Call of Cthulhu-Escuridão-Bruno

OOC: Dada a natureza específica da tua personagem, vou usar uma linguagem um pouco diferente. Se tiveres problemas com isso, podes dizer que eu altero e faço auto-censura

 

Huum, your so pretty

Not to talk with you would be a crime

Let put my arms around you

Let's go to use a little of your time

Estás a ouvir a canção "Baby baby"dos vibrators enquanto olhas para o decote da Tânia à tua frente. Ela também está de castigo na biblioteca como tu, mas não te liga nenhuma: consta que já foi comida por metade dos rapazes do 10º e 11º, só que tu aindas estás no 7º e ela no 8º; aí está uma boa razão para passar. Quem está a vigiar é a stora Margarida como substituta; se fosse como sempre a velha maluca da stora Albertina não te deixava estar com o mp3 ligado. E ainda está um bando de tótós a marrar voluntariamente na biblioteca. Que seca, e ainda são 17h58. Do bando de tótós, vês uma chavala (uma gaija sem graça e sem mamas), a Matilde a dizer-te qualquer coisa, e deduzes que seja para baixar o son. 

 

 

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

Olho para a Matilde e

Olho para a Matilde e esboço-lhe um sorriso escarninho à medida que aumento o volume da música. Os meus lábios abrem-se teatralmente e a minha voz enrouquecida entoa o refrão, alto e bom som:

"Baby baby baby,
Baby baby baby,
Baby baby baby,
Won't you be my girl..."

OOC: sem problema nenhum quanto à linguagem.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Ela diz qualquer coisa que

Ela diz qualquer coisa que deve ser do género "parvalhão". A prof faz de conta que não ouviu nada. A Tânia finalmente sorri e inclina-se ligeiramente  para a frente mostrando mais do que decote e o seu conteúdo:

Aah, your eyes are so pretty,
And the clothes you wear they're so fine.
Hey won't you come round to my place
Just wanna use up a little of your time. 
 

Quando estás quase a ver a luz apaga-se.

Puta de azar! 

Ouves o putos a gritar histericamente na escola como é costume quando falta a luz.

-Meninos não saiam dos vossos lugares, eu vou ver o que se passa- diz a stora.

-Sim, senhora professora!-dizem os tótós.

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Dirijo-me à Tânia, para

Dirijo-me à Tânia, para aproveitar a escuridão e soprar-lhe umas palavras ao ouvido, perto do pescoço, esperando que a minha visão se adapte ao escuro rapidamente:

- Agora que a luz foi abaixo, porque é que não vamos nós para baixo... da mesa?...

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

-Agora? Aqui? Tá bem!-

-Agora? Aqui? Tá bem!- Dito isto ela escorrega para debaixo da mesa. Entretanto vês as luzes dos telemóveis dos tótós a acenderem-se. E claro, a nojentinha da Matilde tinha de perguntar:

-Onde está a outra rapariga?

 

Entretanto a gritaria continua, e percebes que os alunos dos andares de baixo (a biblioteca está no 2º piso) estão a sair das salas.  

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Não há tempo para me

Não há tempo para me preocupar com isso. Devo aproveitar o "brinde" que a Tânia me está a dar. Embora o berreiro dos putos já me esteja a fazer um certo chinfrim nos ouvidos.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Bem, vocês estão a

Bem, vocês estão a beijar-se e a acariciar-se, mostrando ela que a sua reputação é merecida, enquanto a Matilde e os outros tótos estão a falar. De repente faz-se um silêncio na escola que dura uns segundos (que alivio!), recomeçando a gritaria, ainda mais alto.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1495234/ 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Descolo-me finalmente da

Descolo-me finalmente da Tânia, enquanto os meus braços envolvem ainda os seus ombros, como que impulsionados por um instinto protector:

- Que p*ta de cena é esta, man??? Chegou o cabrão do Bin Laden à escola ou quê?

E, pensando de mim para mim:

"A gaja de certeza que apanhou um cagaço do carago. Tá tensa, pá!" 

 

OOC: às vezes tenho medo de poder estar a mexer nas tuas peças; neste caso, foi apenas impressão do Bruno achar que a tipa tá tensa. Quando estiver a mexer nas tuas peças, queixa-te! Wink

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

-Fo**sse! Estás com medo

-Fo**sse! Estás com medo do escuro ou quê?- E enfia-te a língua dentro da boca.

Entretanto ouves pessoal a correr e a gritar.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1495266/ 

Entretanto os gritos e correria em baixo terminam. Ouves alguns gritos no vosso corredor, que duram pouco tempo. Até que está tudo finalmente em silêncio e só ouves os tótós a falar entre si e a soluçar meios histéricos. A Tânia diz-te a rir:

-Até que enfim se calaram! Só falta estes chavalos se calarem pra tar tudo perfeito.

Ela recomeça.

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Não resisto ao ritmo

Não resisto ao ritmo libidinoso da Tânia e deixo-me embrenhar no seu enlevo, fechando os olhos e atrevendo-me a explorar os seus sítios mais recônditos. A minha respiração torna-se mais intensa e busco uma posição que nos deixe a ambos confortáveis debaixo da mesa.

"Chissa", penso, "o que eu perdia se nunca papasse esta gaja." 

