Em Abril... jogos 51. Também eu queria mil, pois!

Retrato de Mallgur

Abril foi, até agora, o mês em que pude registar mais partidas no BGG.

Para isso contribuiu certamente a TrincaCon. Mais uma vez, ficam os agradecimentos, parabéns e outras coisas que tal à organização.

Foi aliás na TrincaCon que pude experimentar, pela primeira vez o jogo que mais vezes joguei em Abril... Jenga. Nada mais nada menos que 16 partidas de Jenga.

Para quem não conhece, é um jogo de destreza em que temos que retirar blocos de madeira dos andares de uma torre e colocá-los no topo. A redução de blocos nos níveis inferiores vei provocando instabilidade na torre até que esta cai. O jogador que fizer a torre cair, perde. Nada mais simples. Mas muito divertido... Tanto que comprei a minha cópia no CentroXojo pouco tempo depois da convenção. Nem foi caro.

O jogo seguinte nos mais jogados também tem relação com a TrincaCon pois foi o que recebi na Math Trade aí concluída. Fiji.

Já pude manifestar a minha opinião acerca do mesmo no tópico em que muitos de nós falaram do que tinham recebido nessa troca. É um jogo estranho, mas divertido. Fico contente de o ter e as três partidas registadas em Abril ainda sabem a pouco.

Depois, Piranha Pedro. Também com três partidas e também um jogo novo para mim. Este conheci num dos encontros semanais do grupo do Porto. É um filler interessante. Ficará na lista para potenciais compras em Essen... Sim. Também decidi em Abril que vou a Essen! Pelo menos já marquei féria e tudo para isso... a ver se é desta vez que consigo lá ir!

Depois vem Witche's Brew. Um jogo de que já falei anteriormente e que joguei por duas vezes em Abril.

Dos 31 jogos diferentes que joguei este mês, para além dos já falados, alguns destaques:

Age of Steam - Finalmente pude experimentar este lendário título de Martin Wallace. É realmente um jogo interessante. Cruel e absolutamente destrutivo para quem cometa um erro ao início, não deixa de ser um desafio à tenacidade dos jogadores. Com muitas oportunidades de "lixar" o próximo, é um jogo que deverá agradar àqueles que gostam de poder aproveitar as oportunidades de estragar a vida aos outros, mas parece-me que dedicar-se em exclusivo a isso também pode ser fatal.

Caylus Magna Carta - Não gosto de Caylus. Quase todos os que me conhecem como jogador sabem disso. Mas esta versão foi um bocadinho melhor. Não sei se por não ter os favores reais, se por ser um pouco mais rápido ou por eu já saber as bases, gostei bastante mais de jogar esta versão em cartas que o jogo de tabuleiro.

Dominion - Talvez seja a minha experiência com o Magic, talvez seja uma tendência natural para contrariar modas, talvez o jogo seja mesmo pouco interessante, mas a verdade é que não achei no Dominion motivos para toda a loucura que o rodeia... Enfim, acho que será realmente uma moda. Mais uns seis meses e desce bastante o rating ou então já anda tudo farto de expansõezinhas para fazer render o peixe. A ver vamos...

Giants - Mais uma nova experiência. Não fiquei fascinado. As mecânicas até são interessantes e o tema muito giro. Os componentes são lindíssimos, mas tão pouco práticos que estragam um pouco a experiência. São a prova que o bom design tem a funcionalidade à frente da estética, a forma segue a função, não o contrário.

Roll Through the Ages - huh... dados. Mais nada.

Snow Tails - Mais um que tentarei arranjar em Essen. A minha ideia para a ida lá é encontrar coisas mais antigas que ainda queira na minha colecção, mas este é demasiado bom para não o ter. Gostei imenso de o jogar e creio que será das melhores opções para jogos de corridas...

E foi assim Abril... Não joguei mil jogos ou partidas, isso seria bom demais, mas foi um mês bom. Muito bom.

