode parecer confuso, mas é tudo controlado por uma das muitas tabelas do tabuleiro.

 

 

Para além destas acções de desenvolvimento, os jogadores podem ainda realizar outras acções básicas como construir uma mina numa das regiões do mapa, extrair minério de uma das suas minas ou passar. A construção das minas não é feita de forma arbitrária. Na sua vez, um jogador pode escolher uma região que será alvo de um leilão entre todos, até se encontrar aquele que está disposto a pagar mais por aquela localização. De acordo com um setup inicial, diferente em todas as partidas, existem localizações com maior concentração de estanho e cobre, e menos água a obstruir a extracção.

 

Quando um determinado jogador decide que está na altura de extrair o precioso minério do subsolo, ele escolhe uma das suas minas, avalia a capacidade de extracção (que varia consoante o número de desenvolvimentos que lhe aplicou) e pode retirar da região até esse número de cubos, (laranja para o cobre e brancos para o estanho) pagando por cada cubo o valor igual ao número de cubos azuis, que representam a água dentro da mina, logo, a dificuldade de extracção. Confuso? Aqui está um exemplo:

 

 

O jogador amarelo tem à sua disposição uma mina, um porto e um mineiro, isto garante-lhe uma capacidade de extracção de 4, (2+1+1) logo, ele vai poder extrair os quatro cubos de uma vez, pagando 2£ por cada cubo (o número de cubos de água da região). Sendo assim, porquê apostar nos desenvolvimentos em vez de fazer duas extracções? A verdade é que no final de cada extracção o jogador terá que adicionar um cubo de água à região, tornando a mina muito menos rentável e por vezes inviabilizando a relação custo-benefício que a sua mina pode oferecer, uma vez que os preços do estanho e do cobre muitas vezes não são assim tão apelativos, como podem constatar:

 

 

Há um aspecto a salientar aqui -o carácter cronológico do jogo. De início somos confrontados com os preços tendencialmente altos dos minérios, mas com pouca capacidade de extracção, à medida que o jogo avança, vamos tendo acesso a desenvolvimentos tecnológicos preciosos para as minas, mas nada nos assegura que os preços de venda irão compensar os esforço. Outra das particularidades do jogo é o sistema de investimento externo. No final de cada uma das quatro rondas somos forçados a vender todo o minério que extraímos e depois investir algum do dinheiro ganho. A dificuldade está em decidir quanto dinheiro, uma vez que ronda após ronda a quantidade de pontos de vitória que podemos comprar com 5£ varia, (entre 6 na primeira ronda e 3 na última) mas nunca podemos esquecer o dinheiro que iremos precisar para investir na extracção durante a próxima ronda. Dêem uma vista de olhos à tabela de investimentos:

 

 

A verdade, é que as personagens que interpretamos no jogo eram magnatas incrivelmente vocacionados para o negócio. Este quadro de investimentos representa na realidade a compra de acções na industria metalúrgica em geral. Eles tentavam a todo o custo que os seus metais tivessem a procura adequada para assegurar o escoamento das extracções, e já que tiveram esse trabalho, porque não lucrar com o produto acabado também? Estes pontos de vitória comprados ao longo das quatro rondas, irão determinar no final do jogo o vencedor.

 

Conclusão

 

Tinners’ Trail é um jogo de decisões. Esta localização é boa para uma mina? Até quanto estou disposto a pagar por ela? Em que altura devo extrair? Em qual dos minérios devo apostar? Quantos pontos compro, quanto dinheiro guardo para a próxima ronda? -São perguntas com as quais se vão deparar durante todo o jogo. Se as vão levar mais ou menos a sério é uma escolha vossa, uma vez que o preço dos mercados não pode ser controlado (é decidido no início de cada ronda por um lançamento de dados) e este factor decisivo pode irritar muitos jogadores mais mal-dispostos (o meu caso). O autor refere esta preocupação, porém defende-se com a aplicação do tema, uma vez que a descoberta de depósitos de um determinado minério podia fazer cair o seu preço. Pergunto-me se, uma vez que o jogo inclui uma mecânica de prospecção, não se podia ter aplicado o tema ainda mais a sério, fazendo variar os preços conforme a abundância/escassez dos respectivos minérios no tabuleiro. Não querendo impor-me de forma nenhuma às opções de Sir  Wallace, este pode ser o único entrave para a passagem de um bom jogo a um excelente jogo, uma vez que tantas outras boas mecânicas estão incluídas neste título. Adoro os componentes, a começar pelo artwork da caixa e a terminar nos dados feitos por encomenda. Gosto bastante da quantidade de decisões que podemos tomar e da pitada de leilão que o jogo inclui.

 

Tudo parece encaixar muito bem, fazendo de Tinners’ Trail um dos jogos mais densos jogáveis neste período de tempo. Se gostas de jogos de gestão e de mercados, aconselho-te a experimentares este título, se por outro lado já consideras o Brass “para meninos” é bem provável que te desiludas.

 

Quanto a mim, nem que seja pela sua belíssima caixa, vou continuar a tirá-lo do saco - de outro gajo qualquer. Laughing

 

Tereso

 

 

 

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

Virgem

É a minha primeira contribuição deste género, por isso, qualquer criticismo é muito bem vindo.