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

De repente ouves um enorme

De repente ouves um enorme grito dentro da sala seguido de um pequeno estrondo, como de uma queda. 

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Paro por um instante, ao

Paro por um instante, ao mesmo tempo que meto o indicador à frente da boca da Tânia. Sussurro o mais baixo possível:

- Diz-me que ouviste o mesmo do que eu... 

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

-Sim, ouvi. Vocês ouvem

-Sim, ouvi.

Vocês ouvem depois os outros tótós a dizer:

 -Matilde estás bem?

-O que é que te eaconteceu?

-Meu Deus o que é isto? Eles estão todos...

-Não pode ser!

-Mas o que é que está a acontecer?

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Espreito por cima da mesa,

Espreito por cima da mesa, enquanto subo o tom de voz para os totós:

- Tá tudo bem, por aí, putos? 

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Um deles responde-te com

Um deles responde-te com voz chocada:

-Está tudo morto!

 -O puto passou-se?-Pergunta a Tânia, e dizendo isto ela veste o top novamente, e sai de debaixo da mesa.

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Os tótós

Os Tótós 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Tânia

 Tânia

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Esfrego os olhos com as

Esfrego os olhos com as palmas das mãos, levando-as até à crista do cabelo, incrédulo: 

- F*da-se! Ainda não fumei nada hoje, e nem com broas tive uma tripe destas!

Notando que a Tânia se está a levantar, seguro-a pelo ombro, aconselhando-lhe calma. Falo de novo para os totós:

- A stôra Margarida tá aí convosco? 

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

-Não! Ela saiu há bocado

-Não! Ela saiu há bocado e ainda não voltou, mas estão todos mortos lá fora!

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Levanto-me cautelosamente,

Levanto-me cautelosamente, tentando sondar o ambiente.

- Mortos? Mas que raio?... 

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Vês o grupo agachado em

Vês o grupo agachado em volta de uma pessoa no chão (dentro da sala, junto à porta), e um deles está lá fora. A Tânia aproxima-se do grupo e diz:

-Olha, é um dos chavalos, que é que ele tem? 

A Matilde responde:

-Desmaiou quando viu os corpos lá fora, é preciso água para reanimá-lo.

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Decido aproximar-me para

Decido aproximar-me para contemplar o morticínio. 

- Deixem-se estar aqui, eu vou à casa de banho buscar água. Alguém tem uma garrafa para encher?

Aproveito para retirar do bolso o pacote de tabaco e começo a enrolar um cigarro: "se é para morrer hoje, pois bem, que morra satisfeito", penso.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Quando chegas lá fora

Quando chegas lá fora vês montes de pessoal kinado no chão:

http://invisiblecastle.com/roller/view/1500203/

Olhas e percebes que eles tem umas pequenas feridas no corpo, da forma de moedas; as feridas vêm-se nas partes visiveis do corpos (mãos, cara), mas pequenas gotículas de sangue na roupa indica que o resto do corpo deve estar no mesmo estado).

A Matilde diz-te:

-És capaz de fazer isso? Toma uma garrafa, mas sê rápido, não sabemos o que fez isto.

A Tãnia diz:

-Fo**-se, eu é que não saio daqui!  

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Acendo o cigarro, pego na

Acendo o cigarro, pego na garrafa, saio da biblioteca e examino ao pormenor um cadáver ao acaso, visto que as feridas me chamaram a atenção.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Para além de estar morto e

Para além de estar morto e ter as tais feridas, não reparas em mais nada.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1501241/ 

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Dirijo-me à casa de banho,

Dirijo-me à casa de banho, meditabundo, sempre olhando de perto os cadáveres.

"Man, onde está o papel e caneta quando sentes inspiração certa para fazer a letra de uma música fixe?"

OOC: Nesse Spot Hidden eu tinha de ter menos de 25% para encontrar alguma coisa, é isso?

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

OOC:Certo Chegas à casa de

OOC:Certo

Chegas à casa de banho sem problemas. Percebes que ainda há pessoal dentro de um par de salas. 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Entro primeiro na casa de

Entro primeiro na casa de banho para encher a garrafa de água no lavatório.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Enche metade da garrafa,

Enche metade da garrafa, mas depois falta a água. 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

- Não há luz, não há

- Não há luz, não há água, tá tudo morto pelos cantos da escola... rebentou a guerra, só pode.

Olho-me ao espelho e tento encontrar-me num sonho, mas é difícil não ter a sensação de que tudo é realidade!

Guardo a garrafa de água e aproveito para dar uma mija para depois sair e perguntar o que se passa nas salas de aula onde me parece haver gente...

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Descobres que são alunos e

Descobres que são alunos e professores (em duas salas) em que toda a gente ficou na sala quando se deu a gritaria e agora estão com medo de sair.

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Não estou com muita

Não estou com muita vontade de ajudá-los, mas ainda não satisfiz a curiosidade acerca do que se terá passado. Tento comunicar com alguém das salas para tentar saber alguma coisa. 

