Here I stand

Retrato de PedroV

Ontem jogámos um jogo de Here I Stand, uma mesa com seis jogadores.

Jogámos no novo espaço que temos disponível para jogar jogos de tabuleiro. O Ludoclube. Muito agradável para jogarmos umas longas horas. E uma ludoteca de sonho. http://ludoclube.com/P/ludoteca.cgi
Tem o Here I Stand e a sequela Virgin Queen.

Falemos do Here I Stand.

Este jogo é como um Rolls Royce de coleção.

Adequado para quem aprecia carros/jogos antigos, refinados, mas complexos e cheios de pequenos pormenores "caprichosos".
E que acha todas as novidades "streamlined" do mercado, definitivamente muito menos elegantes e desafiantes.

Antes de começares a viagem, tens mesmo de estudar como tudo funciona. Não, não tem piloto automático. E o manual é difícil de perceber e aprender. Tem mesmo muitas páginas, letra pequena e poucas imagens. É um carro/jogo exigente, não foi feito para dummies. Se não fizeres o trabalho de preparação prévia, nem arrancas da garagem e vais dizer que o carro/jogo é uma porcaria. Não funciona!
Quando a verdade, talvez seja que não estiveste a altura da exigência da tarefa.

É para quem gosta de viajar/jogar a apreciar o ambiente com todas as suas minudências, calmamente e com muito tempo. Apreciar aquela particularidade histórica que ainda não sabias. Reparar naquela estória que nunca tinhas ouvido antes.
E não para quem quer chegar rápido a muitos sítios e fazer muitas coisas em pouco tempo. E passar estupidamente pela espuma do que está no topo da onda da moda do momento.

Para quem gosta de conversar, socializar e mesmo intrigar, no banco de trás/mesa de jogo. Num espaço amplo que leva muitas pessoas, numa longa, confortável e lenta viagem.

Deve ser jogado por quem aceita a tragédia/comédia da vida com a bonomia de um velho british lord.
Nós planeamos tudo ao detalhe, mas no fim os deuses/dados é que determinam o sucesso ou insucesso final de tudo.
Afinal, este é um jogo sobre as guerras religiosas na Europa do século XVI.

Mas, apesar dessa suposta aleatoriedade, quem ganha o jogo é aquele jogador que tomou as melhores decisões durante todos os turnos e que aproveitou as melhores oportunidades (não, não ganhei este jogo!).
E não um chico-esperto qualquer que ganhou uns milhões no Casino, num lance estúpido de segundos. Dá trabalho e é preciso planear muito para se ter sorte no Here I Stand. E todos na mesa, no final, o reconhecem.

Para terminar, para começares a viagem/jogo tens mesmo que ter o cuidado de convidar as pessoas certas, aquelas que achas que possam partilhar do teu espírito de passeio/jogo. Uma viagem/jogo rápidos com pessoas desinteressantes tolera-se, já uma de um dia inteiro é terrivelmente insuportável.

O Here I Stand é um jogo que proporciona uma experiência lúdica de quase roleplay. Os jogadores devem imergir totalmente no tema, que está excepcionalmente integrado nas mecânicas e nas cartas, e também no papel de líderes das principais potências da Europa do século XVI: O Sulleyman, Otomano; Francis I, da França; Henry VIII, de Inglaterra; Charles I/V, o Habsburgo; o Papa católico em Roma; e o Luther, protestante.

Concluindo, gostei muito do jogo e a mesa foi mesmo espectacular. Quero muito rejogá-lo. Brevemente, se possível.
Foi a primeira vez que o joguei e o jogo deu-me tudo aquilo que esperava dele.

Boas jogas para todos.

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

..um resumo

um resumo visto de Roma

começar pelas 15:30, acabar pelas 00 com pausa para jantar

Protestantes distribuem flyers pela alemanha

Ingleses levam na boca dos escoceses, depois vão a França pedir explicações (por terem incentivado os escoceses) e levam na boca dos Franceses

Os franceses jogam ao carcassone e fazem muitos castelos, mas não se preocupam em defender os mesmos; os Habsburgos dizem "thanks" (em umas 8 linguas diferentes, excepto a inglesa) e apanham 2 ou 3

Os Otomanos andam a piratear no mediterrâneo e assustam os habsburgos com uma visita a viena

O papa fica por itália, e lá consegue queimar 1 protestante (infelizmente não foi o luther), na ultima reviravolta do jogo os seus aliados em génova passam para o lados dos habsburgos dando a vitória




Ultimas partidas:

um resumo visto dos

um resumo visto dos Eleitorados do Sacro Império Romano

começar pelas 15:30, acabar pelas 00 com pausa para jantar.

