Fevereiro... os jogos que joguei nos encontros do GBP.

Retrato de Mallgur

Torna-se difícil manter um blog actualizado quando se inicia um novo trabalho, principalmente numa empresa em que se tem a constante impressão de ser vigiado. Por isso não tenho podido acompanhar as sessões do Grupo de Boardgamers do Porto (GBP) com entradas neste blog.

Resolvi então optar por um formato diferente e falar aqui um pouco dos vários jogos que joguei neste mês nos encontros em que participei.

Pude experimentar algumas coisas novas e acho que será mais interessante começar por essas.

Witche's Brew (jogado 2 vezes)

Foi uma agradável confirmação descobrir que este jogo, enganadoramente simples, funciona muito bem e que a mecânica de escolha de papeis que podem ser "roubados" dá uma dinâmica muito interessante ao jogo.

Resumidamente o que se passa é que cada jogador escolhe cinco papéis, de entre doze, que lhe darão acesso a recursos e habilidades de duas formas. Se for o único a escolher esse papel ou ninguém lho roubar, o jogador usará a versão mais poderosa do papel e obterá mais recursos/vantagens. Se for um dos seguintes ao primeiro jogador e tiver escolhido um papel igual ao primeiro, tem duas opções, ou opta pela versão mais fraca e recebe logo os recursos/vantagens ou então tenta roubar o papel fazendo assim com que o jogador que escolhera anteriormente perca qualquer hipótese de usufruir do mesmo mas passa a correr o risco que alguém lhe faça o mesmo e fique também sem nada. Isto faz com que ser o primeiro a declarar um papel seja, efectivamente, uma grande desvantagem e ser o último uma excelente posição.

Assim, os vários jogadores vão tentando adivinhar quais os papéis que cada um vai escolher para tentarem maximizar as suas hipóteses de recolher mais vantagens.

O tema de bruxas e feiticeiros resulta bem, com os recursos a serem Sangue de Lobo, Veneno de Cobra e Essência de Ervas para serem usados na elaboração de feitiços e poções que dão os pontos no final do jogo.

Uma compra de que não me arrependo nada, mesmo tendo em conta uma ligeira dependência da língua que se ultrapassa com folhas de apoio e ao fim de três ou quatro rondas já nem se nota.

Glory to Rome (jogado 4 vezes)

Mais uma compra sem experimentar o jogo e decidida graças a várias reviews no BGG.

Este jogo é normalmente comparado ao Race for the Galaxy e ao San Juan. Quanto ao primeiro, nunca o joguei e portanto não sei se a comparação é válida ou não. Em relação ao segundo, só se pode encontrar semelhança no facto de as cartas servirem para representar várias coisas.

De facto, as cartas poderem ser edifícios, materiais de construção, personagens, pontos de vitória (dinheiro) e ainda poderem ter funções e habilidades específicas, confere a este jogo uma certa sensação de confusão e sobrecarga.

Joguei-o com vários jogadores experientes, alguns dos quais já familiarizados com o San Juan, e fico com a ideia que a quantidade de opções e decisões é realmente um pouco avassaladora nas primeiras partidas. Depois vai-se tornando algo menos confuso, algumas particularidades tornam-se claras e começamos a descobrir um jogo deveras interessante que oferece decisões e possibilidades estratégicas muito engraçadas.

Roma (jogado 7 vezes)

Este foi o jogo que mais joguei durante o mês. O facto de a Cat Ballou gostar de o jogar ajudou bastante a que tal acontecesse.

É um jogo interessante para dois. Apesar da presença de dados e cartas e ambos serem determinantes para o jogo, não é tão dependente da sorte como pode parecer. Às vezes há jogos que correm muito mal num factor ou noutro, mas como também não é muito demorado, pode-se jogar uma nova partida para equilibrar.