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Bem, falas com aquela

Bem, falas com aquela malta 

http://invisiblecastle.com/roller/view/1502565/

e consegues reconstituir vagamente o que se passou: faltou a luz,  algum do pessoal saiu das salas, de repente veio uma escuridão que se mexia e quem não fugiu a tempo novamente para as salas, berrou que se fartou (e tu sabes que esses devem ser os que estão estendidos no chão com as tais feridas). Agora o que isto significa, é que não sabes (o pessoal recusa-se aliás a sair das salas, estão à espera que a luz volte, a menos que os tentes convencer).  

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Respondo-lhes que vim da

Respondo-lhes que vim da biblioteca e não detectei qualquer perigo desde lá até às salas; afianço-lhes que não há que temer e que vou até à biblioteca reanimar um miúdo que desmaiou. Não faço questão que me acompanhem, mas se quiserem acompanhar-me, que o façam agora.

 

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

  http://invisiblecastle.co

 

http://invisiblecastle.com/roller/view/1502589/

http://invisiblecastle.com/roller/view/1502590/

 http://invisiblecastle.com/roller/view/1502591/

Consegues convencerna primeira turma apenas dois alunos, mas da segunda saem 13; tens um total de 15 que vai contigo para a biblioteca.

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

OOC: De que ano(s) são os

OOC: De que ano(s) são os alunos?

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

São do 10º ano: os 2 são

São do 10º ano: os 2 são de humanidades (um casal), os 13 de electrónica (12 rapazes e uma rapariga). 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Vou à frente deles

Vou à frente deles tentando fazer transparecer que estou seguro de mim próprio. Apesar de ser um ano mais velho do que eles, é-me incómodo o facto de estar atrás deles a nível escolar, pelo que tento afirmar-me acendendo mais um cigarro enquanto nos dirigimos para a biblioteca.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Com o teu aspecto, são

Com o teu aspecto, são eles que tem medo de ti...

Ao chegar perto da biblioteca, reconheces um dos corpos: a stora Margarida. Finalmente lá chegas, onde os tótós estão a tentar reanimar o miúdo.

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Dou a água à dona da

Dou a água à dona da garrafa, enquanto vou dando informação sobre o que se passa.

- Há cadáveres por todo o lado. A stôra Margarida também já está morta. O que se passa ao certo, ainda não consegui saber... 

Saco da naifa e, esgrimindo-a duas ou três vezes, concluo:

- Vou tentar sair escola. Qualquer Bin Laden em que eu ponha a vista em cima não vai ter vida fácil. Se me querem seguir, reanimem o puto e ponham-se a andar. Quanto a ti, Tânia... - olho para ela com um sorriso maroto - temos um trabalho que eu gostava de acabar, quando bazarmos daqui pra fora... a biblioteca é um bom sítio, mas num quarto também não estaremos mal.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Embora pouco entusiasmados,

Embora pouco entusiasmados, os alunos concordam contigo. Subitamente ouvem uma música. 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Tento identificar donde vem

Tento identificar donde vem a música e se alguém a conhece.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

O som que ouves vem de

O som que ouves vem de cima.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1503913/

Não consegues perceber que raio de tipo de música é aquela, mas consegues ouvi-la:

 http://www.archive.org/details/OMioBabbinoCarogianniSchicchifromARoomWithAView

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Arreganho uma expressão de

Arreganho uma expressão de enfado:

- Bah, música sem guitarras e bateria não é música! Se isto continua por mais tempo, não aguento e tenho de ir lá acima desligar aquela merda...

Começo a pensar melhor:

- Mas... não há luz na escola...  como é que?...

Decido-me por levar os putos para o exterior da escola, mas fico com a ideia de regressar para investigar a música.

 

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Bem, vais descendo então

Bem, vais descendo então com os alunos, e o número de cadáveres vai aumentando, até que no piso 0, tem de passar por cima dos corpos para andarem. 

http://invisiblecastle.com/roller/view/1503947/ 

Quando estão a avançar, percebes que estão umas coisas a mexer-se no corredor que dá para a entrada; são do tamanho de ratos

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Preparo-me para

Preparo-me para espezinhar o que quer que seja aquilo, indo ao encontro das "coisas".

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Contas pelo menos 6.

Contas pelo menos 6. Avanças na mesma? 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Sem medo! Bora prá

Sem medo! Bora prá frente!

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Corres para a frente sem

Corres para a frente sem medo das criaturas; de repente ao dar uma olhadela a uma delas vês que ela tem uma cara de pessoa.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1508090/

http://invisiblecastle.com/roller/view/1508092/

Decididamente a merda que andaste a fumar faz-te mal: estás a ver coisas.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1508094/

Mas pior é que deu cabo da tua pontaria.

 Elas atiram-se às tuas botas, mas estas são resistentes...

 

OOC: aquilo que andaste a fumar reduziu a tua consciência e amorteceu a perda de sanidade mental, mas em compensação ficaste sem o bónus para acertar nas criaturas.

 " Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Esperneio de modo a escapar

Esperneio de modo a escapar daquelas coisas e vou de encontro ao grupo. 

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

vais a correr, mas as

Vais a correr, mas as criaturas não te largam; tens 3 agarradas às botas, e uma delas está a tentar trepar para as pernas... 

http://invisiblecastle.com/roller/view/1508296/ 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Tento espetar-lhe com a

Tento espetar-lhe com a faca nos olhos para ela ver do que é bom para a tosse!

