(Review) Century: The Spice Road

Retrato de goryon

Century: The Spice Road

[Revisão por Márcio Ferreira // goryon]

(offtopic) Esta é a minha primeira revisão que publico.
Não sou propriamente o jogador mais acérrimo que existe e estou longe de igualar o número de jogadas da maioria do pessoal que por aqui passeia. Jogo jogos de tabuleiro (nesta nova era dos jogos modernos) há cerca de 2-3 anos, gosto de jogar quase todo o tipo de jogos, e jogo sempre para ganhar, não que o consiga muitas vezes mas também não me dou por perdido quando sou derrotado! ;)

Introdução

O tema deste jogo é sermos comerciantes de especiarias (cubos coloridos) que temos de colher/transformar/produzir para as vender em determinadas quantidades e combinações (demanda) para obter pontos de vitória.

 

Setup Inicial

1. Duas fileiras de cartas: 5x Demanda (trocar especiarias por Pontos de Vitória) e 6x Mercado (permitem adquirir ou transformar especiarias), seguidas dos seus respectivos baralhos com as restantes cartas;

2. Junto à 1ª e 2ª cartas de Demanda colocam-se as moedas de ouro e prata, respectivamente;

3. Agrupam-se as especiarias (cubos) por ordem de valor Gengibre (Amarelo), Açafrão (Vermelho), Cardamomo (Verde) e Canela (Castanho)

4. Cada jogador recebe especiarias sende que do 2ª em diante recebem mais;

5. Cada jogador recebe 2 cartas inicias, predefinidas e iguais entre todos.

Jogando

Na sua vez o jogador pode fazer uma de 4 acções possíveis:

  1. Pegar numa carta de Mercado para a mão
  2. Jogar uma carta de mercado que tenha na mão, realizando o seu efeito - as cartas jogadas ficam na mesa.
  3. Trocar especiarias por uma carta de Demanda (e ganhar os VPs)
  4. Descansar (pegar todas as cartas que jogou, de volta para a mão)

As fileiras de cartas são imediatamente preenchidas dos respectivos baralhos com o decorrer do jogo.

 E isto desenrola-se até que algum jogador tenha 5 cartas de Demanda (VPs). Termina-se a ronda e contam-se os pontos.

Twist: Ao pegar as cartas das fileiras são beneficiadas as que estão em primeiro na fila, no caso das cartas VP, há umas moedinhas (Ouro/Prata) que valem +3/+1 VP no final, e no caso do Mercado tem que se colocar 1 cubo de especiaria em cada carta anterior aquela que se vai pegar. Isto valoriza as cartas que estão em jogo há mais tempo. 

 

Dados técnicos:

Jogadores: 2 - 5
Tempo de jogo: 30 - 45 min
Idade: 8+
Complexidade: Média-Baixa
Ano de Lançamento: 2017

 

 

Opinião

É um jogo fácil de ensinar/aprender, consegue ser um "brain burner" se for para “jogar a sério”; joga-se rapidinho (~20 min) e há pouco tempo morto pois cada jogador tem poucas opções que já podem estar planeadas quando chega a nossa vez. Há uma boa dose de interacção entre jogadores, mesmo quando vamos pegar a primeira carta de demanda e receber 3VP extra acontece que a carta seguinte vai ocupar essa posição e fica agora mais apetitosa para os outros jogadores.

O tema é algo que a dada altura no abstraimos, pois facilmente começamos a tratar de transformar e vender cubinhos sem sequer pensar que são especiarias. Tanto é que foi lançado o mesmo jogo mas com um tema diferente em que muda apenas o grafismo e os cubos são substituídos por gemas/cristais... (esta era segundo li, de facto a sua versão original).

Ainda assim é um jogo que vou manter cá por casa pois como é rápido a ensinar e jogar vai bem à mesa. Além disso está prevista uma trilogia nesta séria em que os jogo podem ser combinados para aumentar a complexidade e variedade.

SPLENDOR^3 (*Splendor ao cubo) - Opinião Extra

Este jogo tem sido muito comparado ao Splendor, honestamente acho que a única semelhança é o desperdício de espaço na caixa, (ou melhor mais Ar sem custo extra), as cartas em tamanho Tarot são fixes, mas... a informação é iconográfica e usa apenas cerca de 2cm no canto esquerdo o resto é paisagem – se bem algumas são bonitas, sim a arte/design do jogo é top.

As mecânicas de transformação de recursos são completamente diferentes (do Splendor), já que aqui (no Century:TSR) vamos fazendo deck-building, em vez de irmos aumentando a produção de turno para turno com a aquisição das cartas de minas (no Splendor). Ainda comparando com o Splendor, eu acho que o Splendor cativou muita gente pelos componentes, jogar com fichas de póquer é fixe, cubinhos... são cubinhos. E como o Splendor se posicionou no lugar em que está será muito difícil este contestar o seu espaço, até porque com o passar do tempo as espectativas do pessoal vão sempre aumentando, quer em termos de jogabilidade/mecanismos como em termos de componentes.

 

Um abraço, e grandes jogatinas,

Márcio

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

century

excelente explicação e review. A repetir

Nada...

Nada mau para primeira review.

O tipo de letra é que difere ao longo da review. (pequeno apontamento).

Parabéns, venham mais.

Dugy escreveu: Nada mau para

Dugy escreveu:

Nada mau para primeira review.
O tipo de letra é que difere ao longo da review. (pequeno apontamento).

Parabéns, venham mais.

De facto o tipo de letra diferente foi intencional, para distinguir as partes de opinião pessoal ;-) talvez só um itálico (sem mudar o tipo de letra) ficasse melhor.

Mas Obrigado pelo comentário!! :-)

Boa !, assim é que é gostei,

Boa !, assim é que é gostei, vamos la dar dinamica a isto , para nao ser só "Classificados"

Parabéns pela iniciativa e

Parabéns pela iniciativa e venham mais reviews.

Aguardamos as próximas

Ainda não tive oportunidade de experimentar o jogo, já tinha visto jogar e pela tua review ficamos com uma boa ideia.

Achei curioso a similaridade que encontraste, de facto para quem vai tendo alguns jogos incomoda um pouco o desproporção das caixas para o conteúdo.

Ficamos à aguardar a próxima review:)