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

Devo confessar que senti um certo alívio

Bem, estava aqui a ler as tuas opiniões sobre alguns jogos e devo dizer que fiquei aliviado por finalmente alguém não partilhar o entusiasmo pelo Dominion. Gostei da primeira sessão, da segunda achei mais ou menos mas quando joguei a terceira apeteceu-me cortar os pulsos. Que grande seca.
O roll Throught the Ages também senti que estava para ali a lançar dados sem objectivo nenhum.
Eu gosto do Caylus, mas apesar de nunca ninguém ter falado disso, detesto os favores reais no jogo. Tu tocaste na ferida.
Andamos em sintonia, depois do Monopólio.
O mais curioso é que andava a ver se alguém jogava ao Snow Tails porque tinha lido as regras e tinha-me parecido bastante interessante a mecânica da coisa e como sou um fanático por bons jogos de corridas, pareceu-me um bom titulo para juntar à colecção. Mas queria uma opinião de alguém que tivesse jogado. Ora como não te entusiasmaste com Dominion e o Roll Throught the Ages, os favors reais do Caylus pareceram-te parvos e gostaste do Snow tails vou já encomendar sem reservas o jogo :)

É bom Hugo!

 Não joguei mas fiquei um bocadinho a assistir a um joguito, cheio de vontade (e inveja)de (não) participar!

Diz que vais comprar fraldas para o Gabriel e marca um dia para jogares connosco (se demorares muito tempo, diz que só encontraste fraldas da marca "continente", muito pouco continentes por sinal, e que tiveste que procurar (muito) para encontrar as "dodot" Cool

Vamos novamente organizar um encontro "na linha" por isso vai já juntando os créditos para te pirares umas horinhas a um Sábado!

Grande abraço

 

Jogatinas:

Eu cá...

Tenho 71 partidas nesse mês. Mas os 28 jogos de Dominion (maior parte online) devem ter contribuído. Innocent

Moda? Não me parece que ande aí muito gajo a sacar garinas pelo seu score de Dominion. Acredito em hype para o pessoal ir a correr comprar um jogo. Mas não acredito que as pessoas desatem a jogar centenas de partidas por mês de um jogo porque está na moda. Mas pronto, digo eu.

 

Chega-lhe com os artigos, que isto é porreiro de ler. Wink

 


Top10:

Estatísticas e afins

Já que pegou moda, isto das estatísticas, aqui vai a minha posta:

76 jogas em Abril (ao vivo!)

Aprox. 200 (Attika, Dominion, Dog e mais qq coisita no BSW)

 

Confesso que o Dominion me causou algum fastio em Essen, pareceu-me baralha e volta a dar. Depois lá decidi experimentar no BSW e fiquei viciado, e só depois joguei ao vivo.

O fastio do baralha e volta a dar é o mesmo, mas on-line isso passa...

Caylus - só conheço a versão com os tais famigerados favores e não entendo o vosso problema, é uma forma de ganhar uma vantagem aqui e ali, como em qualquer outro jogo... digamos um bónus para quem se porta bem. Provavelmente precisam jogar mais vezes... isso de jogar um jogo e mandar postas de pescada... até parece eu com as "batatas fritas".

Roll through the Ages - Não acham que estarão a pedir demais de um jogo que é um Yathzee com um tema?! Digo eu! Vê-se que nunca jogaram Yathzee nem dados de Poker... É como aqueles que gostam de Tichu e renunciam a sueca... eh pá, são jogos de cartas...

Snow tails - É a experimentar... explicaram-me a mecânica e pareceu interessante... daí a ser bom, só jogando.

«Mais vale estar calado e julgarem-te um idiota, do que abrir a boca e dissipar todas as dúvidas.»

Herrar é umano.

JohnnyBeGood escreveu:

JohnnyBeGood escreveu:

isso de jogar um jogo e mandar postas de pescada... até parece eu com as "batatas fritas".

Gostei de ler isto. Gostei mesmo. Fighting 

Últimas jogatinas...

Claro, identificáste-te com o assunto

Ehehehe, mas eu não amuo durante a joga...

 

«Mais vale estar calado e julgarem-te um idiota, do que abrir a boca e dissipar todas as dúvidas.»

Herrar é umano.