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

http://invisiblecastle.com/r

http://invisiblecastle.com/roller/view/1509259/

http://invisiblecastle.com/roller/view/1509261/ 

Ouves um guincho da criatura que te larga. Entretanto sentes uma enorme pancada na outra perna e apercebes-te que a Matilde atirou a mochila contra outro bicho na tua bota deixando-o atordoado; perguntas-te se ela está interessada em ajudar-te mesmo ou está a aproveitar para se vingar das humilhações que lhe fizeste passar, mas de qualquer modo deu jeito. O último ser foge.

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Ainda a arfar, trato de

Ainda a arfar, trato de esconjurar devidamente aquelas criaturas e quem se lembrou de as criar, num longo panegírico feito de palavrões e vitupérios. Enrolo mais um cigarro com as mãos a tremer e pergunto ao maralhal se estão prontos para enfrentarem as criaturas de novo.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Eles olham para ti pouco

Eles olham para ti pouco entusiasmados. A Tânia diz:

-Eu não vou pra onde tão aqueles ratos nojentos!

A Matilde sugere:

-E que tal se fossemos por outro lado? Esse parece um pouco perigoso. Sempre podiamos tentar escalar um dos muros do pátio para a rua.

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

- Óptimo! - respondo eu e,

- Óptimo! - respondo eu e, virando-me para a Matilde - claro que a menina Matilde vai pegar numa mochila para lançar contra mim quando for preciso, tá bem?

Deixo-me de faca em punho e metemo-nos a andar. 

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

- Engraçadinho! Se não

- Engraçadinho! Se não fosse eu, bem que podias ficar à espera da outra, que ela não mexia uma palha para te salvar.

-Ouve lá, de quem é que estás a falar?- Pergunta a Tãnia

-De quem é que te parece? Além de burra, és surda?

-Eu vou-te às trombas! -E a Tânia avança na direcção da Matilde.

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Interponho-me entre as duas

Interponho-me entre as duas tentando apaziguar os ânimos:

- Vamos lá, vamos lá, não está propriamente na altura de nos andarmos a desancar uns aos outros. Guardem a raiva para aqueles bichos nojentos. Algo nos diz que é por causa de aberrações daquelas que há tanto cadáver por aqui espalhado. 

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

-Agora estás do lado dela?

-Agora estás do lado dela? Pois fica sabendo, que já não consegues mais nada de mim, e fica lá com a tua nova amiga!-Diz a Tânia-e sai disparada na direcção contrária aos bichos

-Eu não o quero pra nada!-diz a Matilde

Um dos Totós diz-te:

-Hum, isso não faz muito sentido, quer dizer, como é que meia dúzia de bicho iam matar tanta gente? Tu sozinho correste com 3! Ou então estão ainda por aí- diz assustado, e o resto do pessoal junta-se todo a olhar para os lados.

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Olho ainda na direcção

Olho ainda na direcção para onde foi a Tânia, pensativo. Decido-me:

- Vamos seguir a Tânia, tenho um mau pressentimento acerca do que lhe possa acontecer. Para além do mais, precisamos de sair daqui de alguma forma.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Seguem e ao aproximar-se

Seguem e ao aproximar-se das escadas ouvem novamente a música. 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Se não perdemos a Tânia

Se não perdemos a Tânia de vista, continuamos a seguir para onde ela foi.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Ela mais à frente pára, e

Ela mais à frente pára, e parece conversar com uma pessoa.

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

- Quietos aí, putos! Vou

- Quietos aí, putos! Vou ver melhor o que é que se passa.

Aproximo-me, pé ante pé, da Tânia e da pessoa com quem ela fala.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Quando chegas, vês que á

Quando chegas, vês que á stora Albertina (a da biblioteca), que está com um ar péssimo, e encostada à parede, mal se aguentando de pé. 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Embora seja uma velha

Embora seja uma velha maluca e nem lhe devesse ligar nenhuma graças ao que essa p*ta me fez sofrer lá dentro, aproximo-me e pergunto-lhe a ela ou à Tânia o que se passou para ela estar assim.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

 Ela fica surpreendida por

 Ela fica surpreendida por te ver, mas depois diz-te:

-Ai meninos tem de me ajudar!. Tenho o meu querido gatinho lá em cima e eu estou com medo que comam o meu bichano!

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Passo-me da cabeça. Por

Passo-me da cabeça. Por esta não estava à espera.

- O seu quê??? Gatinho??? Mas você está louca ou quê? Está metade da escola morta e você quer salvar um... gatinho???

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

-Mas o meu pobre animal é

-Mas o meu pobre animal é tão querido, e não demora nada, é um instante!- E diz-te a piscar o olho: 

-Olha, se me o ajudarem a salvar, eu deixo-vos ficar com as coisas que são confiscadas aos aluno e guardadas lá!

-E que coisas tem lá?-pergunta a Tânia.

-Sei lá, tanta coisa! navalhas, drogas, bolas de futebol, telemóveis, preservativos, o que se lembrarem.

  

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Penso para comigo "o raio

Penso para comigo "o raio da velha é estúpida, mas não é burra":

- Bom, vamos lá sentir na pele o que é um bombeiro voluntário! Adiante! Onde é que se meteu o bicho? 

