Voltei da Semana dos RPGs

Como de costume, o Sr. JMendes organizou mais uma semana de RPGs que tenta ocorrer todos os anos por volta desta altura. A ideia é concentrar um punhado de pessoas num local semi-remoto, encher esse local com jogos de RP que nunca ninguém tenha jogado ou que tenha uma grande vontade de voltar a jogar e passar uma semana inteira a não fazer mais nada que não seja jogar, a ideia é descobrir novas coisas, por isso o que vai para a Semana do RPG fica na semana do RPG, ou seja, jogos que se jogavam regularmente não são para ser jogados lá e jogos que são começados lá não vão ser continuados depois (a não ser talvez na próxima edição da Semana).

E foi exactamente isso que ocorreu entre os passados dias 6 a 17 de Maio. Os participantes foram eu, o Sr. JMendes (como seria expectável), a Sra. Ana Carrilho e o Sr. B0rg.

Normalmente o "local semi-remoto" costuma ser nas Caldas da Rainha, contudo por motivos fora do nosso controle este ano fomos para Chinicato, uma bela terra (suponho) ao pé de Lagos.

Os jogos levados foram Dust Devils, Mortal Coil, PrimeTime Adventures, Sorcerer, Spirit Of The Century e The Mountain Witch.

O formato que tentámos adoptar foi jogar duas vezes por dia, com PTA à tarde (tendo feito uma época em 6 dias, que começou no sábado dia 9) e depois um outro jogo à noite depois do jantar, tirando no último sábado e domingo em que fizemos uma maratona de Sorcerer.

Dos jogos que levámos apenas não chegámos a tocar no The Mountain Witch, visto o criador recomendar que o grupo tenha 4 jogadores mais 1 GM e nós tínhamos só 3 jogadores. Contudo do que li do livro (visto ler livros de RPG ser o que o pessoal fazia nos intervalos, é temático) não fiquei muito impressionado. Para quem não sabe o jogo é sobre um grupo de Ronin que se encontra no sopé do Monte Fuji com a missão de eliminar *rolem os tambores* *momento crescente de suspense* a/o Mountain Witch, O-Yamma.

Este é o contexto onde decorre a acção, o jogo em si é depois sobre a confiança que cada PC tem para com outro PC e a luta interior de cada um contra os seus demónios. Isto é feito através de uma mecânica chamada Trust, onde cada jogador vai atribuindo um número de pontos de confiança ao PC de outro e também vai recebendo de outros, estes pontos são depois usados para ajudar a acção de outro PC, comprar direitos narrativos de uma cena ou para trair outro PC (dando uma vantagem mecânica ao traidor). Para além disso cada jogador vai receber no início do jogo uma carta secreta com o seu Dark Fate, nesta carta está escrito algo que só o jogador sabe e que foi o que o realmente trouxe para a montanha, exemplos: uma paixão secreta por outro PC, um favor que deve a O-Yamma, etc. este depois vai sendo revelado durante o jogo e vai sendo usado para criar tensão entre o grupo.

O que não gostei no jogo - tudo o que eu vou dizer a seguir tem a salvaguarda de ser a minha impressão pós-leitura, é provável que toda esta minha opinião mude depois de jogar - é que o Dark Fate não tem qualquer implicação mecânica no jogo, ou seja, mesmo que o jogador se importe com o dito não consegue fazer grande coisa com ele, é apenas um pedaço de ficção que anda ali pelo ar e que não acho que traga um grande significado ao jogo. Para além disso o sistema de resolução pareceu-me algo pobre, cada jogador envolvido num conflito rola 1d6 (única e exclusivamente, as habilidades existem só para dar cor e não têm efeitos mecânicos) e depois compara o valor (que pode ser alterado usando as mecânicas de ajuda e traição do trust) com o do GM ou outro PC, a diferença de valores dá ao vencedor diferentes graus liberdades para descrever como é que a situação é resolvida. Eu percebo que a intenção do criador seja focar o jogo apenas na confiança e traição entre os PCs, mas esta mecânica faz-me lembrar o InSpecters onde cada jogador também rola (de maneira diferente) para ver como é que vai narrar a resolução da situação e depois a parte da imaginação negociada vai ficando um bocado para trás e passa a ser um jogo de ver quem é que vai narrar agora, mas é a jogar para ver pois também consigo ver como o PTA seja semelhante em filosofia e a coisa resulta muito bem.

Num saldo mais positivo o livro tem ilustrações a cores (para quem se importa), o que nem sempre é comum, e trás ao longo do livro muita informação histórica e mitologia do Japão da altura do jogo, especialmente sobre Samurais e Castelos, bem como (o que acho ser) uma boa lista de referências (urls, filmes, livros, etc.) sobre estes temas para quem os queira explorar mais (eu vou, o jogo passou o gosto).

Como só consegui aparecer para jogar no Sábado dia 9, acabei por não jogar Spirit Of The Century, que foi jogado entretanto pelo resto do pessoal que foi mais cedo (dia 6), acho que o B0rg não ficou muito emocionado com a coisa e o JMendes ficou com o gosto e é capaz de voltar a experimentar.

Irei postar neste blogue, em várias entradas, a minha opinião sobre os jogos que jogámos e como as coisas correram em cada um. Mas deixo já a minha opinião geral sobre o evento.