Deves estar a falar...

Daquela famosa 1ª partida de BSG... Tirando esse episódio (ao qual pedi desculpas quer pessoalmente, quer publicamente), não compreendo a tua tirada. Isso das postas de pescada, é natural as pessoas expressarem o que sentem sobre o jogo, mesmo após uma única joga. Não da forma tal radical como tu fazes, mas natural mesmo assim. Fighting

Últimas jogatinas...

Radical!!!

Raramente faço grandes comentários a um jogo quando o jogo pela primeira vez!

Tirando o raio dos jogos de combóios...

Vou cortar esse mal pela raiz... embirrei... não jogo mais jogos que tenham miniaturas de combóios, ou algo que se assemelhe... assim já ninguém me pode dizer seja o que for.

«Mais vale estar calado e julgarem-te um idiota, do que abrir a boca e dissipar todas as dúvidas.»

Herrar é umano.

Jogas, jogas...

Nem que tenha de usar aquele método de dar remédios aos mais pequeninos... "Abre a boca a bem, senão enfio-te isto pela goela abaixo..." Happy Meeple

Últimas jogatinas...

Re: Excelente

Realmente há uma selecção de jogos interessantes e outro que ainda terei de esperimentar. MAs valeu aí pela descrição dos mesmos.

Jogos de Poker

<a href="http://www.jogosdepokeronlinegratis.com.br" title="Jogos de poker">Jogos de Poker</a>

Postas...

JohnnyBeGood escreveu:

Caylus - só conheço a versão com os tais famigerados favores e não entendo o vosso problema, é uma forma de ganhar uma vantagem aqui e ali, como em qualquer outro jogo... digamos um bónus para quem se porta bem. Provavelmente precisam jogar mais vezes... isso de jogar um jogo e mandar postas de pescada... até parece eu com as "batatas fritas".

Suponho que cada tenha os seu problemas próprios com certas mecânicas. Pessoalmente estes favores do rei parecem-me um pouco martelados, mas demasiado importantes no jogo. Enquanto na versão de cartas a nossa prestação se mede na forma como perseguimos e implementamos estratégias com a construção de edifícios, a sua utilização e contribuições para o castelo, na versão de tabuleiro, o jogo paralelo dos favores do rei torna-se quase tão importante como o que serve de tema ao jogo, ou seja, a evolução da vila em redor da construção do castelo. Assim, algo que parece ser apenas um bónus, torna-se num ónus, numa obrigação e recurso indispensável para quem quer tentar ganhar. E já joguei Caylus mais que uma vez.

JohnnyBeGood escreveu:

É como aqueles que gostam de Tichu e renunciam a sueca... eh pá, são jogos de cartas...

Também o burro e a lerpa são jogos de cartas. O que não significa que sejam todos igualmente bons. Se assim fosse, 90% das nossas conversas acerca de jogos de tabuleiro eram despropositadas e absurdas. Afinal, são todos jogos de tabuleiro...

Eu não gosto de Sueca. É um jogo que te obriga a fazer batota, sinais e coisas assim. O Tichu não tem nada a ver com isso. O facto de ser um jogo de combinações e não de vazas simples torna-o radicalmente diferente da Sueca e, na minha opinião, muito superior. Se me quiserem falar de jogos de vazas simples com parceiros, falem-me de Bridge, Whist ou até mesmo Espadas.

Parece-me que estavas em modo zangão neste post, pá!

-

Gamer profile

Envenenado

É um ferrão envenenado... não tenho culpa.

Não partilho dessa opinião sobre os favores no Caylus.

Cartas... são cartas... e também não concordo com isso da batota e sinais na sueca. Também se podem usar sinais no Tichu... e em qualquer jogo de pares ou equipa.

«Mais vale estar calado e julgarem-te um idiota, do que abrir a boca e dissipar todas as dúvidas.»

Herrar é umano.

Benenoso...

JohnnyBeGood escreveu:

Cartas... são cartas... e também não concordo com isso da batota e sinais na sueca. Também se podem usar sinais no Tichu... e em qualquer jogo de pares ou equipa.