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

-Está na arrecadação lá

-Está na arrecadação lá em cima no 3º andar onde guardamos as coisas, onde devia estar mais? E tenho a chave, por isso escusa de arrombar a porta. Suba as escadas.

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Subo as escadas de faca em

Subo as escadas de faca em riste, atento a qualquer coisa que possa suceder.

OOC: os outros alunos vêm atrás?

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

OOC: Não, os outros

OOC: Não, os outros ficaram para trás, onde os deixaste (antes de ir ver a professora e a Tânia), apenas a Tânia vai ao teu lado, e a professora atrás de ti.

Sobes um par de degraus e de repente sentes uma dor lancinante nas costas: vês tudo negro e sentes um grito e cais.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1511447/ 

Acordas depois com uma pessoa a dar-te estalos: vês a sempre solícita Matilde. Ela faz uma cara de alivio quando te vê a focar os olhos e diz-te:

-O que é que se passou? Com quem estavas a falar? Ouvi a Tânia aos gritos, e quando cheguei vi-te deitado no chão.

 

OOC parte 2: Tens uma bela ferida nas costas, (o casaco de cabedal amorteceu 1 ponto, mas mesmo assim tens 5 de dano) e se não te fizerem primeiros socorros já eras...

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

- Ajuda, quero ajuda!

- Ajuda, quero ajuda! Rápido! Não sei o que aconteceu. A Tânia e a stôra? 

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

A Matilde ajuda-te a

A Matilde ajuda-te a tirar o casaco, e depois ao ver a ferida tenta tapá-la.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1511489/

Consegue e a ferida fica estanque.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1511490/ 

Ela lá mexe um bocado e parece que te sentes melhor.

-Ainda bem que eu tirei um curso de primeiros socorros no verão, hem? -Depois mais séria:

-Não sei de nada, estavas com a stora? Mas ela não tinha ido para casa mais cedo por estar doente? Eu só ouvi os gritos da Tânia, vim a correr e estavas tu.

 

OOC: Estás agora com apenas uma ferida de 3 pontos.

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Começo a estranhar a

Começo a estranhar a situação, franzindo as sobrancelhas e gemendo ainda ligeiramente por causa da dor:

- A stora? Doente? Ela estava mesmo aqui comigo, eu ia resgatar-lhe o... mas... então mas... a Tânia? F*da-se onde é que tá a Tânia? Que m*rda é esta? Tu queres ver que?... quem é que me f*deu as costas todas? Foi a Tânia? Foi a prof? Ai o c*r*lho!!!

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

OOC: repara que no sítio

OOC: repara que no sítio onde o grupo estava conseguiam ver que a Tânia estava a conversar com uma pessoa, mas não quem era, só quando te aproximaste é que viste quem era a pessoa. 

-Escusavas de usar essa linguagem, mas não sei, como disse tu foste atrás dela e ...

Ouvem então um urro (humano) seguido de um grito lá em cima.

-Que é isto? Será a prof e a Tânia?-diz a Matilde

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

- Porra... o que quer que

- Porra... o que quer que seja isto, vou matar a coisa!

 Corro para cima de faca na mão.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

-Ey! Não me deixes aqui

-Ey! Não me deixes aqui sozinha!

Vais subindo as escadas (com a Matilde atrás de ti, que vai tentando acompanhar-te, mas ela é bem mais pequena que tu), até chegares ao 3º piso. A arrecadação é meia dúzia de metros à esquerda. Ouves uma cantilena por detrás dessa porta. Sentes então que a Matilde chegou: está completamente sem fôlego e a suar da correria.

-Podias, (pausa para respirar) ter (pausa para respirar) esperado (pausa para respirar) por mim antes de vir salvar a tua princesa!

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Pergunto se está alguém

Pergunto se está alguém atrás da porta. Se ninguém responder, abalroo-a com um pontapé.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

A cantilena

A cantilena continua:

 http://invisiblecastle.com/roller/view/1511574/

Consegues reconhecer a voz da stora Albertina, mas ela não te responde.

Dás um primeiro pontapé:

 http://invisiblecastle.com/roller/view/1511576/

http://invisiblecastle.com/roller/view/1511578/

Abres a porta que está ligeiramente danificada.O que vês lá dentro deixa-te espantado. Já viste muita coisa marada, mas isto ultrapassa tudo.

A velha stora Albertina está no meio de um desenho todo complicado no chão. Está toda despida, e por mais anos que vivas, achas que nunca vais esquecer essa visão...  de pesadelo. Fora do desenho, e à volta dela, estão também 5 raparigas nuas, o que seria bem mais agradável, não fosse o caso delas estarem com as gargantas cortadas... e tem uns desenhos marados pintados na barriga.  Tudo iluminado por umas velas que largam um cheiro horrível.

Ela tem na mão uns papeis, de onde está a ler a cantilena (de que não percebes nada). Num canto na frente, está a Tânia desmaiada (pelo menos achas tu, não tem a garganta cortada, embora tenha sangue na testa), com as roupas rasgadas (afinal não é tão boa como parecia na biblioteca, tem o peito todo descaido).