Curtido! Uma semana inteira a jogar coisas novas e onde a preocupação mais stressante é saber se vai haver pão para absorver o molho que a Sra. Ana metia nas suas magnificas refeições, é mesmo o que um gajo precisa para arejar a cabeça e mergulhar a fundo nas possibilidades que este hobby nos trás com maneiras de jogar e jogos diferentes, convém também que seja com pessoal assim porreiro, como foi o caso, para irmos descontraindo e estarmos na palhaçada nos intervalos dos jogos, bem como para assistir a fascinantes discussões de filosofia, religião, RPG, culinário e o eterno confronto entre os hábitos caseiros/de vida masculinos e femininos.

No geral gostei imenso, trouxe para cá algumas ideias mais concretas sobre RPG no geral e alguns jogos no particular que irei estar a mastigar nos próximos dias. Espero que para o ano haja mais.

Entretanto vou pondo a minha leitura do Portal em dia, até à data já consegui limpar os cerca de 40 mails que recebi só à conta dos grupos, jovens arranjem uma vida!

 

EDIT:

Quem quiser acompanhar os resultados deste eventos sobre outros pontos de vista:
Blogue do Sr. JMendes: Lisbon Gamer
Blogue da Sra. Ana: Geek By Proxy

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

A única coisa que me

A única coisa que me chateou mais em spirit of the century foi o quão crunchy aquilo acabou por ser.

Os aspects são, para mim, o tesouro do jogo. De qq forma o tom do jogo e o setting estão muita bem criados.

Acho que o meu prob foi que tinha uma expectativa e quando comecei a perceber q ia dar bue trabalho criar a oposição para os pc's aquilo começou-me a aborrecer uma beca.

[B0rg]
We r all as one!!
We are The Borg. We are Eternal. We will return. Resistance is Futile...

If freedom is outlawed, only outlaws will have freedom.

LOL, demasiado crunchy para

LOL, demasiado crunchy para El B0rg?

What's the world coming to these days... pensava que gostavas de regras cheias de detalhe, eheh.

Depende bue do jogo e das

Depende bue do jogo e das expectativas que ele cria!

E ja agora, crunchy != detalhe!

[B0rg]
We r all as one!!
We are The Borg. We are Eternal. We will return. Resistance is Futile...

If freedom is outlawed, only outlaws will have freedom.

crunchy?

B0rg escreveu:
E ja agora, crunchy != detalhe!

Então o que é que entendes por crunchy? É que, de facto, não percebi o significado da expressão.

--- Sérgio Draconus Dictum - Roleplay, diários de campanha, comentários e não só.

crunchie goodness

smpb escreveu:
B0rg escreveu:
E ja agora, crunchy != detalhe

Então o que é que entendes por crunchy? É que, de facto, não percebi o significado da expressão.

Acho que crunchy tem mais a ver com o "peso" das regras em si, a quantidade de coisas que tens que ler, absorver e experimentar até entrares na lógica do jogo. Isso não tem necessariamente a ver com o nível de detalhe ao qual queres chegar.

Claro que, melhor do que eu, o B0rg pode nos explicar o que quer dizer com "detalhe". 

Listas de cenas para

Listas de cenas para escolher em que cada escolha tem o potencial de afectar futuras escolhas ou ser afectada por escolhas anteriores, seja pq afecta a forma como outras opções funcionam ou pq a forma como vai funcionar é afectada ou depende de opções que podem ter sido escolhidas previamente.

Coisas como pre-requisitos para se apanhar uma determinada opção ou opções que alteram a forma como outras funcionam, etc.

[B0rg]
We r all as one!!
We are The Borg. We are Eternal. We will return. Resistance is Futile...

If freedom is outlawed, only outlaws will have freedom.

LOL, e em que é que isso

LOL, e em que é que isso não é detalhe? São regras "detalhadas"! ;)

Dude

Podes dizer que tudo o que é crunchy é detalhado, coisa que eu talvez diga que é verdade na prática mas pense que é possível tal não acontecer, mas dizer que tudo o que é detalhado tem de ser crunchy tá bue longe da verdade!

[B0rg]
We r all as one!!
We are The Borg. We are Eternal. We will return. Resistance is Futile...

If freedom is outlawed, only outlaws will have freedom.

ai que inveja :)

Do que vejo ser discutido por aí, até dizem que o Spirit of the Century é levezinho. Quer dizer que é fácil de entrar no esquema para os jogadores, mas é pesado para o mestre-jogo?

Ah, e acho muito bem que falem sobre essas mega-sessões, mas metam isso a público, não só aqui no grupo, faz favor :) 

Rick Danger escreveu: Ah,

Rick Danger escreveu:
Ah, e acho muito bem que falem sobre essas mega-sessões, mas metam isso a público, não só aqui no grupo, faz favor :)

Mas isto é público e bem público, sim senhor. É um post de blogue como qualquer outro, mas é um que também faz parte do grupo... essa última parte é que se calhar não faz muito sentido que não tem interesse particular para o grupo, de modo que vou passá-lo lá para fora.

Pois, isso foi erro meu, vi

Pois, isso foi erro meu, vi uma coisa gira no fim da página de publicação chamada "Audiência", carreguei numa das opções, entrei em pânico quando reparei que não dava para des-seleccionar e acabei por escolher os Indios porque era o minimamente mais apropriado, do mal o menos hehe. 

"the drunks of the Red-Piss Legion refuse to be vanquished"

Só os administradores é

Só os administradores é que vêm essa janelinha, e com grande poder vem grande responsabilidade... decisões difíceis... narrativismo e tal, yeah baby! :)

Eheh, também fiquei na dúvida durante um bocado a pensar como des-selecionar a cena; é tão simples como fazer Shift + right click, ou CTRL + right click sobre a opção selecionada.