Nas primeiras partidas perdi sempre e acabámos por nos aperceber que o personagem do Mercador é demasiado forte. A estratégia de tentar recolher o Mercador do baralho o mais rápido possível para depois acumular dinheiro e usar o personagem para comprar todos os pontos de vitória ao adversário (perde-se ficando sem pontos de vitória) de uma vez só é muito poderosa.

Nas partidas seguintes usámos uma variante sugerida pelo designer que limita a compra a seis pontos de cada vez o que dará a possibilidade ao outro jogador de tentar eliminar o Mercador. Nesta variante torna-se um  jogo mais demorado mas mais satisfatório e equilibrado. Creio qur foi mais uma boa aquisição.

Vinci (jogado 1 vez)

Este joguei no encontro mensal. Trata-se da versão original daquele que vai ser publicado pela Days of Wonder com o título Small World.

É um bom jogo. A temática de civilizações que crescem e entram em declínio e a gestão de cada um desses momentos pelos jogadores que controlam essa civilização é muito interessante. As possibilidades de combinações de civilização são muitas e garantem variedade.

Depois de ter experimentado este, vou andar atento ao Small World pois poderá ser uma boa aposta para o futuro.

Jogo do Pau (protótipo do RickDanger jogado 3 vezes)

Este protótipo do Rick está engraçado. Confesso que a mecânica me fez alguma confusão ao início, mas creio que na terceira partida já sabia mais ou menos o que andava a fazer. Para resultar melhor, creio que precisa de alguns ajustes que permitam que as mecânicas pareçam mais adequadas ao tema, mas está aqui uma interessante perspectiva para um jogo de combate.

Talisman (jogado 1 vez, incompleto)

Nem tudo foi bom em termos de jogos nestes encontros. Algo raro... felizmente.

Este já clássico é, para mim, muito muito fraco. Sei que não estou sozinho nesta opinião porque o jogo ficou incompleto por decisão dos jogadores... estávamos fartos daquilo.

Se querem que vos diga um pouco a bricar, mas pouco, e correndo o risco de ser polémico, entre jogar Talisman, Jogo da Glória, Snakes & Ladders e Monopólio, a decisão é fácil... Snakes & Ladders porque, provavelmente é o que termina mais rápido.

 

E pronto, estes foram os jogos que nunca tinha jogado antes nos encontros. Tive oportunidade de voltar a alguns títulos já experimentados antes, nomeadamente:

Battlestar Galactica (jogado 1 vez)

Esta foi a segunda vez que o joguei e já gostei mais.

Manoeuvre (jogado 1 vez)

Sempre bom. Não há muito mais a dizer.

St. Petersburg (jogado 2 vezes)

Este já havia algum tempo que o não jogava e foi muito bom voltar a experimentá-lo. Pude mostrar a alguns jogadores que nunca o tinham jogado, apesar de já andarem por aqui há algum tempo. Ainda não pude usar as minhas expansões, mas creio que terei interessados nisso para breve.

Bang! (jogado 2 vezes)

Outro que já não jogava há algum tempo. Aproveitei a presença de gente nova para voltar ao velho oeste e mostrar como pode ser divertido andar aos tiros!

Hey! That's my fish! (joagdo 1 vez)

Outra demonstração a gente nova. Sempre divertido.

Blue Moon (jogado 1 vez)

Mais um regresso com saudade. Desta vez aproveitei algumas dúvidas do xpto para jogar uma partida de Blue Moon.

Maharaja: Palace Building in India (jogado 1 vez)

Foi este que substituiu o Talisman. Sem dúvida melhor e, apesar de só eu conhecer o jogo, foi renhido e envolvente para todos e decidido pelo último critério de desempate. Gostava também de não deixar tanto tempo entre partidas deste.

 

Creio que não ficou nada por contar. Fiz outras jogatinas no mês, num total de 29. Nada mau para um mês com 28 dias...

Espero que este novo formato dos meus relatos vos tenha agradado. Por enquanto não devo poder fazer coisas muito mais regulares, mas a ver vamos.

Abraços e até à próxima.