Testes de san por ver os corpos:

http://invisiblecastle.com/roller/view/1511584/

Teste por ver o símbolo:

http://invisiblecastle.com/roller/view/1511585/

Perdes obrigatoriamente 1 ponto de sanidade, mas passaste todos os testes.

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

O estranho simbolo

 Estranho simbolo

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Dou um salto para trás,

Dou um salto para trás, meio desorientado: 

- Eh pá, que ninguém se aproxime desta porra! Matilde, fica aí se não te queres passar da cabeça! F*d*-se!

Viro-me para a stora Albertina e vou tentar acertar na velha com um pontapé, para ver se ela acorda do transe.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

http://invisiblecastle.com/r

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514338/

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514340/ 

Dás-lhe um pontapé nos queixos, sentes um "crak" e ela rebola, desmaiada. Decididamente terminou a cerimónia. Só que subitamente atacam-te 5 ratazanas com as caras humanas, que aproveitam teres entrado para se lançarem a toda a força, de modo que não tens tempo de fugir.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514342/

Passas novamente o teste de sanidade mental.

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Terei de me haver com elas.

Terei de me haver com elas. Puxo da faca e vou à luta, clamando por ajuda lá fora.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Bem, vou fazer 3 rounds de

Bem, vou fazer 3 rounds de combate e depois, dizes o que pretendes fazer.

Primeiro turno

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514489/ 

 http://invisiblecastle.com/roller/view/1514492/

Quando ela salta, acertas com a navalha na primeira ratazana, e embora saia sangue e ela recue, ainda está viva; nesse momento entra a Matilde .

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514494/

Ela dá um grito, mas parece aguentar-se bem com aquilo. As ratazanas, parecem agora coordenar-se e atacam-vos as 5 (3 a ti e 2 à Matilde).

Segundo turno:

Elas saltam para ti mas acertas numa

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514505/

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514506/ 

 A ratazana fica ferida e foge.

 http://invisiblecastle.com/roller/view/1514501/

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514512/

Uma falha, mas a outra acerta-te, e faz-te 2 pontos de dano (estás neste momento com 8)

 

A Matilde usa um pisa-papéis contra a primeira que lhe salta:

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514523/

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514525/

A ratazana apanha com o golpe, mas a Matilde tem pouca força e o bicho pouco sofre

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514533/

A segunda ratazana falha redondamente.

 Terceiro turno:

As duas ratazanas atiram-se a ti.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514514/

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514516/

Espetas em cheio a faca, e sentes a faca a partir os ossos da ratazana, que cai meia morta. Mas a segunda conseguiu passar.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514519/

e falha redondamente, acertando-te em cheio no botão de punho do teu casaco; ela foge então em pânico ao aperceber-se que está sozinha.

Matilde vê as ratazanas a saltarem novamente:

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514538/

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514540/

Volta a acertar na mesma ratazana, que sofre um pouco mais e fica agora atordoada. Só que outra atacou e:

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514543/

http://invisiblecastle.com/roller/view/1514547/

mordeu-lhe na perna, ferindo-a.

Ponto da situação: está uma ratazana atordoada no chão, e outra alegremente na perna da Matilde.   

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Trato de ajudar a

Trato de ajudar a Matilde!

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Espetas a faca na ratazana

Espetas a faca na ratazana e:

http://invisiblecastle.com/roller/view/1515729/

acertas-lhe em cheio.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1515730/

A faca esmaga o cranio da ratazana que fica com a cabeça separada do corpo e pendurada na faca. A Matilde tem a perna ferida da dentada.

Entretanto a outra ratazana já despertou, mas ao ver-se sozinha e ferida, foge.

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

"Isto está muito

"Isto está muito perigoso", penso eu, ainda ofegante, depois da luta. Olho para a Matilde ferida e digo-lhe que será melhor tratarmos das minhas feridas e das dela. Já para não falar da Tânia, cujo estado desconheço. Tento reanimá-la.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Bem, depois de algum tempo,

Bem, depois de algum tempo, lá consegues reanimar a Tânia. Ela dá um grito, mas depois quando vê que és tu, agarra-se a ti (ainda despida) e diz:

-Bruno! Eu estava com tanto medo! Ainda bem que vieste salvar-me.

Ela é interrompida secamente pela Matilde que diz:

-O Bruno está ferido e tenho de cuidar dele.

Ela limpa-te a ferida, e consegue aparentemente estanca-la. Reparas que está muito mais meiga, do que há uma hora atrás (quando trocaram as primeiras palavras na biblioteca).

http://invisiblecastle.com/roller/view/1515914/

Ela arranja um torniquete para a própria perna.

Tu observas a Tânia que está a tentar arranjar os farrapos de roupas, mas ela só fica ainda mais sensual com aquilo tudo rasgado e a mostrar o corpo.

Entretanto, lembras-te dos papeis que a velha estava a ler e a cantarolar.

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Procuro o papel para,

Procuro o papel para, quando achá-lo, afastar-me ligeiramente dos outros e lê-lo sozinho.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

São várias

São várias páginas. Dando uma olhadela, percebes que é uma tradução de um capítulo de um livro que tem uns mitos quaisquer. Mas sublinhado quase no fim, parece estar um feitiço que segundo diz, permite viajar no espaço, de um local para outro (os pormenores estão antes). Para perceber, tens de ler aquilo tudo, e ainda demora uma boa meia hora.