Os Cristãos Romanos espreitam em cada esquina. Alguma coisa está a borbulhar na Europa Ocidental.

Eis que aparece o grande Martinho Lutero e suas 95 Teses, pregadas com valor e coragem à porta da igreja. Roma apercebe-se e é rápida a contrariar a sede de conhecimento que o povo clama. Mas foi tarde demais. Antes que se pudesse dizer "here I stand", já quatro dos seis Eleitorados tinham sido convertidos. 

Na Península Ibérica os Corsários Otomanos mantêm as Dinastias de Hapsburgo ocupadas enquanto Viena é convertida ao Protestantismo. 

Zwiliger é queimado em praça pública e Lutero é excomungado, mas a Obra não cede: a expansão para França começa com a ajuda de João Calvino, com promessas de uma Inglaterra Protestante no horizonte: Eduardo VIII divorcia-se de Catarina de Aragão e renuncía a Igreja, Tomás de Cranmer é feito Arcebispo da Cantuária.

Mas correm notícias de longe que para todo o esforço dos Otomanos, são os Hapsburgos que tomaram o controlo da Europa pelas sombras.

Mas acho que estás a

Mas acho que estás a sobrevalorizar a vitória do Luca. 

Não digo que ele não ganhasse na mesma, mas a razão pela qual ele ganhou desta vez (para além de jogar bem) é porque absolutamente ninguém estava atento a vitórias automáticas (ainda estávamos todos preocupados em perceber como é que o jogo funciona). Tanto que esse sentimento se traduziu no anti-climax de que fala o Sequeira.

Basta ver que o João lançou 8 dados sem um único sucesso, contra 3 dados (já não me lembro de quem) com dois sucessos. Por muita estratégia que ele tivesse, isso arruinou-lhe o turno completamente.

A mim, não me saiu uma única carta no jogo inteiro que afectasse os Protestantes, ou sequer a Religião, o que levou a turnos muito repetitivos e pouco produtivos.

Mas pronto, já tivémos esta discussão e achei o jogo interessante o suficiente para jogar outra vez. Tem é de ser em breve para ter as regras todas frescas.

Rant Here I Stand session parte II

Então o Henrique VIII, nesse momento, católico, anda a cheirar as saias da Ana Bolena e a trair a sua legítima esposa, a muy piedosa Catarina de Aragão e a intrigar para
pedir um divórcio imoral e ilegítimo à Santa Sé e quer que deus lhe dê sorte? Os guerreiros devem se pôr muito bem com os deuses antes de partirem para a guerra...☺

O Habsburgo jogou muito bem.
Num impulso ganhou 3 keys. Isso não é nada fácil e exigiu planeamento e sentido de oportunidade.

Fez Sue for peace na Diplomacy phase com o Otomano, e com isso retomou o key de Sevilha que estava conquistado. Esta e Gibraltar estavam na mãos dos Otomanos.

Depois conquistou um key em França que estava totalmente desprotegido. O "Roi" Francis I, como real Patrono das Artes, estava mais preocupado com a estética dos seus novos belos castelos do Loire e de Carcassonne, do que em construir defesas eficientes.

E, o golpe final, jogou a carta do Andrea Doria, que ativou Génova como aliada dos Habsburgos e o último key deles, para a autowin, por military victory.

PedroV

um resumo visto de

um resumo visto de Valladolid/Vienna ...

a Franca como territorio de conquista e um bom vinho de Bordeaux para comecar a noite. Mas logo e` para ir apoiar os amigos Hungaros invadidos pelos infeies ... 

trabalhar com aquele Papa e` difficil ... nao esforsa-se muito com a controreforma e deixa divorciar o Henry e a minha tia Catarina !!!

As exploracoes nao prestam o investimento ... e os piratas estao a fazer-me perder a pacienca !

Ainda bem que o Francis nao se importa que tiro-lhe mais um castelo e que tenho Andrea Doria do meu lado ... 

De qualquer modo acho que nao joguei muito bem nao ... fiz errors bastante graves, consegui sim aproveitar da vossa inexsperienca toda. Reparei que havia varias keys muito pouco protegidas e, com Andrea Doria na mao desde o comeco de III turno, tentei a minha sorte.

Para acaso consegui perceber bastante melhor alguns aspectos do jogo, pois jogar com o Haspurg e` bastante mais complicado e "abrangente" ... gostei e quero repetir, LisboaCON ?!?!

Sample of my collection, wanna play ?

dorakeen escreveu: gostei e

dorakeen escreveu:

gostei e quero repetir, LisboaCON ?!?!

Eu alinho que ainda quero testar esse teu truque das keys (se bem que os coitados dos protestantes não têm grande hipótese política! Já religiosa.......