Tu agora

andas-lhe a dar nos dados! Tongue out

 

HappyHappyHappyHappy

 

Últimas jogatinas:

Negating the unforeseeable is utterly unrealistic, and scrambling to deal with problems is indeed a game skill.

Criti... quê?

Bem, o meu criticismo é dizer que és um criativo, porque a palavra "criticismo" não existia na língua portuguesa antes de tu a teres usado com tanta mestria -- não no artigo, mas no comentário.

Picuinhices à parte, gostei do artigo porque me ensina um jogo sem que eu tenha que ler as regras: ideal para mim. Se eu jogava o jogo? Claro que sim. Numa ilha deserta, a milhares de milhas de uma cópia de um Race for the Galaxy. Hmmm... mesmo assim, acho que iria tentar fazer um Race com cocos e folhas de palmeira.

Por falar nisso, acho que vou procurar uma review do Twilight Struggle... já volto.

Muito bom!

 Thumbs Up A review está óptima. Directa e sem perder muito tempo com explicações da burocracia das regras.

Dá perfeitamente para ficar com a ideia do que se trata e como se joga, que é o importante, e além disso transmite a sensação do peso das decisões.

Quanto ao jogo em si, não me incomodou o facto de ter dados a determinar o valor de "bolsa" dos minérios. No entanto, abdico de um Tinners' para um Brass sem pensar duas vezes - mas isso são outras histórias!

 

«Mais vale estar calado e julgarem-te um idiota, do que abrir a boca e dissipar todas as dúvidas.»

Herrar é umano.

Muito bem...

Muito boa review.
Concisa e directa aos pontos chave. Com imagens a ilustrar as palavras, enchendo-as de riqueza e informação.
Para uma primeira review, vais com boa pedalada e já estou à espera da próxima :)

Quanto ao jogo: É um jogo engraçado que fica ali a meio caminho entre o family eurogame e o heavy eurogame. Sem profundidade estratégica, sem ser demasiado complexo. Os tons pasteis e os componentes são bons de facto, mas começo a ficar aborrecido com os tabuleiros do wallace, parece um template repetido até à exaustão. Os dados neste jogo não me irritam e acho o jogo bem conseguido e com tema. Parece-me apenas que seja um jogo um pouco seco (apesar da quantidade de agua que tem).

Mais uma vez, parabéns :)

QUal, vai ser a próxima... hummm... Hacienda? :p

 

 

________________________________________________________

"The only way to achieve the impossible is to believe it is possible."
Lewis Carroll in Alice in Wonderland

Boa!

Hehe perguntas se vou ia fazer e dps fazes tu malandro :p

boa review ^^ Star YellowStar YellowStar YellowStar YellowStar Yellow

acho que a devias ter posto era como review e nao post de blog =)

continua ^^

 

---- Latest News ----

It lives!

azelha

Pois, disseste que não e eu decidi fazer. Colocar como review era bom, se eu soubesse fazer isso. Já inserir as imagens foi uma vitória...

lolol :p era em vez de ires

lolol :p

era em vez de ires "O meu blogue" ias a "criar conteudo" e dps review

tão e agora kal é o que se joga a seguir para a proxima review ? ^^ :P

 

---- Latest News ----

It lives!

Boa Tereso

Óptima review. Continua que estás no bom caminho...

 

______________________________________________________________________________

"Astronomy compels the soul to look upwards and leads us from this world to another" - Platão

Parabéns

Depois disto fiquei com vontade de ver o jogo com mais atenção!

Thumbs Up

----------------------------

...Para mim o Sol quando nasce é ... Verde...!

Impecável...

A review está óptima. O jogo também é fixe. Menos revolto que o Brass e mais intuitivo. A coisa dos dados é uma chatice, de facto, mas ultrapassa-se... Será um bocado chato para quem jogar a primeira vez e mal tenta explorar uma região lhe sai... só água, mas as probabilidades de isso acontecer devem ser baixas, não? (Claro que, estando eu metido ao barulho com dados, a lei das probabilidades tira férias...)

Venha a próxima!

-

Gamer profile

gateway económico

Experimentei este na mesma tarde em que experimentei o Brass, por isso perdeu um bocado na comparação.
Acho que é um jogo relativamente leve com uma mistura consistente de várias mecãnicas, mas alguns pormenores menos bem conseguidos em termos de tema.

Mallgur escreveu:

(Claro que, estando eu metido ao barulho com dados, a lei das probabilidades tira férias...)

A lei aplica-se sempre, desde que haja lançamentos suficientes para ela se fazer notar. Isto não acontece no caso do TT, por isso sim, é uma relativa questão de sorte.

Fé...

Rick Danger escreveu:

A lei aplica-se sempre, desde que haja lançamentos suficientes para ela se fazer notar. Isto não acontece no caso do TT, por isso sim, é uma relativa questão de sorte.

Homem de pouca (ou demasiada?) fé...

Laughing

-

Gamer profile

thks

Mallgur escreveu:

Será um bocado chato para quem jogar a primeira vez e mal tenta explorar uma região lhe sai... só água, mas as probabilidades de isso acontecer devem ser baixas, não? 

Estava a referir-me ao lançamento do mercado. Quanto aos da prospecção... azar, esse não me faz confusão. O que me faz confusão é o autor referir eventos que faziam oscilar os mercados, e depois a mecânica ser quase inteiramente aleatória. Mas ele lá sabe.