 

http://invisiblecastle.com/roller/view/1515939/

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Guardo o papel comigo e

Guardo o papel comigo e tento ver se toda a gente está em condições, de maneira a que nos possamos ir embora. E já agora, tento aperceber-me se a música ainda se ouve.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Nop, a música não se ouve

Nop, a música não se ouve mais. A Tânia está já em condições de estar de pé. 

A professora parece estar a acordar.

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Dou uma forte pancada na

Dou uma forte pancada na cabeça da professora antes de nos pormos todos a andar.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Dás a pancada e ela volta

Dás a pancada e ela volta a dormir. Que fazem agora?

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Como a música não se ouve

Como a música não se ouve mais, voltamos para baixo, de modo a encontrar a saída.

-  Atenção a coisas estranhas, todos! - digo eu - isto parece uma casa de horrores.

Tento ir lendo o papel à medida que caminhamos. 

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Vocês vão descendo sem

Vocês vão descendo sem enfrentar obstáculos.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1518333/

Do que lês, é uma cena marada estilo Harry Potter: lanças um feitiço, e consegues deslocar uma área inteira para outro local. A preparação é fixe: velas, estar nú, repetir uma data de palavras esquisitas, pode-se usar acólitos (que raio é isso?) e se for preciso um par de sacrificios humanos.

Chegam cá fora, e onde devia estar a cidade do Porto, está apenas um descampado.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1518335/

Aquilo que a stora fez. E percebes então que ela deve ter levado a escola para outro quelho qualquer, daí não se ver nada lá pra fora.

 

OOC: Se quiseres compreender o feitiço tens de o ler sossegado durante um bom bocado para o perceber integralmente. 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

- Wow, man! Nem todas as

- Wow, man! Nem todas as ganzas do mundo fazem disto! Que cena!

Procuro presença humana por ali perto.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Ficaram só os 2 tótós à

Ficaram só os 2 tótós à espera da Matilde, o pessoal da electrónica já desapareceu. 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

OOC: Mas esse pessoal já

OOC: Mas esse pessoal já vinha comigo, certo? Eu queria rondar a zona à procura de alguém...

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Não, só vês cadáveres

Não, só vês cadáveres por todo o lado... Até as ratazanas deixaram de fazer ruído.

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Sinto-me... fatigado, e ao

Sinto-me... fatigado, e ao mesmo tempo aliviado por sair da escola. Por outro lado, a situação não parece muito melhor. Volto a tirar do bolso o papel do feitiço. Sugiro a quem me acompanha que descansemos, procuro uma árvore e trato de ler com calma o papel. 

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Deixa-me descrever melhor o

Deixa-me descrever melhor o local: não há nada. Não há árvores, plantas, qualquer sinal de vida ou civilização. Apenas um chão rochoso e estéril. O ambiente é desolador e frio. Nem sequer há luz natural, apenas os vossos telemóveis.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1518436/

Sentas-te e os outros contigo (menos a Tânia que não está para ler) lêm o texto. É um resumo e tradução de um capítulo de um livro (provavelmente do que estava com a stora). O feitiço era usado pelo povo do monólito negro (a Matilde explica-te que era um bloco de pedra esculpido como monumento), e invocando "aquele que não pode ser visto", toda a zona era teletransportada para outro local. Um feiticeiro e os seus ajudantes ajudavam-no a lançar o feitiço. O resto são os detalhes do feitiço. 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

- Hmm... isto não explica

- Hmm... isto não explica o porquê das criaturas todas na escola nem a razão para toda aquela matança. Deve haver algo por explicar no meio desta m*rda toda.

Tento saber, fazendo perguntas aos totós ou à Matilde, se conhecem o tal "que não pode ser visto". Vou explicando o meu raciocíno:

- Tenho a impressão que é por causa dele que esta porcaria aconteceu hoje. Em todo o caso, e tendo em conta que isto não é mais do que um deserto, só um feitiço nos fará regressar, ou pelo menos sair desta bosta. O que significa que temos de pactuar com "o que não pode ser visto"... não?

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

-Nunca ouvi falar de

-Nunca ouvi falar de ninguém assim- diz um dos tótós.- Mas a stora pactuou com essa coisa e estava viva, portanto não mata quem a chama. Mas onde vamos fazer isso? E arranjar velas? E o tal desenho que diz aqui que é preciso?

 

OOC: aumentas 1 ponto de Cthulhu Mythos (agora já tens 6 pontos).

Para lançares feitiços usas pontos de magia (tens 11) e podes usar os dos outros, que colaboram contigo na cerimónia (e podes fazer um sacrificio humano se quiseres para aumentar os pontos... mas isso custa mais sanidade mental).

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

- Bom, para arranjar as

- Bom, para arranjar as velas, só me estou a lembrar de um sítio. O do primeiro feitiço, que ainda deve lá ter uma quantas.A não ser que alguém tenha uma ideia melhor, o nosso único remédio é regressar lá dentro outra vez... talvez se eu apanhar a stora Albertina viva lhe diga umas coisas sobre sacrifícios humanos...

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

-Voltar para lá? Aquilo

-Voltar para lá? Aquilo é assustador- Diz um dos tótós 

-Ey! Eu não me vou despir à vossa frente-diz a Matilde.