Lamento, mas não é verdade. No Bridge, por exemplo, na fase de cartear o teu parceiro nem está em jogo se tiverem ganho o contrato. E fazer sinais não tem qualquer utilidade para a equipa que não ganhou o contrato.

No Tichu podes fazer sinais e tentar fazer batota, é verdade. Mas não tens grandes garantias que isso resulte porque, sendo um jogo de combinações crescente e não de vazas simples, o risco de uma determinada combinação ser batida pelos adversários é grande e não há sinais que possam impedir isso. Na Sueca, se não fazes sinais (batota), como toda a gente, não tens qualquer hipótese. Podes tentar fazer batota em quase todos os jogos, mas na Sueca és obrigado a isso...

-

Gamer profile

Tás enganado

Numa partida de Sueca competitiva, leia-se em Torneio ou Campeonato, não são admitidos sinais ou qualquer tipo de conversa durante o jogo. Conta a capacidade de cada um para "contar" cartas e a dedução a partir do jogo realizado pelo parceiro e adversários.

«Mais vale estar calado e julgarem-te um idiota, do que abrir a boca e dissipar todas as dúvidas.»

Herrar é umano.

LOL

JohnnyBeGood escreveu:

Numa partida de Sueca competitiva, leia-se em Torneio ou Campeonato, não são admitidos sinais ou qualquer tipo de conversa durante o jogo.

Estou mesmo a ver os árbitros:

"Demoraste alguns milisegundos a mais ao pousar essa carta"

"Deslizaste a carta da esquerda para a direita por mais de três milímetros"

"Trouxeste a carta voltada para baixo para a mesa e voltaste-a para cima ao jogar"

"Lançaste a carta pelo ar"

And so on and so forth... Não me parece que seja muito fiável. Um bocado como a parvoíce da "intenção" nos lances de futebol...

Claro que se pode jogar Sueca sem fazer batota. O que eu quis dizer foi que essa batota e esses sinais já estão tão enraizados que se torna quase impossível jogar sem os usar. E isso corrompe os méritos que o jogo, sem essa componente, possa ter. Assim sendo, prefiro jogar outros em que não seja tão fácil ou "tradicional".

-

Gamer profile

Opiniões, opiniões...

Não vou comentar detalhadamente as tuas opiniões sobre os jogos em causa. Até porque discordo da maioria... Mas são opiniões. Valem o que valem.

Agora a apresentação sim, essa leva Star YellowStar YellowStar YellowStar YellowStar Yellow. Tudo muito arrumadinho.

P.S.: O Giants já está com os problemas "funcionais" resolvidos. Nada como entrar no tema e "esculpir" uns marcadores de tribo Cool.

Últimas jogatinas...

tecnicamente...

...a menos que sejam partidas de Dominion ou Jenga a 5 minutos cada Ashamed deve ser impossível chegar ás 1000 partidas num mês, mas aí umas 700 pareceria-me razoável Happy

Da minha parte, já percebi que tenho gostos bastantes diferentes do Mallgur (apesar de concordarmos quanto ao fantabulástico Go) e, este mês, também tive a oportunidade de perceber porque é que anda tanta gente viciada no Dominion. Gosto bastante, sinto que tem a sua estratégia, mas parece-me um bocado seco em termos de tema. Podiam trocar os nomes às cartas aleatoriamente que aquilo ia dar practicamente ao mesmo.

O dominion tem exactamente

O dominion tem exactamente o problema do race, é preciso umas quantas jogadas até aquilo fazer clique, no entanto quando faz clique continua a haver quem o adore e quem o odeie.

Eu pessoalmente gosto bastante, lembra-me os drafts de magic (a melhor coisa que se pode jogar com magic) e tem todo aquele mecanismo de optimização sempre com um setup variado.

Quanto ao giants que experimentei em Abrantes fique com a mesma sensação que tu, é tudo muito bonito e as mecânicas até são interessantes, mas há ali qualquer coisa que não me convence, é um daqueles pa experimentar outra vez e aí dar uma opinião mais final.

Breaking the Magic

--