2011 em revista - Setembro

Retrato de Mallgur

22 partidas, 16 jogos diferentes, 4 novidades

Este mês foi um pouco de abrandamento. Reduziu-se o número de jogos jogados e também de jogos novos.

Também não ocorreram acções de divulgação em que estivesse envolvido por isso, passemos rapidamente às impressões acerca dos jogos estreados:

Dixit Odyssey - Terceira edição do jogo com novas cartas, novo tabuleiro para a marcação dos pontos e, infelizmente, novo sistema de votação cujos mini-tabuleiros não seguram os pinos que lá se colocam. É um defeito que se pode ultrapassar facilmente mas, mesmo assim, é um defeito grave. Apesar disso, o jogo continua a ser uma das melhores opções de jogos de festa. Não tive ainda oportunidade de experimentar as variantes incluídas nas regras desta terceira edição mas, até agora, não sinto necessidade de o fazer.

Quarriors! - Esta seria a grande decepção de 2011 se eu tivesse algumas expectativas de encontrar aqui um bom jogo. Não tinha e por isso não fiquei decepcionado. O jogo é mau. Muito mau. Depois de o jogar um par de vezes e de o ver jogar algumas mais, continuo a manter a minha descrição dada quando me perguntaram como era na LisboaCon: "Imagina um Dominion mas em que não sabes o que as cartas fazem". Dominion já não é dos meus jogos favoritos mas este acrescenta uma segunda camada de aleatoriedade por cima da já existente no Dominion - para além das "cartas/dados" que te saem, ainda tens que lidar com a sorte adicional de como esses dados resultam - e, com isso, coloca-se claramente no campo algo deserto dos jogos que evitarei jogar de novo. Foi uma excelente manobra de marketing, aliando uma mecânica que está na moda a um certo grau de fetichismo cúbico por dados que se pode encontrar entre muitos entusiastas dos jogos... Tal como a vasta maioria das boas manobras de marketing, o produto associado não é grande coisa.

Petróleo S.A. - Um jogo com um público alvo que não me inclui. Não é mau mas não é para mim. Ainda por cima joguei-o a dois e não me parece que seja um número bom para este jogo. Consigo, contudo, ver que funcione com famílias que não incluam gamers ou com pessoas que não tenham contacto com tantos jogos diferentes como eu.

Washington's War - Sem dúvida a melhor estreia deste mês. O jogo tem alguns aspectos marginais de jogo de guerra mas é, na essência, um jogo de controlo de áreas e de movimentação de influência. Resulta bem e gostei bastante de o jogar. A repetir.

Outubro será revisto em breve...