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Assumo uma postura

Assumo uma postura irónica:

- Então a cara Matilde vai-me dizer se tem uma ideia melhor para sair daqui... pelo menos as velas temos de arranjá-las em algum sítio...

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

A contragosto, a Matilde

A contragosto, a Matilde acaba por dizer:

-Tens razão, vai ter de ser, mas ai de vocês que façam comentários sobre o meu corpo!

Lá vão seguindo para o 3º piso novamente, passando pelos cadáveres dos vossos colegas e professores, com toda a naturalidade, até lá chegar.  

-Não percebi, porque é que temos de nos despir?-pergunta a Tânia 

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

- É uma boa pergunta -

- É uma boa pergunta - respondo eu - mas quem sou eu para contrariar o que está escrito nesta folha? Se a velha da prof fez assim, vamos ter de fazer nós também, senão o caldo pode entornar. E não te preocupes com isso; afinal de contas, vai calhar-nos a todos.

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Na sala, as velas estão

Na sala, as velas estão mais pequenas; sentem a respiração da stora que ainda está a respirar, com a cara empapada em sangue.

Despem-se então. Dizem que as aparências enganam. Neste caso não: a Tânia é boa como o milho, a Matilde não. Elas e eles fazem um ar constrangido a tentar tapar-se com as mãos e lá se sentam dentro do símbolo pintado.

Tu és o hierofante que invocará "aquele que não pode ser visto" enquanto os outros serão os acólitos.

Começas a ler o papel:

- Quid non possiamus uidere

Venet at tuiis fidelis

Ia! Ia! Cthulhu fhtagn!

Ph'nglui mglw'nafh Cthulhu R'lyeh wgah'nagl fhtagn!

 

No principio sentes as palavras a empapar-te na língua de tão estranhas que são, e tem alguma dificuldade em cantar em uníssono, mas ao fim de algum tempo, começam a tornar-se familiares e é como se sempre as tivessem conhecido, e repetem-nas sem dificuldade. Começam a cantar cada vez mais alto até estarem a gritá-las e sentes uma estranha sensação, como se estivesses a comungar com uma realidade superior.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1522845/

http://invisiblecastle.com/roller/view/1522846/

Ao fim de algum tempo o teu corpo está a suar, e sentes-te a ficar cansado, mas não te atreves a parar: é como se algo te obrigasse a continuar. Vês a Tânia a cair para o lado, exausta, desmaiada, o seu corpo brilhante de suor; depois é a vez de um dos tótós e depois outro até só ficares com a Matilde.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1522848/

Quando pensas que não vais aguentar muito mais, começas a sentir um arrepio de frio: ficas exultante sabendo que resultou. Aos poucos começa a formar-se um negrume à tua frente.

http://invisiblecastle.com/roller/view/1522849/

http://invisiblecastle.com/roller/view/1522850/

http://invisiblecastle.com/roller/view/1522858/

Sentes um grito dado dado pela Matilde, mas não lhe ligas.

Ficas hipnotizado ao ver aquilo. É uma mancha negra, de que não se vê o fundo. Percebes que aquilo não faz parte deste mundo e é uma aberração sem fim. Enmbora te apeteça fugir, ficas transido ao chão. Até que ouves sons dentro da tua cabeça. Percebes que a creatura está a pedir-te um sacrificio. Apontas maquinalmente para a professora, e vês tentáculos negros a dirigir-se para a professora. Ela parece despertar da sua letargia e tenta gritar ao ver os apêndices dirigirem-se ao seu corpo e envolverem-no, nas pernas, peito, braços e boca, até que o seu ar fica vítreo e cai. Definitivamente.

Ouves então telepaticamente:

-Onde?

Só pensas na cidade do Porto, no sítio de onde vieram antes.

A criatura desaparece, e sentes que o frio desapareceu. Os teus olhos habituados à escuridão reparam numa coisa então: existem luzes lá fora. E sons de carros. Voltaram ao Porto. Tu e a Matilde abraçam-se e ficam assim. No escuro, em silêncio, ouvindo os sinais da cidade.

Fim.

Agora é só esperar pelo resto dos jogadores... 

 

OOC: O que sucedeu, é que gastei 10 pontos de magia por cada membro do grupo, só que a Tânia tinha menos de 10, por uso desmaiou, e os tótós gastaram a diferênça por isso também foram ao "tapete" e ficaram os 2 para se manterem acordados, e fazer o pedido. Azar, perdeste 15 pontos de sanidade de uma só vez, mas invocar um Grande Antigo tem os seus riscos...

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

Foi bem, boa malha!

Foi bem, boa malha! ;)

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141

Espero que tenhas gostado.

Espero que tenhas gostado. Tinha planeado outro fim, mas perder 18 pontos de sanidade em tão pouco tempo, dá cabo de tudo. 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

 

 

" Robot durante o dia, vegetal durante a noite"

No Call of Cthullu estás

No Call of Cthullu estás aprovado, vamos ver o que se segue com o D&D. Laughing

Malditos rolls hahaha...

Volgoque veritas iam attributa vino est.
Plinius Maior, Naturalis Historia Liber XIV, 141